A Bélgica decidiu reautorizar o uso de imidaclopride , um neonicotinóide entre os inseticidas neuroativos usados ​​na agricultura e perigoso para as abelhas. Embora banido da Europa, esse inseticida receberá novamente autorização em 2021 para proteger a beterraba da icterícia. Um duro golpe para os apicultores e ambientalistas que se mobilizaram contra o “matador de abelhas”.

A França já havia tomado a mesma decisão nos últimos meses, e agora cabe ao Departamento Belga de Produtos Fitofarmacêuticos e Fertilizantes do SPF Santé conceder uma nova isenção para o neonicotinoide imidaclopride, mais conhecido pelo nome de Gaúcho da Bayer

Este tipo de isenção será concedida por um período renovável de um ano e é o terceiro ano consecutivo que o Estado belga solicita autorização para o uso deste neonicotinóide proibido pela União Europeia em 2018.

Na verdade, há apenas dois anos, a Europa havia proibido o uso de pesticidas à base de neonicotinoides, em particular as moléculas imidaclopride , clotianidina e tiametoxame . A derrogação recentemente renovada na Bélgica diz respeito apenas ao imidaclopride, que é usado para revestir sementes de beterraba.

Porque é efetivamente um “único” uso como cobertura de sementes e não como spray inseticida. Mas o problema da persistência do neonicotinóide no solo continua o mesmo e também dura vários anos, a ponto de contaminar outras plantas e plantações que são atrativas para insetos polinizadores. E não só isso: concentrações muito altas do mesmo neonicotinóide imidaclopride foram encontradas em muitos rios:

É por isso que as condições da isenção exigem que, durante 5 anos, nenhum cultivo de plantas com flores seja estabelecido nos campos onde a beterraba foi cultivada (com um relaxamento após 3 anos para culturas como linho e batata, por exemplo ) Outra condição: a semeadura das sementes recobertas com o neonicotinóide só pode ocorrer por um período de 120 dias, de fevereiro a junho. Por fim, e esta é uma pequena novidade em relação às exceções anteriores, as sementes devem ser semeadas a no mínimo 3 centímetros de profundidade enquanto a prática é em vez de 2,5 centímetros.

Mas isso não basta: estender a autorização ao novo uso desse inseticida “abelharuco” só pode ser um golpe duro e um retrocesso muito perigoso.

Fonte: greenme.it

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.