Quando se trata de fazer com que as crianças se comportem, pesquisas recentes sugerem que a voz da autoridade adulta não é a única coisa que importa. Por volta dos três anos, a integração com o grupo também começa a contar muito.

Essa é a descoberta de um novo estudo realizado por pesquisadores da Duke University que mostra que, por volta do terceiro aniversário, as crianças são mais propensas a seguir o que os outros dizem ou fazem para seguir a multidão, em vez de agir pelo desejo de se prostrar diante autoridade ou atender às preferências dessa pessoa per se.

“Cada cultura tem o que fazer e o que não fazer”, disse o primeiro autor Leon Li, estudante de doutorado em psicologia e neurociência na Duke.

Não nascemos sabendo o que dizer quando alguém espirra, a hora certa e a errada de usar chapéu, ou que devemos comer com o garfo e não com as mãos. Mas a maioria de nós começa a pegar essas regras sociais não escritas quando somos muito jovens e rapidamente descobrir quando e como segui-las.

A questão, disse Li, é o que faz as crianças “se comportarem”? O que impulsiona uma criança de 3 anos a usar sua voz baixa quando prefere cantar e gritar? O que realmente está acontecendo quando uma pessoa cobre sua tosse e uma criança em idade pré-escolar faz o mesmo, contra sua própria inclinação?

Talvez as crianças desta idade não estejam realmente tentando se conformar à maneira aceita de fazer as coisas, sugeriram alguns, tanto quanto estão tentando mostrar respeito pelos adultos fazendo o que eles dizem. Ou o comportamento imitador da criança pode estar enraizado no desejo de se sentir ligado a essa pessoa.

Para entender melhor o que motiva os pré-escolares a cair na linha, os pesquisadores conduziram um estudo no laboratório do professor Michael Tomasello na Duke, onde Li e Duke, estudante de graduação Bari Britvan, convidaram crianças de 3,5 anos para ajudar a preparar um chá de mentirinha.

Cada uma das 104 crianças recebeu um adesivo azul para usar no início do estudo e foi informada de que as pessoas com esse adesivo de cor faziam parte da mesma equipe.

Em seguida, os pesquisadores observaram as crianças decidirem entre diferentes tipos de chás, salgadinhos, xícaras e pratos para a festa do chá, primeiro por conta própria e depois ouvindo as escolhas dos outros membros da equipe.

Às vezes, o outro membro da equipe definia sua escolha como uma questão de preferência pessoal. (“Para o meu chá de hoje, estou com vontade de usar esse lanche.”) Outras vezes, eles o apresentaram como uma norma compartilhada por todo o grupo: (“Para os chás da Duke, sempre usamos esse tipo de lanche.”)

Depois de ouvir as escolhas dos outros, na maioria das vezes as crianças se atêm à sua primeira escolha. Em outras palavras, as crianças que inicialmente disseram que gostariam de usar, digamos, o donut acabaram pegando o donut independentemente do que a outra pessoa dissesse que eles estavam usando.

Mas 23% das vezes as crianças mudavam sua escolha para se contentar com a de outra pessoa. E, quando o faziam, eram mais propensos a concordar com a outra pessoa quando uma opção era apresentada como uma norma do grupo em vez de uma mera preferência pessoal.

O padrão se manteve mesmo quando a outra pessoa era outra criança, não um adulto, sugerindo que os pré-escolares não estavam simplesmente agindo com o desejo de imitar os adultos ou obedecer à autoridade.

Li diz que as descobertas dão suporte a uma ideia, proposta por Tomasello e colegas, sobre como as crianças desenvolvem a capacidade de raciocínio moral que diferencia os humanos dos outros animais.

Quando um adulto diz a um bebê ou criança pequena: “nós não batemos”, a criança geralmente faz o que ela manda por deferência a essa pessoa. Mas, finalmente, por volta do terceiro aniversário, as crianças começam a pensar de maneira diferente. Eles começam a entender pistas como “nós não batemos” como algo maior, vindo do grupo, e agem com base em um senso de conexão e identidade compartilhada.

Neuroscience

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.