Do Nos Pensées

É um segredo bem conhecido que os verdadeiros amigos podem ser contados com os dedos de uma mão e que, ao longo dos anos, a qualidade dos relacionamentos conta mais do que a quantidade.

É por isso que dizemos que, com o tempo, aprendemos a amar mais, mas menos pessoas.

As experiências de vida “nos forçam” a estreitar nosso círculo social, a ser mais seletivo e a administrar distâncias e proximidade mais precisamente e de acordo com nossas necessidades.

Não somos tímidos, nem anti-sociais, mas, na verdade, não nos interessa mais ter tantas pessoas ao nosso redor. Queremos estar cercados por aqueles que realmente importam para nós.

As decepções têm algo a ver com isso, mas as circunstâncias da vida também. Não temos o mesmo tempo de vínculo aos 15, 30 ou 40 anos. As prioridades mudam e isso resulta em um processo mais rigoroso de seleção de amigos.

Quanto mais profunda a amizade, mais agradável é

É muito comum se sentir sozinho, mas acompanhado. Da mesma forma, é frequente que esse sentimento seja mais comum e presente com o passar dos anos.

De fato, existem estudos que afirmam que a cada ano que passa nos ajuda a priorizar a qualidade sobre a quantidade.

Digamos que acabamos selecionando e priorizando as pessoas com quem nos damos melhor e que sentimos que nos trazem bem-estar em todos os níveis: social, emocional, cognitivo etc.

De certa forma, nosso conceito de amizade muda ao longo da vida. Quando somos pequenos, todo mundo é nosso amigo, a menos que um dia brigássemos por um brinquedo.

Com o tempo, construímos um grupo de referências, pessoas que seguimos e com quem trocamos e nos relacionamos, compartilhando sentimentos , pensamentos, interesses e jogos variados.

Em geral, todo mundo passa por estágios ou momentos em que se sente desconectado do ambiente e das pessoas que deveriam ser “amigas”.

Isso acontece em particular desde a pré-adolescência e a adolescência propriamente ditas, porque todos estão à procura de seu lugar na sociedade.

Mais tarde, em nossa juventude , continuamos tentando compor e recompor as peças do nosso quebra-cabeça. De acordo com pesquisadores de desenvolvimento evolucionário como Erikson, nesta fase, ainda existe uma grande confusão.

Aos poucos, estamos deixando de lado grandes reuniões, festas loucas e excessos sociais, e estamos procurando pessoas com quem discutir e com quem compartilhar nossas preocupações pessoais e psicossociais.

Com o tempo, preferimos ficar mais à vontade, sentir-nos amados e importantes, concordar com interesses e pensamentos, estimular nossa mente a partir de debates e administrar nosso mundo de uma maneira muito mais madura.

As pessoas e amizades que gostamos

As amizades que gostamos e nos trazem coisas têm aquelas que não precisam tirar uma foto permanente para publicá-las nas redes sociais .

Os amigos de quem gostamos são os que nos dizem o que realmente pensam, mesmo quando discordam ou ficam com raiva, aqueles que não têm medo de aliviar seus sentimentos e esclarecer mal-entendidos. .

Em uma amizade, há tudo, até argumentos, se necessário, porque duas pessoas nem sempre conseguem concordar com seus pensamentos, crenças, sentimentos ou maneiras de fazer as coisas.

São amizades que acabam se tornando relacionamentos de irmãos e irmãs, uniões profundas e distantes de pensamentos sombrios ou preocupações ocultas. Eles são os que merecem os abraços mais bonitos e os olhares mais cúmplices.

Estas são as pessoas que nos ensinam a amar mais, a quem consideramos membros de nossa família, a quem acompanhamos nos bons e nos maus momentos, com quem nos comprometemos e de quem não queremos partir.

Eles são os primeiros a quem emprestamos o giz do nosso quadro, para que nos ensinem ou nos distraiam, para que nos atraiam um ônibus espacial que nos permita compartilhar o mesmo destino.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.