Adaptado de Nos Pensées

Às vezes nos sentimos desiludidos, embrulhados em um tédio e vazio todos os dias. Quando nos perguntam o que acontece conosco, fingimos que estamos cansados, apenas isso e nada mais. No entanto, por trás dessa exaustão sem motivo ou razão está a tristeza, companheira que se instala sem permissão em nossa mente e coração para inocular apatia e meditação.

Vamos ser sinceros, todos já experimentamos esse tipo de situação em algum momento. Quando somados ao cansaço com essa emoção contagiosa, lânguida e profunda que é tristeza, às vezes usamos o “médico do Google” para encontrar um possível diagnóstico. Vemos imediatamente termos como “depressão”, “anemia”, “hipotireoidismo” etc.

Quando a tristeza se instala em nós, nós instantaneamente a concebemos como algo ruim, como algo patológico que devemos liberar instantaneamente, como aquele que sacode o pó ou a sujeira das roupas. Não gostamos e queremos nos defender sem sequer parar para entender sua anatomia, conhecer seus contornos melancólicos para adquirir um aprendizado muito mais profundo sobre nós mesmos.

De fato, às vezes esquecemos que a tristeza não é um distúrbio, que tristeza e depressão não são idênticas. Enquanto essa emoção não se estender ao longo do tempo e não interferir continuamente em nosso modo de vida, temos uma boa oportunidade, por mais paradoxal que seja, para progredir e crescer como pessoas.

Estamos constantemente cansados, mas sob esse cansaço muitas vezes existe outra coisa

Às vezes, passamos por momentos como este, onde vamos para a cama cansados e acordamos no mesmo estado. Podemos consultar o médico, as análises dirão até que não há desequilíbrio hormonal, deficiência de ferro ou outras patologias de origem orgânica. É muito provável que o profissional de saúde nos diga que pode ser a mudança de estação, uma pequena distimia típica do outono ou da primavera. Algo muito leve e que será resolvido por meio de tratamento farmacológico pontual e com tempo limitado.

Agora, existem estados emocionais que não exigem que o uso da farmacopeia seja resolvido. No entanto, quando sentimos seu impacto psicossomático em nosso corpo, é normal estarmos preocupados e cometemos o erro de tratar o sintoma sem antes abordar a fonte do problema: tristeza.

Por que nos sentimos cansados quando estamos tristes?

Os mecanismos cerebrais que governam nossos estados emocionais diferem consideravelmente um do outro. Embora a alegria ou derrame gere toda uma série de hiperatividade e conexões em nossas células e regiões do cérebro, a tristeza é muito mais austera e prefere economizar recursos. No entanto, faz isso com um objetivo muito específico. Vamos ver isso em detalhes.

A tristeza gera em nosso organismo uma diminuição muito notável de energia. Além disso, sentimos a necessidade de limitar nossas relações sociais, que nos incomodam, o barulho pode até nos perturbar, até mesmo o de nosso próprio ambiente se torna algo ruim, e preferimos de longe a solidão.

• Também é interessante saber que a estrutura que assume o controle de nosso cérebro é a amígdala, mas cuidado, apenas uma parte dela, especialmente a parte correta.

• Essa pequena região do cérebro é a que induz esse sentimento de lembrança, inatividade, exaustão física … Toda essa descida de energia tem um fim em si: incentivar a introspecção.

Além disso, estados de tristeza reduzem nossa capacidade de prestar atenção a todos os estímulos externos ao nosso redor. Isso é por uma razão mais do que óbvia: o cérebro tenta nos dizer que é hora de parar e pensar, pensar em certos aspectos de nossas vidas.

O que precisamos aprender sobre esses estados ocasionais associados à tristeza

A tristeza ocasional, que nos envolve por alguns dias e nos faz sentir cansados, arrependidos e desconectados de nossa realidade, é algo que não podemos ignorar. Tratar os sintomas, resolver nossa fadiga com vitaminas ou nossa dor de cabeça com analgésicos é inútil se não alcançarmos a verdadeira raiz do problema.

Se não o fizermos, se não pararmos e não levarmos em conta o que nos incomoda ou nos preocupa, é possível que essa bola cresça e a tristeza se espalhe. Portanto, pode ser útil pensar em várias dimensões inerentes a essa emoção, o que sem dúvida esclarecerá alguns pequenos detalhes.

Três “virtudes” da tristeza que devemos entender

• A Tristeza é um aviso. Como mencionado anteriormente, a perda de energia, a fadiga e a falta de recursos mentais para avançar diariamente são apenas os sintomas de um problema óbvio que devemos resolver.

• Tristeza como resultado do desapego. Às vezes, nosso próprio cérebro nos alerta sobre algo que nossa mente consciente falha em assumir: “É hora de terminar esse relacionamento”, “Esse objetivo que você tem em mente não se tornará realidade”, “Você não.” você não é feliz neste trabalho, se queima, o torna vulnerável: talvez você deva mudar isso “…

Tristeza como instinto de conservação. Esses dados são curiosos e devemos lembrar: às vezes a tristeza nos convida a “hibernar”, a nos desconectar temporariamente de nossa realidade para conservar nossos recursos … Isso é frequente quando, por exemplo, estamos decepcionados; sempre será mais saudável refletir algum tempo em toda a intimidade, a fim de salvaguardar nossa auto-estima, nossa integridade …

Para concluir, como podemos ver, há momentos em nossas vidas em que o cansaço não é físico, mas emocional. Longe de ver a tristeza como uma desordem a ser tratada, devemos considerá-la como uma voz interior para ouvir, como uma emoção preciosa e útil, essencial para o crescimento do ser humano.

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.