Black Mirror é uma daquelas jóias da televisão que, em vez de nos hipnotizar e nos fazer esquecer o mundo que nos rodeia, motiva-nos a ser mais críticos da nossa realidade diária.
Não é uma série convencional, não há conexão entre os episódios, não é necessário vê-lo em ordem, não obriga a fazer uma maratona de horas e às vezes é difícil digerir.

Neste artigo, falamos sobre o primeiro episódio da terceira temporada chamado Free Fall, que, embora seja definido no futuro, nos lembra enormemente o mundo em que vivemos. Não é um caso isolado no Black Mirror; Como afirmado em mais de uma ocasião, o mesmo criador, Charlie Brooker, não se deixa inspirar pela imaginação, mas por nossa contemporaneidade.

Queda Livre, o enredo

“Queda Livre” nos lembra da invasão das redes sociais que vivemos hoje e nos leva a perceber como elas podem ser perigosas e irreais.

Estrelando Bryce Dallas Howard no papel de Lacie e, este episódio nos apresenta um mundo perfeito em que não há cinza e tudo é em tons pastel, de roupas para casas e móveis. Tudo é maravilhoso e idílico neste futuro, não muito longe. No entanto, como nas redes sociais, esse mundo esconde um rosto muito amargo.

Lacie é a protagonista desta história, desse ecossistema em que as pessoas são julgadas de acordo com sua popularidade em um aplicativo muito semelhante ao Instagram, onde 0 é o menor e 5 o mais alto. Graças às avaliações dos outros e sua rede de contatos, é possível obter um melhor emprego, comprar um apartamento e obter um grande número de benefícios. O que aconteceria se levássemos tudo o que vemos no Instagram a sério? O que aconteceria se começássemos a classificar as pessoas com base em sua popularidade em uma rede social?

Mais uma vez, Black Mirror nos lembra da face mais oculto do nosso mundo, coloca diante dos nossos olhos uma verdade que conhecemos, mas que parece que ignoramos. Se você ainda não viu esse episódio, aconselhamos que pare de ler aqui porque o artigo possui spoilers, necessários para lidar com os problemas mais importantes levantadas.

Black Mirror –  “Queda Livre” por trás da perfeição

Hoje nós consultamos o Facebook, Instagram, Twitter … todo mundo tem suas próprias preferências, mas é indiscutível que as redes sociais se tornaram em pouco tempo parte de nossas vidas. Eles são a imagem que queremos dar ao mundo, que gostaríamos de ser, mas nós não somos. O melhor rosto da nossa vida diária.

Em Black Mirror o aplicativo star é usado para classificar pessoas, muito parecido com o Facebook e Instagram, com a diferença de que esses pontos são pontos sociais, funcionam bem além da rede e determinam a vida real.

Lacie é uma jovem popular, embora não seja da elite, tem um bom emprego, mas sua vida poderia ser muito melhor. Ela é completamente viciada na rede e constantemente tenta capturar a atenção de uma velha amiga de infância, Naomi, uma linda jovem com uma vida perfeita que está prestes a se casar.

A votação pode ser pública ou anônima e a repercussão de ter uma classificação ruim pode ser devastadora. Por esta razão, todos os habitantes deste mundo tentam se comportar de acordo com as regras, ser gentis e fingir ser “perfeitos”.

Pense por um momento sobre o Instagram, as contas que seguimos, as contas mais populares … todas elas são cheias de falsa felicidade, de uma beleza dolorosamente perfeita, o que aconteceria se transferíssemos isso para a vida real? Podemos tentar uma infinidade de filtros para ir bem em uma foto, podemos medir tudo o que publicamos, mas não podemos agradar a todos no nosso dia a dia.

“Queda Livre” significa mover os códigos de nossas redes sociais para o mundo real, onde não apenas agiríamos falsamente para agradar e mostrar nossa melhor face, mas esses gostos que recebemos no Instagram ou Facebook serviriam para determinar nossa posição social.

Em Black Mirror, as pessoas agem de forma correta umas com as outras, com uma gentileza que nos incomoda porque, afinal, sabemos ser um egoísmo fictício e puro. Elas não tentam ajudar ou apoiar, mas melhorar sua própria imagem.

Naomi propõe a Lacie para ser sua dama de honra no casamento, Lacie aceita sem hesitação, apesar da insistência de seu irmão, que o lembra que Naomi lhe causou muitos danos no passado. Lacie precisa ir a esse casamento porque estará cheia de pessoas com pontuações muito altas e poderá conseguir o 4,5 necessário para poder financiar o apartamento em que está interessada.

Naomi, por sua vez, não convida Lacie porque é uma boa amiga ou compartilha lembranças de sua infância, mas porque acha interessante convidar uma amiga do ensino fundamental com um 4,2. Ninguém age com sinceridade, ninguém pensa no outro, existe apenas o ego e a imagem projetada pelo ego.

Deixando de ser escravos
Esta extrema preocupação pela própria imagem, pela maneira como o mundo nos vê, nos lembra da nossa realidade. Free fall (a Queda Livre em tradução literal) não é improvável para nós e certamente nos apresenta situações vividas na primeira pessoa.

Todos queremos compartilhar imagens de uma refeição deliciosa, uma noite maravilhosa com os amigos, uma viagem inesquecível, um simples café no terraço … medimos tudo o que publicamos, pensamos em quem o verá e o que os outros vão pensar.

Vivemos em um mundo que, todos os dias, é um pouco menos humano e mais tecnológico, mas, felizmente, ainda mantemos contato , tratos cotidianos com nossos colegas e amigos e temos um pequeno espaço onde podemos ser nós mesmos.

Todos nós sabemos quem queremos ser, alguns também têm modelos para inspirar. No entanto, isso é realmente o que queremos? Durante o episódio, observamos que a personalidade de Lacie é extremamente condicionada, ela não escolhe suas refeições, ela come o que é bem visto pela sociedade: ela não gosta do biscoito que vem com café, mas finge que sim. Esse condicionamento, essa nova maneira de interagir e a extrema falsidade tornam os personagens incapazes de lidar com um conflito, de dizer o que pensam por medo de que sua pontuação caia.

Black Mirror magistralmente nos imersa em um baile de máscaras contemporâneo, filtros na vida real, onde tudo é pastel, tudo é perfeito na aparência, mas ninguém é feliz na realidade. Ninguém pode ser tão feliz, ninguém pode ser feliz sempre e ninguém pode adorar o mundo inteiro.

Este Instagram extremo, combinado com o convite para o casamento, levará Lacie a ficar obcecada com sua popularidade, que será interrompida por uma série de eventos inesperados que a obrigarão a ser ela mesma, a tirar sua máscara, a se tornar humana.

É humano ter sentimentos, não pensar o mesmo que o vizinho, é humano expressar uma raiva. Mas neste mundo tão perfeito, o humano não tem lugar. A queda de Lacie nada mais é do que uma libertação, acaba na cadeia, mas é livre .

Não são as paredes que a oprimem, era a sociedade e, uma vez à margem, pode finalmente gritar, pode ser ela mesma. A cena final em que Lacie “perdeu a cabeça”, quando percebe que não tem mais seu celular e entra em loop com seu companheiro de prisão, é uma cena libertadora e esperançosa. Não há prisão maior do que a própria pessoa, não há maior escravidão do que um mundo desumanizado .

Fonte: lamenteemeravigliosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.