Por: Jessica Valenti
Um dos mitos modernos mais perniciosos sobre a maternidade é que ter filhos prejudicará sua carreira. Dizem às mulheres que precisamos escolher entre nossos empregos ou nossos filhos, ou que passaremos nossos anos de trabalho mais produtivos “fazendo malabarismos” ou realizando um “ato de equilíbrio”.

Para aqueles de nós desinteressados ​​em truques de circo, um pouco de perspectiva: não é realmente a maternidade ou crianças que inviabilizam as carreiras e as ambições pessoais das mulheres – são os homens que se recusam a fazer o que lhes cabe.

Se os pais fizessem em casa o mesmo tipo de trabalho que as mães sempre fizeram, as carreiras das mulheres poderiam florescer de maneiras que ainda não imaginamos. Mas, para chegar lá, precisamos parar de enquadrar os problemas das mães no ambiente de trabalho como uma questão de “equilíbrio” e começar a falar sobre como a negligência doméstica dos homens torna tão difícil para elas terem sucesso.

Sim, sabemos que o homem está fazendo mais do que nos últimos anos: os pais relatam gastar cerca de oito horas por semana em creches , ou três vezes mais do que os pais em 1965. (Embora tenha em mente que os dados são auto-relatados e os homens tendem a superestimar o quanto o trabalho doméstico e o cuidado das crianças eles fazem.)

Homens fazendo mais, no entanto, não é a mesma coisa que homens fazendo o suficiente. Apesar dos progressos realizados, as mães ainda gastam quase o dobro do tempo que os homens nessas tarefas. E nem toda criação de filhos é um trabalho tangível e quantificável – é o trabalho mental de ter filhos que geralmente são os mais exigentes. É fácil dividir, por exemplo, quem faz uma merenda escolar ou veste uma criança pela manhã. Mas alguém também precisa acompanhar os dias em que o almoço precisa ser ensacado para uma viagem de campo ou quando é hora de comprar roupas íntimas ou tênis novos. Quantos pais você sabe quem pode lhe dizer o tamanho correto do sapato de seu filho?

Esse tipo de trabalho invisível quase sempre recai sobre as mulheres, e raramente conversamos sobre o impacto que isso tem em nossas vidas profissionais. Imagine se, em vez de nossa mente estar cheia de listas de tarefas sobre compras de supermercado e consultas a dentistas, tivéssemos espaço disponível para o pensamento criativo em torno de nosso trabalho e paixões. Para as mães, a liberdade de pensar é um privilégio.

Estudos também mostram que os pais continuam a ter significativamente mais tempo de lazer do que as mães e que as mães usam seu tempo livre para fazerem tarefas domésticas e cuidar dos filhos enquanto os pais usam o tempo livre para passear e relaxar. Isso também é sobre carreiras: sabemos que pessoas que têm mais tempo de lazer e tempo para atividades criativas tendem a ter um desempenho melhor no trabalho.

Para ter certeza, existem também “penalidades de maternidade” nos locais de trabalho que não têm nada a ver com os homens. É muito menos provável que mães sejam contratadas do que não-mães e, quando elas têm filhos, seus salários caem de um penhasco. Estudos de 2017 levaram alguns analistas a chegar à conclusão de que a diferença salarial era quase inteiramente atribuível à maternidade. Os homens, por outro lado, tendem a receber mais dinheiro quando têm filhos. A discriminação individual e estrutural contra as mães permanece, e isso afeta enormemente as habilidades das mulheres para alcançar a esfera pública.

Mas as respostas à discriminação no local de trabalho são diretas e, mais importante, estão finalmente sendo reconhecidas como necessárias. Que os homens fazem menos cuidados infantis é amplamente conhecido, mas não é amplamente condenado. Nós ouvimos repetidas vezes, por exemplo, que as mulheres simplesmente “se importam” mais.

Ainda é preciso duas pessoas para se fazer uma terceira, portanto, não é justo que uma delas fique com toda a responsabilidade dos cuidados enquanto a outra seja vista apenas como um “participante especial”. Trocar fraldas, preparar a comida, medicar e zelar pela saúde, cuidar da higiêne e asseio pessoal da criança, levá-la e buscá-la na creche/escola, devem ser atribuíções de ambos os pais e se os homens reconhecessem e assumissem de vez sua parte nessas responsabilidades, com certeza sobraria mais tempo para as mães para dedicarem à carreira. Provavelmente também não seriam discriminadas e rejeitadas na vez de ser contratadas.

Então vamos parar de dizer que é a maternidade que prejudica a carreira das mulheres; não é a instituição da paternidade que dificulta o avanço no trabalho. Não são nossos filhos. É que não há chance de igualdade no trabalho enquanto houver desigualdade em casa. Não é que as mulheres não possam “ter tudo”, é que os homens não querem colaborar.

 

Por: Jessica Valenti do site Medium

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS