Rincón de la Psicología

Sêneca contava que um dia, enquanto Cato visitava banheiros públicos, foi empurrado e espancado. Quando interromperam a luta, ele se recusou a aceitar um pedido de desculpas do agressor dizendo: “Eu nem me lembro de ter sido atingido”.

Embora seu comportamento possa nos parecer estranho, Cato simplesmente decidiu não se apegar ao que aconteceu. Ele não ficou preso em humilhação, frustração ou raiva, mas rapidamente virou a página. Ele escolheu agir em vez de apenas reagir. Ele escolheu recuperar o controle da situação e responder com mais maturidade. Ele escolheu ser fiel aos princípios do estoicismo, que nos ensinam como responder a um insulto de maneira inteligente.

Insultos desencadeiam uma intensa resposta emocional

Todo mundo, em maior ou menor grau, já provou do gosto amargo dos insultos. Não é agradável. Não há dúvida. Mas responder com raiva, frustração ou até agressividade é tão inútil quanto tomar veneno esperando prejudicar outra pessoa. Quando palavras tolas flutuam ao nosso redor, precisamos aprender a dar respostas inteligentes a insultos, para nosso próprio bem-estar psicológico.

O principal obstáculo, no entanto, é o nosso cérebro emocional. Quando ouvimos um insulto, geralmente reagimos automaticamente, ficando na defensiva. Ficamos com raiva e estressados, por isso devemos não apenas lidar com o insulto, mas também com as emoções desagradáveis que ele gerou.

Para interromper esse mecanismo, precisamos entender que o cérebro emocional não funciona racionalmente. Preencha as lacunas e corra para tirar conclusões, independentemente de as críticas serem válidas.

Para responder a um insulto de forma inteligente, precisamos evitar um sequestro emocional. Em vez de deixar as emoções assumirem o controle, precisamos ativar nosso pensamento lógico, concentrando-nos nos fatos.

O sequestro emocional ocorre quando consideramos esse insulto um ataque ao nosso ego. Então a amígdala reage como se estivéssemos em perigo e parássemos de nos comportar racionalmente. Em vez disso, precisamos estar cientes de que a linha entre um insulto e uma crítica construtiva pode se tornar muito fina e subjetiva.

De fato, Epíteto pensou que o insultante não é a pessoa, seus atos ou palavras, mas nosso julgamento sobre o que aconteceu. É uma coisa difícil de digerir, mas para ser insultado, devemos permitir que esse insulto se instale em nós. Este filósofo acrescentou: “Ninguém pode prejudicá-lo sem o seu consentimento; você será ferido no momento em que permitir que eles o prejudiquem”.

As 3 peneiras dos estoicos para avaliar os insultos

Os estoicos sugeriram que, antes de responder a um insulto, passemos por essas três peneiras:

Veracidade Se nos sentirmos insultados, Sêneca sugere que paremos por um momento para considerar se as palavras são verdadeiras. Se alguém está se referindo a uma de nossas características, por exemplo, não é um insulto, independentemente do tom usado, é apenas uma indicação de uma obviedade. Se não queremos que isso aconteça novamente, talvez devamos fazer algo para mudar essa característica ou apenas aceitá-la, para que não se torne um ponto sensível que nos faça pular toda vez que alguém a toca.

Nível de informação. O próximo passo que devemos dar para responder a um insulto de forma inteligente vem das mãos de Epíteto, que nos recomenda avaliar se nosso interlocutor está pelo menos bem informado. Se for uma pessoa informada, devemos valorizar o que ele está dizendo, mesmo que a princípio nos cause rejeição ou não case com nossa visão de mundo. Talvez ele esteja certo. Se não é uma pessoa informada, mas está falando por ignorância, simplesmente não devemos levar em consideração sua opinião ou ficar zangados com ela.

Autoridade. A última peneira pela qual devemos passar um “insulto” é avaliar sua fonte. Se estamos aprendendo a tocar piano e o suposto “insulto” vem do nosso mestre de piano, talvez seja uma crítica construtiva que devemos ouvir, em vez de ficar com raiva.

Seja melhor do que quem o insulta

Marco Aurélio, um importante imperador romano e estoico, pensou que não deveríamos conceder àqueles que nos insultam a possibilidade de manipular nossas emoções. Ele escreveu: “A melhor vingança é não ser como quem te machucou”.

Sêneca, por outro lado, pensava que a raiva sempre dura mais que a dor, por isso não faz sentido ficar com raiva de um insulto. Não devemos deixar que esse insulto estrague nossos dias ou dá-lhe mais importância do que merece.

Ele escreveu: “Uma grande mente despreza as queixas feitas a ela; A maior forma de desdém é considerar que o adversário não é digno de vingança. Quando se vingam, muitos levam pequenas humilhações muito a sério. Uma pessoa grande e nobre é aquela que, como um grande animal selvagem, escuta impassível as pequenas maldições que lhe são lançadas ”.

Ignorar o insulto de alguém é a maneira mais poderosa de reagir, pois mostra autocontrole e impede que caiamos no jogo deles. A chave é levar um momento antes de reagir. Respire, pense e depois decida o que fazer.

Quando aumentamos o tempo entre o estímulo / insulto e nossa reação, podemos dar uma resposta mais reflexiva. Podemos recorrer à lógica e ir além da emoção inicial. Os estoicos não tinham nada contra as emoções, mas se é uma emoção indesejada que pode causar danos, é melhor deixá-lo seguir seu curso e não se apegar a ela.

Epícteto compartilhou essa ideia. Ele se perguntou: “Quem é invencível? Aquele que não pode ser perturbado por outra coisa senão por sua decisão racional.

Isso significa que, se nos atacarem, não devemos nos defender? Claro que não. Mas se os estoicos tivessem a oportunidade de escolher, prefeririam que a paz estivesse certa. Erguer-se acima dos insultos é uma postura mais madura que lhe permitirá proteger sua paz interior. Afinal, não faz muito sentido discutir com um tolo.

Procurando o positivo no insulto

Podemos até procurar o positivo em insultos. Podemos deixar de lado a grosseria e a mesquinhez em procurar pepitas de ouro que possam estar escondidas em críticas ácidas. Podemos usar esses comentários para melhorar. De fato, os estoicos costumavam ver o insulto de um amigo ou mentor de confiança como um favor pessoal, uma oportunidade de superação que deveria ser recebida com gratidão.

Toda vez que alguém nos insulta e conseguimos nos controlar, é uma vitória pessoal. Responder a um insulto com outro insulto, pelo contrário, implica reproduzir a cadeia de raiva, imaturidade ou estupidez humana. Isso não vai mudar as coisas. Se reagirmos com calma e até com gratidão, pegaremos a pessoa que nos insultou de surpresa, de modo que assim seja mais provável que ela reflita sobre seu comportamento.

Para controlarmos a nós mesmos e não permitir que os insultos nos afetem, precisamos trabalhar para reduzir a sensibilidade a nossas próprias imperfeições, adotando a ideia de que temos falhas e fraquezas e que às vezes as pessoas as apontam.

Nós não somos perfeitos e temos que assumi-lo. Se aprendermos a acalmar o ego, os insultos passarão sem nos tocar. Seria muito pior viver em uma espécie de mundo dos sonhos, onde todo mundo finge que não tem defeitos, para que não tenhamos a possibilidade de mudar e crescer.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.