Do site Rincón de la Psicología

Em um mundo ideal, as pessoas deveriam amar sem possuir, acompanhar sem invadir e viver sem depender. Mas não vivemos em um mundo ideal e aqueles que estão ao nosso lado nos amam e se relacionam conosco à sua maneira, como foram ensinados a amar e a se relacionar.

Quebrar esses padrões para fazer com que nos amem como queremos é bastante complicado, e é por isso que em alguns relacionamentos chegamos a um ponto de virada no qual devemos nos perguntar se aceitamos esse tipo de relacionamento ou mantemos distância.

Os estilos de apegos no relacionamento são criados na infância.

O apego é um vínculo afetivo primário que estabelecemos durante os primeiros anos de vida com as pessoas que cuidam de nós. Essas figuras de apego, que geralmente são os pais, influenciam muito nosso desenvolvimento emocional.

Com eles aprendemos a linguagem da intimidade que mais tarde usaremos com nossos filhos ou em nossos relacionamentos. Portanto, a satisfação ou insatisfação de nossa necessidade de segurança, afeto, atenção e cuidados na infância determinará em grande parte como tentaremos satisfazer essas necessidades na idade adulta.

1 – Estilo de apego seguro

Para desenvolver um estilo de apego seguro, os pais precisam mostrar não apenas uma preocupação sincera com os cuidados do bebê, mas também ser capazes de entender e atender às suas necessidades, sem serem excessivamente invasivos, mas não despreocupados.

São pessoas receptivas e disponíveis, que respondem de maneira calorosa e atenciosa. Eles sabem que devem cuidar da criança, mas também assumem sua alteridade, para que não a tratem como se fosse um apêndice para si mesmos. Eles, portanto, assumem o papel de cuidador e facilitador, deixando à criança a liberdade de que precisa para desenvolver e encontrar seu papel no mundo.

Essas crianças se tornarão adultos:

– Autônomos e autoconfiantes. São pessoas que se consideram uma “laranja completa”, não procuram o outro para completar algo que lhes falta, mas para compartilhar seu amor.

Eles sabem como selecionar as pessoas que formam seu círculo de confiança. Essas pessoas sabem como identificar pessoas tóxicas nos relacionamentos interpessoais para fugir e aquelas com quem podem construir um relacionamento em desenvolvimento. Eles são seletivos em seus relacionamentos.

Eles desenvolvem relacionamentos mais satisfatórios. Essas pessoas geralmente são capazes de se comprometer com os relacionamentos que estabelecem, mostrando mais confiança e apoio, o que afeta a satisfação de ambos os membros com o relacionamento.

Eles têm uma ideia realista sobre o amor. Essas pessoas não têm uma visão adocicada do amor, estão cientes de que isso implica compromisso e trabalho duro de ambos os lados. Eles também consideram que é possível viver sem um parceiro de forma satisfatória.

2 – Estilo de apego evitativo

Esse estilo de apego geralmente surge de cuidadores rígidos e inflexíveis. Essas pessoas passam a mostrar rejeição e hostilidade em relação às crianças, para que não atendam às suas necessidades básicas de afeto. Eles mostram certa aversão ao contato, limitando o tempo que passam com a criança.

Geralmente são pais que pensam que as necessidades emocionais de seus filhos são excessivas, resultado de uma fraqueza, capricho ou até mesmo uma tentativa de manipulá-los, para estabelecer uma distância que deixa as crianças isoladas.

Essas crianças se tornarão adultos:

– Pseudo-autônomo emocionalmente. Elas se fazem passar por pessoas frias e duras, porque querem mostrar que não dependem de ninguém, mas, na realidade, é uma falsa autonomia defensiva que usam para camuflar suas inseguranças emocionais.

Elas temem intimidade. Essas pessoas evitam a intimidade por medo de se sentirem rejeitadas. É por isso que tendem a estabelecer relacionamentos emocionalmente distantes, têm dificuldades para se comprometer e estabelecem barreiras de comunicação.

