Em seu livro The Devil Effect: Psicologia do Mal, Philip Zimbardo descreve o experimento da prisão de Stanford, um dos mais importantes experimentos da história da psicologia.

Os resultados deste experimento mudaram nossa visão das pessoas. Também é um experimento muito eficaz para entender o quão importante é o papel das pessoas e comportamentos e atitudes.

Zimbardo no livro faz alguns questionamentos. O que leva um homem bom a fazer o mal? Como podemos seduzir uma pessoa com valores morais a agir imoralmente? Onde está a linha que separa os bons dos maus e quem corre o risco de cruzar essa linha?

Antes de tentarmos encontrar as respostas, vamos descobrir exatamente como é o experimento de Stanford.

Ponto de partida da experiência de Stanford

Philip Zimbardo, professor da Universidade de Stanford, queria estudar pessoas em um ambiente livre de liberdade. Portanto, ele se ofereceu para transformar uma área não utilizada da universidade em um ambiente de prisão.

Depois de transformar o campo em prisão, Zimbardo procurou enche-lo com prisioneiros e guardas. Então, contratou seus alunos para o experimento. Se eles concordassem em desempenhar esse papel, seriam recompensados com algum dinheiro.

O experimento foi aleatoriamente dividido em dois grupos (prisioneiros e guardas). Zimbardo pediu cada um escolhesse o papel com o qual se identificasse para aumentar seu senso de realidade.

Então tiveram que passar por um processo de recriar um ambiente de prisão (para isso contaram com ajuda da polícia). Em seguida tiveram que usar roupas de prisioneiros para tornar a simulação mais real. Em Stanford eles usariam números de identificação em vez de seus nomes.

Guardas receberam um uniforme e óculos de sol para consolidar seus papéis de autoridade.

O mal na prisão de Stanford

No início do experimento da prisão de Stanford, muitos prisioneiros abordaram o experimento como se fosse um jogo, mas as coisas iriam mudar no decorrer do tempo.

No entanto, os guardas tinham que estabelecer autoridade e garantir que os prisioneiros se comportassem como prisioneiros. Sendo assim, eles começaram a praticar um controle injusto sobre os colegas “condenados”, que se aproximava muito do que eles entendiam como sendo a prática normal da função.

Os guardas forçavam os prisioneiros a seguir certas regras durante a contagem regressiva, como gritar números de identificação. Eles também teriam que fazer flexões se não cumprissem essa regra.

Esses “jogos” ou ordens eram inicialmente inofensivos. No entanto, a partir do segundo dia, tornou-se real e os internos começaram a ser submetidos à violenta humilhação dos guardas.

Os guardas puniam os prisioneiros que se recusavam a comer ou dormir. Por exemplo, fechando-os na solitária por 4 horas ou forçando-os a ficarem nus.

O tratamento chegou a tal ponto que os guardas até forçaram os prisioneiros a agir como se estivessem praticando sexo oral uns nos outros. Com esse assédio, os prisioneiros não se sentiam mais como estudantes participando de um experimento. Agora eles se sentiam como verdadeiros prisioneiros.

Eles tiveram que cancelar o experimento da prisão de Stanford no sexto dia. Por quê? Por causa da violência de estudantes que se perderam completamente no papel.

Neste caso, a primeira questão que vem à mente é: como os guardas chegaram ao ponto de serem tão maus com seus colegas?

Resultados

Zimbardo, depois de examinar o comportamento dos guardas, tentou identificar as variáveis que afetaram a situação. Ele quis entender o que levou um grupo de alunos normais a se comportar dessa maneira – sem que fossem portadores de alguns distúrbio.

Não podia se apontar a má conduta à forma como foi designado os papéis de cada um, porque isso aconteceu aleatoriamente, sem que tenha sido estabelecido regras e requisitos para ser guarda ou prisioneiro, cada um optava pelo papel que queria representar.

Eles até passaram por alguns testes de violência antes do experimento. Os resultados foram claros: nenhum era tolerante à violência, ou apenas em alguns casos excepcionais, mas praticamente insignificante.

Portanto, o resultado devia-se a outro fator específico do experimento. Zimbardo passou a achar que isso se devia ao poder da situação criada pelo ambiente da prisão. Foram as condições em que eles estavam que os levaram a essa inclinação de se comportarem mal.

Pode parecer estranho que imaginemos que a pessoa tem uma tendência natural para o mal. Como a escolha foi aleatória, devemos crer que havia pessoas boas e ruins de ambos os lados.

Nós tendemos a pensar que o efeito da predisposição ou personalidade é um fator mais forte do que condições ou papéis. A experiência de Zimbardo nos diz o contrário. Portanto, os resultados do experimento são revolucionários.

O fato de a pessoa estar ciente dessa situação é um fator muito importante para determinar a direção na qual a pessoa se comporta.

Às vezes nossa situação pode nos forçar a mostrar violência ou fazer o mal. Se não tivermos consciência disso, não estaremos em posição de tentar evitar fazê-lo.

Desumanização no experimento da prisão de Stanford

No experimento da prisão de Stanford, Zimbardo criou um ambiente perfeito para os prisioneiros se afastarem do trabalho. Os guardas também podiam olhá-los da mesma maneira.

Havia mais de um fator que levou a um afastamento da humanidade. Primeiro, por exemplo: o desequilíbrio de poder entre os prisioneiros e os guardas. Ou o fato de que os guardas começaram a ver os prisioneiros como um grupo e, em particular, seus nomes foram alterados por números de identificação.

Todos esses guardas fizeram os prisioneiros parecerem prisioneiros. Eles não os viam como seres humanos com os quais se empatizar .

Eles esqueceram que eram pessoas que, além do ambiente de simulação, tentavam compartilhar um papel importante na realidade. No entanto, eles eram todos estudantes.

Bondade e avidez da maldade

Há outro resultado no livro de Zimbardon. Não existe um mal ou um heroi, ou pelo menos menos da forma como pensamos. De fato, o mal e o bem são produto das condições em que estamos.

Como pensamos, não tem nada a ver com personalidade ou valores da infância. Esta é realmente uma mensagem otimista. Quase todo ser humano pode fazer o mal. Mas isso também significa que toda pessoa pode agir heroicamente.

Há apenas uma coisa que podemos fazer para evitar o primeiro. Devemos identificar as características da situação que nos causou mal e o papel que temos nessa situação.

A questão com a qual temos que lidar está relacionada às situações específicas que todos nós encontramos em nós mesmos.

Que tipo de avaliação fazemos quando decidimos que alguém está fazendo o mal? Avaliamos sua condição e a repressão a ela, ou o colocamos na abominação de pessoas ruins por natureza?

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.