Muitos pais têm o hábito de obrigar os filhos a dizerem alô quando chegam a um local ou quando recebem visitas em casa. Normalmente o fazem com o objetivo de que os mais pequenos aprendam as regras da educação formal, e também porque temem que essa pessoa se sinta ofendida. No entanto, devemos realmente forçar as crianças a dizer olá?

Por que os obrigamos a dizer olá?

Muitos pais forçam os filhos a dizer olá simplesmente porque estão repetindo um padrão que aprenderam na infância, quando eram forçados a dizer olá aos outros. Esse ato mecânico não permite que reflitam sobre as implicações profundas de sua atitude, pois se limitam a seguir a ordem autoritária que aprenderam. No entanto, obrigar as crianças a dizer olá implica submetê-las aos desejos dos outros, portanto, na realidade, esse comportamento está longe dos valores de respeito que tentamos incutir nelas.

Por outro lado, os pais devem se perguntar por que sentem essa obrigação. Fazemos isso porque queremos que os outros pensem que sabemos como educar adequadamente nossos filhos? Estamos preocupados que essa pessoa se ofenda com a recusa da criança? Estamos mais interessados ​​no que essa pessoa pode pensar de nós como pais do que no que nosso filho sente ou deseja? Queremos que nosso filho siga estritamente nossas ordens ou queremos educar uma pessoa autônoma com iniciativa e capacidade de decisão?

Crianças cumprimentam de coração

Os adultos geralmente cumprimentam fora da educação, as crianças cumprimentam com o coração. E é uma grande diferença. As crianças geralmente são espontâneas e mostram suas emoções abertamente, por isso, quando estão felizes em ver uma pessoa ou acham isso agradável, será natural para elas saudá-las ou até correr e abraçá-las.

Pelo contrário, se é um estranho ou uma pessoa que não ganhou a sua simpatia, é normal que as crianças não tenham tanto entusiasmo. Porém, ao forçá-los a dizer olá, estamos transmitindo uma mensagem clara: seus sentimentos não importam, você deve priorizar as convenções sociais. Do ponto de vista de seu desenvolvimento emocional, essa não é exatamente uma boa lição.

Em outros casos, as crianças não dizem olá simplesmente porque são tímidas. Não se trata de desrespeito, mas de inibição. E obrigá-los a fazer algo que não gostam e que vai contra a sua natureza pode acentuar ainda mais essa timidez, causando um profundo desconforto que gera insegurança.

A isso se acrescenta que normalmente os pais fazem julgamentos de valor sobre o ato de não cumprimentar e classificam a criança como “mal educada”. Desse modo, a mensagem que se transmite ao filho é que, para ser amado e aceito pelos pais, ele precisa se submeter às regras deles, escondendo seus sentimentos. Como resultado, essa criança perderá o contato com sua essência e se tornará um adulto que reprime suas emoções porque aprendeu que elas não são aceitas. Sem dúvida, usar expressões de amor como moeda de troca para obter aceitação é um grande erro que os pais não devem cometer.

Ensine a dizer olá

Isso não significa que as crianças não devam dizer olá. Na verdade, é um bom padrão de cortesia que predispõe positivamente as pessoas e cria uma boa impressão. Os pais devem ensinar seus filhos a dizer olá, mas não pressioná-los para um abraço ou beijo se não quiserem.

A saudação, como muitos outros temas da educação infantil, deve ser combinada com os mais pequenos. Não se trata de impor, mas de explicar a sua importância. Se a criança não tiver vontade de dar um beijo ou um abraço, um simples alô ou um aperto de mão serão suficientes. O normal é que com o passar do tempo as crianças acabam dizendo alô igualzinho aos adultos, então não é preciso pressioná-los.

Jennifer Delgado / Etapa Infantil

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.