Por Barrios Hernández

O trabalho forma uma parte indissolúvel do homem desde seus primeiros tempos. Ao
longo da história, seu significado mudou de acordo com a época. Hoje em dia, a
palavra escravidão parece ser um estigma erradicado. Os fatos manifestos na vida
cotidiana demonstram o contrário. De acordo com Karl Marx – O trabalho é, em
primeiro lugar, um processo entre a natureza e o homem, um processo em que o
homem realiza, regula e controla através de sua própria ação sua troca de materiais
com a natureza … esta afirmação hoje poderia ser dita de outra maneira sem perder
sentido: o trabalho tornou-se um processo do homem contra a natureza e o próprio
homem.

Henry Charles Bukowski (Heinrich Karl Bukowski, 16 de agosto de 1920 – 9 de março
de 1994), de origem alemã e com o mesmo nome de Marx, sentia-se como muitos
dos rigores do trabalho e das consequências de se viver em uma sociedade
capitalista. Por 15 anos de trabalho ele estendeu sua permanência como carteiro no
Serviço Postal dos Estados Unidos.

Um dos objetivos que nem todos os seres humanos alcançam e no qual, na maioria
dos casos, persegue em uma busca infinita sem éxito, constitui o tema da auto-
realização pessoal. A experiência da vida cotidiana e comum mostrou que nem todas
as maneiras de ser um homem auto-realizado estão armadas com o trabalho como o
método mais eficaz para alcançá-lo.

Isso foi profeticamente elucidado por John Martin, editor da Black Sparrow Press,
quando em 1969 fez uma proposta irrevogável a Bukowski: pagaria-lhe cem dólares
por mês, desde que largasse o emprego e se dedicasse apenas a escrever.

Os anos cheios de excessos, decepções, sonhos desfeitos, mulheres, incertezas e
álcool, resultaram no complemento ideal para Charles Bukowski consolidar depois de
sete décadas como um dos primeiros expoentes da literatura americana. Foi
aproximadamente em meados da década de 1980, quando ele já era um respeitado
autor, que escreveu uma carta sobre o trabalho e as consequências que este produzia
no ser humano.

Já no início ele começa com uma crítica rigorosa e sábia. Ele não conseguia encontrar
uma maneira mais genuína e precisa de descrever o lugar onde passamos a maior
parte do tempo. Escreve Bukowski:

“Às vezes não dói tanto lembrar de onde viemos. E você conhece os lugares de onde
eu venho … Eles chamam a minha profissão de um trabalho das nove as cinco. Só que
nunca é assim. Nesses lugares não há hora comer e, de fato, se você quiser manter
seu emprego, não deve sair para comer. E há o tempo extra, mas o tempo extra nunca
é registrado corretamente nos livros, e se você reclamar sobre isso, há outro imbecil
disposto a assumir o seu lugar”

Da mesma forma, Bukowski refere-se a um grupo de características negativas que
são distintivas em todos os seres humanos, em maior ou menor grau. O que significa
perda de humanidade, mas egoísmo, ganância, desrespeito, miséria humana,
sobrevivência:

“O que dói é a constante perda de humanidade naqueles que lutam para manter
empregos que não querem, mas temem uma alternativa pior. Acontece, simplesmente,
que as pessoas são esvaziadas. Elas são corpos com mentes temerosas e
obedientes. A cor deixa seus olhos. A voz está desfigurada. E o corpo. O cabelo. As
unhas. Os sapatos. Tudo ”

Um dos aspectos mais relevantes dentro da carta, e que vem a ser ponto de
convergência, durante toda a vida e obra de Bukowski, é o seu questionamento
repetido sobre por que as pessoas mantinham esse comportamento com relação ao
trabalho durante toda a vida:

“Quando eu era jovem, não conseguia acreditar que as pessoas deram a vida em
troca dessas condições. Agora que estou velho ainda não acredito. Por que eles
fazem isso? Por sexo? Por uma televisão? Por um carro com pagamentos fixos?
Pelas crianças? Crianças que crescerão e farão as mesmas coisas? ”

A experiência e as elucubrações que aconteciam constantemente sob a influência do
álcool mostravam ao velho escritor a engenhosidade de seus primeiros anos, quando
ele vagava de trabalho em trabalho, tentando tirar o melhor proveito dos papéis. Sua
inocência foi acompanhada de olhos vendados. A imaturidade trabalhista chamou-o a
alertar sobre riscos acidentais os colegas de trabalho que estavam cinco passos à
frente dele em termos da concepção real do trabalho e como isso tornara suas vidas
miseráveis.

