A dor de perder um ente querido é dolorosa por sua própria natureza, mas é ainda mais difícil quando você carrega a sensação de que falhou de alguma forma. Talvez você ache que desapontou seu ente querido, que não atendeu às expectativas dele ou que ele o vê como um fracasso. Você pode se sentir culpado por não estar com eles em seus momentos finais, ou se preocupar por não ter sido um filho ou filha bom o suficiente. Esse tipo de dúvida pode pesar em seu coração, mente e corpo, tornando difícil continuar com sua vida. Embora você precise apenas sentir sua tristeza, também pode achar útil pensar sobre sua pessoa amada de maneira diferente.

Muitos de meus pacientes que tiveram esse tipo de pensamento e medo imaginam que seu ente querido os está desprezando no julgamento. Mesmo quando não acreditam totalmente na vida após a morte, eles ainda lutam com a sensação de serem julgados.

Conforme discutimos a situação, eles reconhecem que, se houver uma vida após a morte, eles imaginam que seu ente querido é uma versão mais plena de si mesmos. Suas dores físicas e emocionais são amplamente dissipadas. Suas tensões e lutas internas se dissipam, deixando-os em paz. Pensando melhor, meus pacientes percebem que esse estado “iluminado” significa que a pessoa que morreu tem uma compreensão mais plena da vida, tornando-a mais amorosa, compassiva e misericordiosa.

Embora esses pacientes saibam que realmente não podem ter certeza do que é a vida após a morte, tudo isso parece verdadeiro para eles. Parece natural.

Em seguida, exploramos as implicações disso e encontramos um significado mais profundo. Considere Linda (uma paciente fictícia). Seu pai era alcoólatra e costumava abusar verbalmente, especialmente quando bebia. Apesar da dor emocional que ele causou a ela ao longo de sua vida, ela ainda se sentia culpada por não estar presente quando ele morreu de um ataque cardíaco.

Quando ela pensou na situação do ponto de vista dele, a princípio imaginou que ele estava zangado com ela, como costumava acontecer na vida. Mas então, quando perguntei como ela o imaginava na vida após a morte, ela disse que pensava nele como sendo livre do alcoolismo, como ele era quando ela era jovem e antes de lutar contra o álcool. Ela o imaginou sorrindo, feliz e amoroso. Com alguma inspiração, ela percebeu que essa versão de seu pai iria olhar para ela com compaixão, entendendo como ela não poderia estar realisticamente lá quando ele morreu. Ele também compreenderia e perdoaria a raiva que ela continuava a sentir em relação a ele. Uma vez que ela pensou nele como livre de seus próprios demônios, ela também pôde se ver através dos olhos de seu pai como o homem amoroso que ele não poderia ser em vida.

É importante ressaltar que essa visão dele também permitiu que ela aceitasse totalmente quem ele era – tanto o bom quanto o mau. Ao aceitá-lo como uma pessoa completa, ela percebeu que era mais respeitosa com ele do que quando irrealisticamente tentaria negar suas falhas.

Se você sente que desapontou um ente querido que já faleceu, pode achar este exercício mental útil. Imagine seu ente querido livre de seus demônios interiores, capaz de ter uma compreensão honesta de quem ele foi na vida, ao mesmo tempo em que vê você com uma mente clara e um coração amoroso. Ao ver o seu ente querido dessa maneira, você pode finalmente sentir mais paz, mesmo enquanto está de luto.

Por: Leslie Becker-Phelps – Psicóloga – WebMD

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.