Por Beatriz Caballero

Há muitos danos e mortes que ocorrem como resultado da agressão, e é por isso que é importante continuar investigando a esse respeito. Assim, compreender como a violência é alcançada em um relacionamento – e em outras áreas – envolve saber como a personalidade de um agressor é construída e qual pode ser sua experiência nesse relacionamento.

Dados de pesquisas mostram que ser objeto ou testemunha de violência não torna necessariamente esse testemunho violento no futuro . No entanto, estudos também nos dizem que muitos dos agressores têm uma história de violência familiar (54%), o que justifica a intervenção psicológica.

A personalidade de um agressor começa na infância e adolescência
O apego alude à maneira como temos que nos conectar com o mundo e especialmente com figuras afetivas. De pequeno, em face de qualquer ameaça, nosso sistema de apego é ativado. Ou seja, diante do medo, procuramos a sensação de segurança oferecida pela companhia de nossos valores de referência.

Por outro lado, se antes da ameaça, o corpo mantém a ativação durante um longo período, é provável que essa energia acabe se transformando em agressividade. Aqui a violência tem a função de chamar a atenção da figura de referência para que ela ajude.

Parece que especialmente os agressores fronteiriços e anti-sociais têm um apego inseguro que caracteriza seu modo de ligação, especialmente com suas figuras afetivas. Quando esse tipo de apego inseguro está ligado à exposição à violência, humilhação e desapego, gera o desenvolvimento de um transtorno de personalidade e comportamento violento.

Segundo Dutton (2003, 2007), o resultado desse conglomerado é uma “identidade difusa”. Nestes casos, a violência e o distanciamento emocional retornam a um círculo vicioso que destrói o relacionamento.

Quais são os antecedentes dos agressores?
Como sabemos, as experiências com nossas figuras de referência são determinantes em nossa personalidade. Segundo Dutton (2003), existem antecedentes diferentes em relação às experiências familiares dos agressores e às sequelas psicológicas e físicas que os produziam:

  • Rejeição e humilhação: baixa auto-estima, fúria/raiva, culpa de fatores externos, falta de regulação afetiva … Eles tendem a ser violentos com freqüência e maltratar emocionalmente.
  • Apego inseguro: eles têm muito ciúme, a raiva se torna íntima e eles querem controlar.
  • Vítima e/ou testemunha de maltrato físico: ter memórias de padrões de violência, não têm estratégias positivas para resolver problemas, baixa empatia com as vítimas de violência … Eles tendem a abuso.
  • Rejeição, humilhação; Apego inseguro: a violência se concentra em relacionamentos íntimos.

O medo do agressor ser abandonado é o que provoca sua necessidade de controlar e prejudicar a vítima. Quando o agressor se comporta com comportamentos de cuidado, de alguma forma este reforça a abordagem da vítima, criando um tipo de relacionamento conhecido como “traumático” ou ” síndrome de Estocolmo ” (Graham et al., 2001; Loue, 2001). 2002).

O papel dos valores na violência
O jovem com apego inseguro desenvolve um sistema de valores que justifica sua visão de mundo e, portanto, as relações com seus parceiros. Estes valores são transmitidos através da socialização, da família, grupo de pares, escola, filmes, etc. Vivemos valores, não só da microcultura em que nascemos, mas também da cultura global. Os principais valores relacionados à violência de gênero seriam os seguintes (desenvolvidos a partir de Pence e Paymar, 1993, Paymar, 2000, Loue, 2002):

Superioridade do homem: o mito do super-homem, o homem como provedor, a tolerância com a promiscuidade do homem e o controle do casal, o direito de exigir serviços domésticos de seu parceiro, etc.
Maneira de entender a violência: o mau humor provoca violência, os homens são ciumentos por natureza, quebrar as coisas não é agressão, às vezes não há alternativas, o homem não pode trocar de parceiro se o parceiro não muda, etc.
Concepção das mulheres: as mulheres são manipuladoras, veem os homens como fontes de dinheiro, as feministas odeiam os homens, gostam de ser dominadas, são tão violentas quanto os homens etc.

6 explicações dadas pelos agressores para recorrer à violência doméstica
Segundo Holma et al. (2006) existem seis justificativas recorrentes que os agressores usam para justificar a violência. Eles seriam os seguintes :

– A Violência é uma coisa natural.
-A violência está relacionada a certas insuficiências do agressor em situações difíceis.
– Sente-se encurralado.
– A convivência o incomoda
– Perda de controle temporariamente
– Justificar-se através do seu passado traumático, acúmulo de estresse , etc.

É importante ter em mente que não se trata de vencer uma batalha contra o agressor, mas sim de favorecer a si mesmo. Qualquer tipo de violência subtrai se deteriora, então muito do trabalho com vítimas de violência concentra em adicionar e recuperar , ou seja, acumulando provas e experiências que reforçam a recuperação da confiança no próprio julgamento e autoestima, até alcançar esse sentimento de liberdade que dá a sensação de controle.

Referências bibliográficas
Navarro Góngora, J. (2015). Violência nos relacionamentos íntimos . Uma perspectiva clínica Barcelona: Ed. Herder.

 

Texto traduzido de La Mente es Maravillhosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS