Bohemian Rhapsody nos dá a oportunidade de mais uma vez desfrutar da música, para reviver um dos grupos mais emblemáticos e inovadores do século XX. Mais do que uma cinebiografia, nos lembra que a música deve nos excitar, nos fazer vibrar e, em última análise, sentir.

Fala-se muito sobre Bohemian Rhapsody, as opiniões são muito diversas e muitos apontam para questões da vida de Freddie que permaneceram no ar, que não foram tratadas ou que foram suavizadas. A verdade é que o mundo da música e, em especial, o rock, predominante de meados do século XX, esteve profundamente ligado ao excesso, às drogas e à destruição. Nós nutrimos a figura das estrelas do rock cercadas de excessos; Nós catapultamos essas estrelas ao nível de gênios obscuros e mal compreendidos, que gastavam o tempo com orgias, álcool e qualquer tipo de droga.

Parece impossível romper a associação entre o rock e excessos, embora sempre haja exceções, alguns como Bruce Springsteen ficaram à margem. Mas, sem dúvida, parece que pensar em rock é pensar em sexo desenfreado, festas loucas e extravagantes. Talvez seja o que algumas pessoas esperavam encontrar em Bohemian Rhapsody. Da mesma forma, seria de esperar uma visão mais profunda da doença de Mercury: o HIV; como esta doença o fez perder um pé e levou-o a um sofrimento que não é visto no filme.

Neste ponto, pode-se perguntar se a fita deve ser interpretada como um filme biográfico de Freddie ou Queen; e a única resposta possível é que é uma cinebiografia do grupo britânico. Sim, é verdade que na maioria das cenas se explora Freddie, mas também é verdade que ele é a figura mais reconhecível no grupo. Sua voz espetacular, sua conexão com o público, suas extravagâncias e sua morte prematura fizeram dele uma figura que, imediatamente, associamos ao talento e ao gênio. Portanto, não é de estranhar que seja a alma do filme.

Bohemian Rhapsody: além de Freddie

Se o que queremos é ver um filme totalmente fiel e detalhado da vida de Freddie Mercury, então é melhor não ver o Bohemian Rhapsody. Como qualquer adaptação, parte de uma história e construi algo totalmente diferente. Não devemos esquecer que o cinema, por mais fiel que seja à realidade, não deixa de ser uma narrativa, uma criação artística que, por sua vez, é profundamente limitada pelo tempo. Por esta razão, a cronologia é deixada um pouco à imaginação e certas licenças criativas são tomadas. Tudo isso pode se tornar um grande sucesso ou cair na catástrofe.

Deixando de lado as questões cinematográficas, estamos diante de um filme que nasce em um momento totalmente necessário. A música, como todas as artes, está mudando constantemente desde o nascimento. Muitos artistas são reavaliados ao longo dos anos, enquanto outros caem no esquecimento. E, no final, os que sobrevivem são os clássicos; aquelas obras que, por qualquer motivo, marcaram um antes e um depois.

Nos últimos anos, a música se tornou, mais do que nunca, um objeto de consumo; onde a quantidade é mais importante do que a qualidade, onde o antigo é o que foi ouvido há um ano. Os jovens conhecem Freddie? Tratando-se de uma figura tão popular, poderia-se pensar que a grande maioria sim; no entanto, a realidade é bem diferente. E se pedirmos a um de seus contemporâneos, ouso aventurar que a resposta será, em sua maioria, negativa.

Bohemian Rhapsody é uma ode à música, à música em que o autotune não era o protagonista e a criatividade do artista era fundamental (desde que o produtor consentisse). A imagem diabólica das gravadoras também está presente no filme, a sociedade de consumo avançava enormemente e ninguém se interessava por ópera, muito menos uma música cuja duração ultrapassava 3 minutos. Contra todas as probabilidades, Queen conseguiu cativar um público mais heterogêneo, demonstrando que a qualidade não precisa ser um antônimo de venda.

Música como um fio comum

Música é aquela disciplina que, se você entende, se você sabe o que está acontecendo, você desfruta de um nível difícil de explicar. No entanto, até mesmo a pessoa que menos entende de música logra em desfrutar. A música tem a capacidade de transmitir emoções, sensações e evocar memórias.

Originalmente publicado em La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.