A pandemia manteve as cortinas fechadas no McCaw Hall – casa do Pacific Northwest Ballet (companhia de balé sediada em Seattle, Washington, nos Estados Unidos). Mas um dançarino fluido de gênero ainda está encontrando maneiras de quebrar barreiras e está ajudando a transformar o futuro do balé.

Ashton Edwards, de 18 anos, de Flint, Michigan, é um estudante da divisão profissional do Pacific Northwest Ballet (PNB). Ele dança desde a pré-escola.

“Sempre sonhei em ser bailarino profissional”, disse Edwards.

Agora ele é o primeiro aluno do sexo masculino a estudar formalmente em ponta no PNB.

É uma técnica de balé clássico em que o dançarino fica na ponta dos pés com os pés na vertical. A forma faz os dançarinos parecerem sem peso e etéreos.

O papel é tradicionalmente reservado às mulheres.

“Para flutuar ao redor do palco enquanto o homem a segura”, disse Edwards.

“É muito mais desafiador em certos aspectos. As meninas fazem com que pareça fácil. É muito mais dos músculos menores ”, disse ele.

Edwards não veio para Seattle para estudar ponta. Ele diz que é um caminho que começou depois de se assumir no ano passado.

“Definitivamente levou algum tempo e muita coragem – foi definitivamente muito difícil”, disse Edwards. “Eu assumi para minha família um homem gay”, disse ele.

Desde então, ele descobriu que também se identifica com outros grupos.

“Ele / ela / eles /elas”, disse Edwards. “Ainda não pendurei nenhuma etiqueta, mas ainda estou aprendendo.”

Desafiar os limites pessoais significava que ele ultrapassava os limites de outro amor – o balé.

“Eu meio que tive essa auto-realização de que poderia fazer mais e não queria me limitar de forma alguma”, disse Edwards.

Edwards passou anos treinando para papéis tradicionalmente masculinos de balé, mas estava começando a parecer muito limitado, diz ele. O que ele realmente queria fazer era dançar en pointe, a técnica em que se dança na ponta dos pés usando sapatilhas especiais.
Fotografia En Avant

E isso o levou ao ponto.

“Ashton é o primeiro aluno que veio até nós e disse, eu gostaria de estudar em ponta, isso é possível? E eu realmente não esperava ”, disse Peter Boal, o diretor artístico do Pacific Northwest Ballet e diretor da escola.

“O balé não é realmente conhecido como a mais progressiva das formas de arte”, disse Boal.

Edwards disse que sabia que começar essa discussão – querer enfrentar um papel criado para as mulheres – significava desafiar uma tradição milenar.

Eu estava começando a me sentir muito limitado, diz Edwards. O que ele realmente queria fazer era dançar en pointe, a técnica em que você dança na ponta dos pés usando sapatilhas especiais.

“Foi preciso pesquisar muito dentro de mim”, diz Edwards, “mas acho que meus objetivos na vida e na minha carreira e quem eu me via como pessoa eram muito maiores do que apenas uma pequena caixa em que fui colocado. Então decidi explorar.”

No passado, essas palavras teriam sido suficientes para expulsar um bailarino do corpo. O balé é uma disciplina altamente estruturada com divisões rígidas entre os sexos.

“Eu não esperava que a escola fosse tão aberta e receptiva”, diz Edwards. Mas, ele diz, ele explicou “como a dança era tão próxima de mim e como eu não podia ter uma coisa e não a outra. Elas realmente andam de mãos dadas”.

O balé clássico há muito abraçou ideias estereotipadas sobre masculinidade e feminilidade. As danças eram frequentemente baseadas em contos de fadas com princesas e príncipes. Existem raros homens que dançam papéis femininos, como as feias irmãs adotivas de Cinderela e os Les Ballets Trockadero de Monte Carlo, uma trupe drag só de homens.

Essas produções tiveram um efeito cômico extremo, diz Peter Boal, o diretor artístico do Pacific Northwest Ballet. O que é único em Edwards, diz ele, é que ele é um homem que faz um trabalho sério nas pontas em um ambiente de balé profissional.

“Ashton nos levou até lá”, diz Boal, falando sobre o pedido de Edwards para estudar em ponta. “O balé pode ser um pouco lento. Dissemos: ‘Por que não? Lidere-nos e trabalharemos com você’. “

Edwards mostrou talento imediato para o trabalho em pontas, diz Boal. Ele conseguiu em seis meses o que leva anos para a maioria dos bailarinos.

“Elas são difíceis”, diz Edwards ao NPR, referindo-se às suas sapatilhas de ponta que ele chama de suas duas caixas de tortura. “Elas têm seus desafios. Mas quando você está de pé e começa a dançar, você está flutuando, e parece que está voando, eu acho. É incrível.”

O próprio balé está evoluindo. Os coreógrafos estão reencenando balés clássicos e incorporando técnicas de dança modernas. Estão abraçando a diversidade, principalmente em termos de cor, para serem relevantes e também para atrair um público mais jovem.

À medida que o balé muda para refletir melhor o mundo real, dançarinos de diferentes cores, tipos de corpo e sexualidade veem que há espaço para eles no mundo da dança profissional.

“O balé é conhecido há algum tempo por ser uma forma de arte em extinção”, diz Edwards. “Mas acho que há um futuro porque está mudando e evoluindo. E acho isso lindo.”

NPR

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.