Automutilação emocional: machucar a si mesmo

As pessoas são capazes de se machucar. Uma automutilação emocional que, entre as muitas formas que podemos praticar, nos leva a nos negligenciarmos todos os dias para dar prioridade aos outros. Isso nos leva a cair sempre nas mesmas relações prejudiciais, sem saber como estabelecer limites e negligenciando aquele ser lindo que se reflete em nosso espelho.

Quando se trata de automutilação, é comum pensar em uma lesão física quase que instantaneamente. Infelizmente, essas formas de automutilação deliberada são cada vez mais comuns para acalmar (dramaticamente) a raiva, o sofrimento ou a frustração. Agora, por mais surpreendente que possa parecer, há um fenômeno ainda mais recorrente do qual raramente se fala: a automutilação emocional.

As lesões não pertencem apenas ao universo físico, à superfície de nossa pele e aos nossos sentidos. Sabemos que bater dói, assim como as palavras machucam. Por isso é quase mais fácil identificarmos aquela dor que vem de fora e que pode nos ferir de maneiras infinitas e retorcidas, através do desprezo, dos maus tratos, do vazio, do grito, do engano, etc.

E aquela forma de dor que infligimos a nós mesmos? É possível? A automutilação emocional realmente existe ? A resposta é simples e clara, sim; na verdade, é muito comum, praticamente todos nós praticamos com frequência, mesmo sem ter consciência disso . Feridas que, entre outras coisas, têm consequências graves.

Lacerações na autoestima, golpes diretos à dignidade da pessoa que acabam por liberar a dor em forma de angústia ou ansiedade. Gradualmente, a ferida infecciona e causa depressão. Vamos aprender mais sobre esse assunto .

Automutilação emocional, o que é?

A automutilação emocional pode ser definida como o conjunto de pensamentos e comportamentos que agem contra nós e são claramente prejudiciais ao nosso bem-estar emocional. Essa definição nos obriga a refletir sobre o conceito de lesão como tal.

Embora seja verdade que nos preocupar com comportamentos como corte ou auto-agressão física, todos os gestos extremos que muitos adolescentes fazem quando ferem seus corpos através de cortes, essa outra dimensão de automutilação. muitas vezes passa despercebido. A automutilação emocional é a base dos transtornos de humor , especialmente se essa forma de lesão interna for praticada constantemente, dia após dia.

Embora seja verdade que nos preocupamos com comportamentos como corte, risuka ou automutilação física, todos gestos extremos que muitos adolescentes fazem quando machucam seus corpos por meio de cortes, esta outra dimensão de automutilação passa muitas vezes despercebido. A automutilação emocional é a base dos transtornos de humor, especialmente se essa forma de lesão interna for praticada constantemente, dia após dia.

Mas como nos machucamos? Quais são as dinâmicas que desencadeiam essa forma de sofrimento autoinfligido?

O Crítico Interno Implacável: A narração da autolesão emocional

Em cada um de nós existe uma narração , uma figura com um chicote e outros instrumentos de tortura com os quais gostamos de nos martirizar . Fazemo-lo sob a forma de boicote, convencendo- nos de que não estamos à altura dos nossos objetivos , enchendo- nos de inseguranças, lembrando erros do passado e sufocando nosso potencial.

Agora, tome cuidado, porque aquele torturador tem nosso rosto e nossa voz: nós somos nós mesmos . Somos nós que lhe damos força, através de um diálogo interior negativo, de nossas ideias irracionais, de medos sem sentido e de um discurso movido a baixa autoestima. Esse crítico interno implacável é responsável por muitas de nossas feridas emocionais.

Automutilação emocional na forma de padrões

Quando falamos de comportamentos que seguem o mesmo padrão, estamos nos referindo a comportamentos que se repetem ao longo do tempo, que seguem a mesma linha. Como esses comportamentos se relacionam com a automutilação emocional? De uma forma que será familiar para todos nós. Há quem acabe sempre por encontrar o mesmo parceiro : uma pessoa narcisista e violenta, com quem se estabelece um vínculo de dependência.

É como tropeçar continuamente na mesma pedra sem ter aprendido a ver e a evitá-la. Essas situações geram sofrimento duplo e frustração recorrente. Porque não só sentimos a dor desse relacionamento prejudicial , mas também acabamos nos culpando por nos apaixonarmos novamente pelo mesmo tipo de pessoa.

Quando não estabelecemos limites, nos tornamos capachos de todos

Existem pessoas com um coração imenso, uma bondade infinita que não tem limites nem medidas de proteção. E isso, sejamos sinceros, é um perigo. Ser uma pessoa de bom coração, altruísta, disposta a ajudar, a fazer o que é possível pelos outros é admirável. Porém, caso algumas barreiras de proteção não sejam colocadas e você não saiba dizer “não” quando necessário, acaba gerando inúmeras lesões emocionais.

Muitos se aproveitam da bondade dos outros e não hesitam em usar os outros como capachos, como superfícies para caminhar à vontade. Deve ser evitado, pois os efeitos dessas situações são muito prejudiciais à autoestima.

Viva uma vida sem paixão ou motivação.

A vida não é apenas trabalho ou rotina ou agradar os outros, por mais que os amemos. Uma vida autêntica precisa de paixão, projetos a serem realizados, metas, capacidade de fazer o que amamos, de dedicar um tempo a nós mesmos por meio de experiências que nos emocionem, que nos façam crescer.

Se não tivermos nenhum desses ingredientes, nos fechamos. Uma vida sem emoções e sem alegria provoca pequenas feridas internas que ninguém vê, mas através das quais os sonhos e a própria identidade se apagam a cada dia.

Temos que cuidar desse equilíbrio sutil entre obrigações e prazeres, entre trabalho e sonhos, entre nossos parceiros e nós mesmos.

Para concluir, embora seja verdade que a maioria de nós carrega mais de uma ferida emocional dentro de nós, é sempre um bom momento para cuidar de nós mesmos e tentar curar essas feridas.

Ter hobbies, fortalecer a autoestima e cuidar de nós com imenso carinho vai curar essa dor, para nos transformar em pessoas mais corajosas, fortes e dispostas a trabalhar pela própria felicidade.

Adaptado do site La Mente è Meravigliosa

Imagem de domínio público / Pixabay

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.