O cérebro empático configura no ser humano uma consciência e um despertar para as emoções e necessidades dos outros. É o resultado evolutivo da socialização, um vínculo destinado a nos conectar uns aos outros para viver em maior harmonia, resolver conflitos e garantir a sobrevivência. Empatia é (ou deveria ser) a capacidade de garantir o bem-estar.

Dizemos “deveria” por um motivo específico: a empatia nem sempre garante ação humanitária. As pessoas são capazes de intuir e ler as emoções daqueles à sua frente e isso é certamente maravilhoso. Percebemos o sofrimento, percebemos o medo, lemos a angústia nos rostos dos outros … Porém, depois de nos colocarmos no lugar dos outros , nem sempre realizamos uma conduta pró-social, nem sempre promovemos a ajuda .

“Se você não sente empatia e seus relacionamentos pessoais não são eficazes, não importa o quão inteligente você seja: você não irá longe.”
-Daniel Goleman-

Como nos explicam os neurologistas conhecidos como Christian Keysers, do Instituto Holandês de Neurologia, ainda sabemos muito pouco sobre o chamado cérebro empático. A descoberta dos neurônios-espelho no final dos anos 90 por Giacomo Rizzolatti nos fez acreditar por um momento que o ser humano havia atingido esse anel evolutivo que muitos desejavam batizar como homo empaticus.

No entanto, nosso comportamento continua sendo bastante individualista. A empatia nos leva a nos conectarmos, a sentir as emoções dos outros como as nossas. Nos oferece um poder extraordinário, nós o conhecemos … no entanto, não o usamos em toda a sua eficácia. Assim como alguns estudiosos nos lembram, não há um compromisso real com a empatia, porque não é suficiente ouvi-la, também devemos usá-la.

O cérebro empático e seu objetivo

Ortega y Gasset disse: sem o outro, sem outra pessoa além de si mesmo, o ser humano não conseguiria entender a si mesmo, pois nem sequer entenderia o conceito de sociedade . O homem, disse ele, aparece na sociabilidade como o Outro, alternando o Um e, por sua vez, o reciprocador. O que parece ser um jogo de palavras configura uma realidade que vai além do filosófico, atingindo a dimensão psicológica e neurológica.

Neurônios-espelho, como o Dr. Keysers revela, permitiram nossa ideia de civilização. E eles fizeram isso nos conscientizando do outro, daquele que observamos, daquele que imitamos e, por sua vez, daquele em quem nos espelhamos. O cérebro empático nos permite não apenas entender o ponto de vista dos que estão à nossa frente, mas também antecipar intenções ou necessidades, porque, de alguma maneira, nos vemos refletidos nos outros, porque, para o nosso cérebro, “os outros” também são extensões de nós mesmos.

Se nos perguntarmos agora qual é o verdadeiro objetivo da empatia , deve-se dizer que não há uma resposta única. Sabemos que nenhuma habilidade nos conecta de uma maneira tão fabulosa. No entanto, neurologistas de conduta como Vilayanur Ramachandran dizem que o objetivo de um cérebro empático nem sempre é gerar o bem dos outros, nem sempre tentamos ajudar ou propiciar ações humanitárias.

Como empatia não é sinônimo de simpatia e, muitas vezes, como é adequado a qualquer cenário social, temos outros interesses.

Ser capaz de nos apresentar às perspectivas dos outros, ver o mundo através dos olhos de outras pessoas é uma arma muito poderosa. Ela nos permite construir modelos mentais muito complexos com os quais podemos saber, por exemplo, se o indivíduo que temos diante de nós tem más intenções. Podemos até antecipar reações ou usar fraquezas a nosso favor para manipular as pessoas , exalar suas emoções em nosso proveito.

Nós usamos empatia a nosso favor para avançar como espécie

O Dr. Ramachandran nos lembra que os neurônios-espelho pressupunham um salto genético fantástico em nossa espécie. Portanto, e embora muitos outros animais tenham habilidades empáticas, esses nossos neurônios específicos levaram ao progresso sensacional e favoreceram o surgimento da cultura , sociedade e civilização.

Nossa consciência se expandiu, nosso pensamento se tornou mais abstrato e a maneira como nos relacionamos se tornou mais sofisticada. Às vezes, cruéis e violentos, sabemos disso, mas também mais humanos, orientados a favorecer maior bem-estar, ordem e equilíbrio. O cérebro empático é, portanto, a essência de nossos relacionamentos sociais e também de nosso aprendizado, o que gradualmente nos permitirá seguir na direção certa.

A empatia, como já mencionado, nem sempre é seguida por um ato pró-social. Cada pessoa mostra diferentes níveis de empatia, os neurônios-espelho não funcionam da mesma maneira em todos os seres humanos e isso afeta a interação social, a capacidade de resolver problemas, a coexistência … Alguns cientistas dizem que os neurônios-espelho têm um componente evolutivo e que, portanto, seu poder pode ir de geração em geração.

Quem sabe se chegaremos no dia em que esse poder de conexão nos ajudará a criar uma realidade feita de maior harmonia, equilíbrio e respeito entre todos nós.

Texto do site La mente è meravigliosa, traduzido e adaptado pela nossa equipe

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.