A maioria de nós carrega a voz de uma mãe nos padrões neurais de nosso cérebro.

Não é nenhuma surpresa que uma criança prefira a voz de sua mãe à de estranhos.

Começando no útero, as vias auditivas em desenvolvimento do feto percebem os sons e as vibrações de sua mãe. Logo após o nascimento, a criança pode identificar a voz de sua mãe e trabalhar para ouvi-la melhor em vez de vozes femininas desconhecidas.

Um estudo de 2014 com bebês prematuros mostrou que, reproduzir uma gravação da voz da mãe quando os bebês chupavam uma chupeta, era o suficiente para melhorar o desenvolvimento das habilidades de alimentação oral e encurtar sua permanência no hospital.

A voz da mãe pode acalmar a criança em situações estressantes, reduzindo os níveis de cortisol, o hormônio do estresse, e aumentando os níveis de oxitocina, o hormônio da ligação social. Os cientistas até rastrearam o poder da voz da mãe no cérebro dos bebês: a voz da mãe ativa o córtex pré-frontal anterior e a região temporal posterior esquerda mais fortemente do que uma voz desconhecida, preparando o bebê para a tarefa especializada de processamento da fala.

Embora faça sentido intuitivo que a voz da mãe tenha um poder especial sobre bebês e crianças pequenas, o que acontece quando as crianças crescem?

Daniel Abrams, neurobiologista da Escola de Medicina da Universidade de Stanford, e sua equipe de pesquisadores decidiram responder a essa pergunta usando ressonância magnética funcional (fMRI), uma técnica de neuroimagem que mede a atividade cerebral por meio da detecção de alterações metabólicas no fluxo sanguíneo.

Os pesquisadores examinaram 24 crianças com idades entre sete e 12 anos, que tinham QI normal, não tinham distúrbios de desenvolvimento e foram criadas por suas mães biológicas. Enquanto estavam na máquina de ressonância magnética, essas crianças ouviam gravações de palavras sem sentido faladas por suas mães ou por outras mulheres. Os pesquisadores escolheram especificamente palavras sem sentido para não acionar circuitos cerebrais relacionados à semântica. Independentemente,

Mas o que realmente aconteceu quando essas crianças mais velhas ouviram a voz da mãe? A equipe formulou a hipótese de que ouvir sua voz produziria mais atividade nas chamadas regiões cerebrais “seletivas para a voz”, envolvidas no reconhecimento da voz e no processamento da fala, em comparação com quando ouviam vozes femininas desconhecidas. Mas o que os cientistas descobriram foi ainda mais notável.

Leia também: Por que as crianças japonesas obedecem e não fazem birra?

A voz da mãe ativou uma ampla gama de estruturas cerebrais, incluindo a amígdala, que regula a emoção, o nucleus accumbens e o córtex pré-frontal medial, que fazem parte de um importante circuito de recompensa, e a área facial fusiforme, que processa as informações visuais do rosto. Esse padrão de atividade cerebral pode ser comparado a uma impressão digital neural, em que a voz da mãe desencadeia uma atividade específica no cérebro de seu filho.

A investigação não parou por aí. A equipe descobriu que quanto mais conexão neural entre essas regiões cerebrais ‘seletivas para a voz’ e aquelas relacionadas ao humor, recompensa e processamento facial, mais habilidades de comunicação social a criança tinha. Em outras palavras, a impressão digital neural da voz de uma mãe dentro do cérebro de uma criança pode prever a capacidade dessa criança de se comunicar no reino social.

Se essa impressão digital neural é considerada um biomarcador no cérebro de uma criança, então quão diferente ela se parece em crianças com distúrbios na função social, como o autismo? E como a impressão digital neural muda na adolescência e na idade adulta?

Leia também: Filhos entediados demais por pais ocupados demais … Solidão infantil

As respostas a essas perguntas permanecem desconhecidas, mas agora está cientificamente provado que a maioria de nós carrega a voz de uma mãe nos padrões neurais de nosso cérebro: histórias para dormir, conversas na hora do jantar e a tagarelice que ouvimos antes do nascimento nos identificam, de maneira única, tão certa quanto a impressão digital, possibilitando o desenvolvimento emocional e a comunicação social na infância e, provavelmente, ao longo da vida.

Adapatdo de Aeon

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.