Elas acham difícil expressar seus sentimentos. São pessoas que, reprimindo seus sentimentos, podem experimentar analgesia emocional autêntica. Por sua vez, são surdos às necessidades emocionais de seus parceiros e mantêm relacionamentos profundamente insatisfatórios que deixam um vazio emocional.

– Elas não acreditam em amor. Essas pessoas, devido às rejeições que sofreram, geralmente abrigam uma ideia pessimista sobre o amor, acreditam que ele existe apenas em filmes românticos, para que não se abram para experimentar esse sentimento.

3 – Estilo de apego ansioso o ambivalente

Nesse caso, as figuras de apego não são hostis, mas insensíveis, embora, quando animados e felizes, possam ser mais sensíveis, afetuosos e competentes, reconhecendo e satisfazendo as necessidades da criança. O problema são as oscilações entre sensibilidade e insensibilidade, que geram um cenário incerto que a criança não pode prever.

A criança deve enfrentar pais inconsistentes e inconstantes que às vezes prestam atenção a ela e outras vezes a ignoram. Às vezes, mostra que isso o incomoda, mas outras vezes ele é íntimo e sensível. Essa ambivalência gera uma forte angústia em crianças que causa grande hipersensibilidade, tornando sua busca por afeto constantemente ativa.

Essas crianças geralmente se tornam adultos:

– Inseguros e dependentes. São pessoas inseguras e emocionalmente instáveis que temem a solidão, porque lhes custa viver sem um parceiro. Isso os leva a procurar ansiosamente a companhia um do outro, o que pode levá-los a escolher indevidamente parceiros tóxicos.

Medo de perda. O medo do abandono e da perda da outra pessoa gera uma grande insegurança que gera ciúmes e comportamentos avassaladores e controladores no relacionamento. Esse cenário de desconfiança e demanda excessiva por afeto geralmente gera relacionamentos insatisfatórios. Elas desenvolvem comportamentos ambivalentes. Essas pessoas mostram os mesmos comportamentos ambivalentes que sofreram: mesmo desejando estar com as pessoas que amam, às vezes experimentam que são incomodadas por elas, podendo sentir uma raiva muito forte produzida por uma percepção excessiva de abandono diante de comportamentos normais de separação.

– Elas têm uma ideia contraditória de amor. Elas tendem a pensar que os relacionamentos amorosos são a coisa mais importante do mundo, mas também acreditam que raramente são alcançados; portanto, geralmente assumem uma atitude vitimizadora nos relacionamentos.

Como alterar o estilo do apego?

“Amar é a arte de querer a outra pessoa como você realmente quer ser amado, não tanto quanto você quer amar”, escreveu Erich Fromm. O estilo de apego é um modelo relacional que carregamos desde a infância, mas não é uma sentença final.

Embora os vínculos de apego formados na infância persistam como modelos no mundo representacional do adulto, esses modelos se tornam mais complexos à medida que crescemos, nós os reinterpretamos e ajustamos de acordo com nossas experiências. Portanto, embora tendam a ser estáveis e autoperpetuantes, também podem ser relaxados e evoluídos com as experiências de apego mais gratificantes.

Isso significa que, quando enfrentamos uma pessoa significativa com um estilo de apego ansioso ou evitativo, temos duas opções: aceitar incondicionalmente essa pessoa, mas estabelecer uma distância de segurança psicológica que nos proteja ou ajudá-la a mudar.

Essa mudança não acontecerá da noite para o dia, requer paciência e tempo. E não se deve às palavras, mas às ações, o que significa que só pode ser promovido a partir do amor e da afeição.

Essa pessoa deve verificar que compromisso e liberdade não são antônimos, que podemos acompanhar sem invadir e amar sem sufocar. Você também deve se sentir seguro o suficiente para confiar em nós e expressar seus sentimentos livremente. Só então você pode se livrar de suas inseguranças para se relacionar com a independência emocional.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.