“Desde sempre, quando eu era bem jovem e vivia de trabalho em trabalho, eu era
ingênuo o suficiente para às vezes dizer aos meus colegas:” Ei! O chefe pode vir a
qualquer momento e nos expulsar, e ainda assim vocês não percebem? A única coisa
que eles faziam era olhar para mim. Eu estava oferecendo a eles algo que eles não
queriam trazer à mente ”

A nitidez com que ele seguiu o tema do trabalho mostrou-lhe a natureza injusta, cruel e
bárbara dele. Ele tinha sido um cúmplice ativo e silencioso ao mesmo tempo em que a
maquinaria do trabalho desfez vidas inteiras dedicadas a uma causa:

As demissões são de centenas de milhares e seus rostos são de surpresa: “Eu estive
aqui 35 anos …” “Não é justo …” “Eu não sei o que fazer …”

Como Lênin nos lembra no artigo: Em memória do Conde Gueiden [3] :

“O escravo que está ciente de sua condição e luta contra ela é um revolucionário. O
escravo que não tem consciência de sua condição e vegeta sua vida silenciosamente,
inconscientemente e se cala, isso é simplesmente um escravo. O escravo que
escorrega quando descreve satisfeito a excelência da escravidão e é excitado pela
bondade e boa vontade de seu mestre, é um servo.

Bukowski em sua carta nos esclarece sobre as implicações mentais de ser um
escravo. A cegueira moral e não visual que nos é imposta pelo sistema de relações
sociais e a incapacidade e inépcia que aprendemos com perfeição graças à condição
de servo adotada por conveniência. Por que não revolucionar a ordem?

“Eles nunca pagam os escravos o suficiente para serem livres, apenas o suficiente para ficarem vivos e voltarem ao trabalho. Eu posso ver isso. Por que eles não conseguem? Eu percebi que um banco de praça era tão bom quanto ou ficar em um bar, bom igual. Por que não chegar lá antes de me colocarem lá? Por que esperar? Eu me lembro uma vez, enquanto trabalhava como um empacotador em uma empresa de luminárias, um dos empacotadores falou: “Eu nunca vou ser livre!”
Um dos chefes estava passando (seu nome era Morrie) e deixou escapar uma deliciosa risada, apreciando o fato de seu subordinado estar preso por toda vida. ”

A realidade subjetiva nos permite escolher, segundo Lênin, entre ser escravo , servo ou
revolucionário . Pelo contrário, a realidade objetiva elimina a opção de escolher impor
a condição que mais precisa em um determinado momento. Aceitando as
circunstâncias, unindo-se impensadamente, privado de pilares morais firmes, elimina
gradualmente o homem de sua humanidade para transformá-lo em objeto do sistema
de produção. Bukowski de sua posição foi um lutador expresso contra a hegemonia
do trabalho:

“Eu escrevi com nojo contra tudo isso. Foi um alívio tirar toda essa merda do meu
sistema. E agora estou aqui: um escritor profissional. Após os primeiros 50 anos,
descobri que existem outros ascos além do sistema ”

A crítica ao trabalho feito por Bukowski para quem o afastou dos correios
sempre conclui com um simples testemunho de gratidão:

“Então, a sorte que eu tive de sair desses lugares, não importa quanto tempo tenha tomado, me deu um tipo de alegria, um sentimento de milagre. Eu agora escrevo de uma mente velha e de um velho corpo, de um tempo onde a maioria dos homens nem pensa em chegar, mas já que comecei tão tarde, eu devo pra mim mesmo continuar e, quando as palavras começarem a faltar e eu precisar de ajuda pra subir uma escada e não puder mais distinguir um pássaro de um clip de papel, eu ainda sentirei que algo em mim irá lembrar (não importa quão longe eu vá) como eu escapei do assassinato, da trapalhada e do trabalho duro, até pelo menos chegar a ter uma maneira generosa de morrer. Não perder totalmente a vida de alguém parece ser uma realização valiosa, pelo menos pra mim.
Seu garoto,
Hank.”

 

Traduzido de Psicologiasinp

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS