Ao aceitar a morte, podemos aproveitar mais a vida.

“Aquele que ensinar o homem a morrer, ensinar-lhe-a a viver.” — Montaigne

Alguns dias atrás, quando acordei de manhã cedo e olhei bem na minha frente, vi minha
namorada adormecida ao meu lado. Eu observei o quão bonito era ela e pensei em todos os bons momentos que tivemos juntos nos últimos dois anos e meio. Pouco depois, a idéia de que em algum momento do futuro ela não estará lá comigo já cruzou minha mente. Não que ela esteja planejando se afastar – longe disso. Mas, assim como qualquer pessoa viva na Terra, ela é apenas uma viajante passando temporariamente por este mundo.

Naquela manhã, lembrei-me de como a vida é impermanente, e que, independentemente de quão concedida nos levemos a alguém, mais cedo ou mais tarde, a morte (que não é senão um processo de vida) o levará para longe de nós, independentemente do quanto não
gostaríamos que isso acontecesse.

A morte está sempre lá, de pé pacientemente ao nosso lado, acompanhando-nos em cada
passo que tomamos, e, a qualquer momento, podemos de repente nos perder em seu
abraço. E uma coisa é certa: todos nós vamos morrer .

A jornada da vida pode ser bastante imprevisível, mas a parte dela chamada morte não é.
Claro, talvez não possamos saber quando vamos morrer, mas sabemos sem dúvida que nós vamos . Em outras palavras, a morte é inevitável e, como eu gosto de dizer, no momento em que nascemos, fomos sentenciados a morrer.

No entanto, a maioria de nós não gosta de pensar sobre a morte, e até mesmo fingir que não nos acontecerá em breve. Durante anos e anos ouvimos constantemente que outros morrem ao nosso redor, mas acreditamos cegamente que não seremos os próximos a morrer.

Não prestamos muita atenção ao poder que a morte tem sobre nós, não porque não nos
preocupemos com isso – pelo contrário, nos preocupamos tanto que a própria ideia da morte nos assusta. Ou, para dizer de maneira diferente, a morte nos assusta até a morte! Não é de admirar que estamos fazendo tudo o que pudermos para evitar pensar nisso.

Lembre-se da última vez que você teve uma conversa aprofundada com alguém sobre a
morte. Não deve ter sido muito recente, certo? Então pergunte-se quantas vezes você teve
uma conversa em sua vida. Eu aposto que não eram tantos, ou eu estou errado?

A morte é um assunto tabu em nossa cultura, algo sobre o qual não devemos discutir
abertamente. Mas por que exatamente isso? Por que a morte nos assusta tanto que nem
achamos apropriado falar sobre isso?

 

 

 

Traduzido de Films For Action

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS