Adaptado de EtapaInfantil

O vício em dispositivos móveis é um problema que também afeta os pais. De fato, estima-se que um em cada cinco adultos seja viciado em dispositivos móveis, com as consequentes implicações que isso tem para a produtividade do trabalho, estabilidade emocional e relações interpessoais. No entanto, o que muitos pais ignoram é que seu vício em telefone também pode influenciar o relacionamento que eles têm com seus filhos, bem como o desenvolvimento psicológico das crianças.

Pais viciados em celular, crianças mais travessas e menos comunicativas

Segundo os neurocientistas, os primeiros três anos de vida das crianças são indispensáveis para o desenvolvimento de suas capacidades emocionais, linguísticas, sociais e comportamentais. Neste período, novas conexões neuronais são criadas, que estabelecem as bases para o desenvolvimento posterior de muitas de suas funções cognitivas. Entretanto, a formação dessas redes neurais é condicionada em grande parte pela estimulação precoce que a criança recebe do ambiente, especificamente da relação que estabelece com seus pais.

Um relacionamento baseado no amor em que os pais estão atentos às necessidades de seus filhos, nos quais eles passam tempo juntos e há uma comunicação aberta, estimula o desenvolvimento do cérebro das crianças. Por outro lado, um relacionamento distante em que os pais antepõem suas necessidades às das crianças e no qual eles dificilmente levam em conta os desejos delas, não apenas deterioram o vínculo com seus filhos, mas também afetam o desenvolvimento emocional e comportamental das crianças.

Estudos confirmam que afeta crianças

Isso foi demonstrado por um estudo publicado na revista Child Development, no qual foram avaliadas 170 famílias que tiveram pelo menos um filho com uma idade média de três anos. Os pesquisadores pediram aos pais para indicar o número de vezes que o celular, o computador ou o tablet interrompiam o tempo que passavam com os filhos. 11% disseram nunca ter acontecido, 17% que só acontecia uma vez ao dia, 24% disseram que passavam duas vezes ao dia e 48% revelaram que o telefone interrompia o relacionamento com seus filhos três vezes ou mais ao dia.

Ao avaliar o comportamento das crianças dessas famílias, os pesquisadores descobriram que à medida que as distrações dos pais aumentavam por causa da tecnologia, também aumentavam os problemas de comportamento em crianças, como birras, reações violentas e irritações. Além disso, essas crianças tiveram mais dificuldade em se comunicar com os outros e expressar suas emoções de forma assertiva, ao mesmo tempo em que tiveram uma baixa autoestima.

Outra investigação, desta vez feita por especialistas do Departamento de Pediatria do Centro Médico de Boston, analisou 55 grupos de pessoas, que incluíam pelo menos uma criança e um adulto, em restaurantes de fast food da cidade. Os resultados mostraram que 73% dos pais usavam o celular enquanto estavam com os filhos, e a maioria praticamente não prestava atenção aos filhos durante toda a refeição.

O mais interessante foi que quanto mais os pais se distraíam, pior as crianças se comportavam. Seu objetivo era atrair a atenção de adultos e, para eles, recorrer a todo tipo de truque, jogar comida, fazer birra ou levantar-se da cadeira e ir a outras mesas. No entanto, os pais, em vez de perceber o que estava acontecendo, ante o mau comportamento das crianças, ficavam mais irritados.

A dependência do celular dos pais vistos pelas crianças

Um estudo realizado pela AVG Technologies descobriu que 42% das crianças, 4 em cada 10 crianças, pensam que seus pais passam mais tempo no celular do que brincando com elas. Um problema que é ainda mais exacerbado devido ao efeito que esse comportamento tem sobre os filhos. Muitas dessas crianças sentem que seus pais as subestimam e não levam em conta suas necessidades, enquanto acreditam que são um obstáculo para elas. De fato, 57% das crianças que participaram do estudo dizem que gostariam de sumir com o celular de seus pais para que lhes prestassem mais atenção.

No entanto, há também o outro lado da moeda, as crianças que pensam que é um comportamento “normal” e imitam o comportamento de seus pais, tornando-se potenciais viciados em telefone. Essas crianças criam e fortalecem muitas de suas relações interpessoais por telefone, passam a maior parte do dia aguardando as mensagens e atualizações nas redes sociais e acabam se abstraindo de seu ambiente, como seus pais, para viver uma vida virtual.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.