Várias equipes estão trabalhando em bafômetros de coronavírus para detectar SARs-CoV-2 de forma rápida, barata e tão simples quanto respirar.

Esforços internacionais estão em andamento, dos EUA a Israel e Finlândia, para criar um bafômetro de coronavírus que poderia acelerar os testes enquanto a ciência e a sociedade lutam para recuperar o controle do SARS-Cov-2.

A ideia é poética: usar nossa respiração – o próprio vetor pelo qual o vírus se espalha de maneira mais eficaz – para detectá-lo e, com sorte, contê-lo.

Os modelos ainda estão em fase de protótipo, mas os desenvolvedores estão otimistas.

“É muito mais eficiente”, disse Nora Grotenfelt, médica-chefe da Estação de Saúde Laakso de Helsinque, à NBC News em julho. “Os resultados são quase em tempo real. É muito mais barato e muito mais conveniente.”

A corrida para um bafômetro coronavírus

A capacidade de testar COVID-19 de forma rápida, regular e barata é necessária para começar a reabrir a sociedade a sério, os especialistas geralmente concordam – mesmo que essa velocidade venha com o sacrifício de alguma precisão.

Um bafômetro de coronavírus possui um apelo óbvio: pode ser usado por qualquer pessoa, não requer reagentes químicos ou máquinas caras e pode ser implantado facilmente em qualquer número de ambientes, de aeroportos a shows.

As equipes do Estado de Ohio nos EUA estão em estágios variados de desenvolvimento do bafômetro de coronavírus, com ambos esperando obter autorização de uso emergencial do FDA (equivalente à Anvisa)- uma isenção especial durante emergências de saúde pública que permite que novos dispositivos médicos sejam usados ​​sem os rigores habituais aprovação.

“A análise da respiração ainda não é uma técnica amplamente usada na área médica, por isso é considerada um trabalho em estágio inicial”, disse Perena Gouma, a principal investigadora da equipe do Estado de Ohio, ao Ohio State News

O grupo de Gouma começou a realizar testes clínicos no Ohio State Wexner Medical Center e locais de teste COVID-19 em Columbus, relata o WIRED . O bafômetro Buckeye é uma continuação do trabalho que Gouma fez na Universidade do Texas em Arlington , onde ela construiu um bafômetro para detectar outro inimigo respiratório muito mais comum: a gripe.

Em vez de testar o material genético do vírus (como os lentos e caros testes de PCR que dominam os testes atuais nos EUA), o bafômetro do coronavírus usa sensores de cerâmica para detectar óxido nítrico e compostos orgânicos voláteis – compostos que se transformam facilmente em gases – na respiração. Gouma acredita que estes podem servir como biomarcadores para COVID-19.

(Ela é um pouco cautelosa sobre o que esses biomarcadores são especificamente, de acordo com a WIRED, e o trabalho ainda não foi publicado.)

Embora as vísceras sejam idiossincráticas, um bafômetro de coronavírus funciona muito como qualquer outro tipo: os sujeitos sopram em um bocal descartável e o dispositivo oferece um resultado rapidamente – em 15 segundos, Gouma disse a vários meios de comunicação.

Enquanto isso, na Costa Leste, uma equipe da Northeastern, liderada pelo professor de engenharia elétrica e de computação Nian Sun, está trabalhando em um bafômetro próprio para coronavírus.

O dispositivo Northeastern utiliza sensores eletroquímicos com pequenos orifícios que correspondem exatamente ao formato da proteína spike do SARS-CoV-2 , a arma preferida do vírus. Quando o vírus passa pelos sensores, seu pico de proteína se encaixa no molde, permitindo que seja detectado. De acordo com o WIRED, o LED acende – verde, amarelo e vermelho – e diz aos usuários se eles são negativos, precisam de mais testes (ou outra respiração) ou se o teste foi positivo.

O uso desses moldes específicos para pegar o vírus torna seu bafômetro de coronavírus altamente preciso, disse Sun ao News @ Northeastern , com taxas de detecção comparáveis ​​aos testes de PCR em seu laboratório. Tal como acontece com o Gouma – e todos os outros que ainda estão chegando – mais testes precisarão ser feitos no caminho para uma autorização de uso de emergência.

“Esta é uma tecnologia que pode mudar dramaticamente o cenário dos testes do COVID-19 porque é facilmente duas ordens de magnitude mais rápida do que a melhor tecnologia hoje em dia”, disse Sun ao News @ Northeastern. “Ao reabrir empresas, escolas, universidades – essencialmente, é uma tecnologia que salva vidas.”

A eficácia

Certificar-se de que o dispositivo é preciso o suficiente, no entanto, pode ser um desafio. Nossa respiração contém muito mais compostos do que apenas aqueles associados ao COVID-19, e um meio tão ruidoso exigirá um cuidado especial para ser analisado com eficácia.

Em relação ao projeto do estado de Ohio, Raed Dweik, presidente do Instituto Respiratório da Clínica Cleveland, disse ao WIRED que compostos vindos de nossos corpos e até mesmo do ambiente podem potencialmente prejudicar os resultados.

“Quando os pacientes vêm até mim (depois) de dirigir na rodovia, posso detectar o escapamento de diesel em seu hálito.”

Mas Dweik estudou o diagnóstico baseado na respiração para outras doenças e está cautelosamente otimista sobre o potencial de um bafômetro de coronavírus.

“O potencial é enorme”, disse Dweik à WIRED, mas “o teste de bafômetro, ou qualquer teste, deve ser feito com precisão”.

Fonte: NBC News

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.