Desde o início do surto de COVID-19, examinando a propagação, a taxa de infecções, a resposta internacional e como essas coisas variaram de nação para nação, temos uma fonte de muitos desacertos.

A novidade levou a todos os tipos de abordagens e suposições, mas talvez nada possa ser considerado mais surpreendente do que a contenção do vírus infame em uma das favelas mais movimentadas da Ásia – em Dhravai, Mumbai, onde um milhão de pessoas vivem em um bairro labiríntico de barracos bem fechados e casas de um cômodo onde o distanciamento social é impossível.

A maior cidade da Índia, Mumbai, é o epicentro do COVID-19 na Índia e registrou até agora 500.000 casos.

Mas, enquanto a cidade como um todo via seus leitos hospitalares com ocupação máxima, Dharavi, cenário do filme vencedor do Oscar “Quem quer ser um Milionário”, registrou apenas 2.000 casos e 79 mortes no total, com apenas 274 casos em junho.

Como eles fizeram isso?

Foi iniciada uma resposta proativa, com 2.450 profissionais de saúde designados para Dharavi que começaram a ir de porta em porta todas as manhãs às nove da manhã para testar as pessoas.

Depois que a primeira pessoa deu positivo na favela – um trabalhador de vestuário de 56 anos que morreu no mesmo dia – as forças-tarefa locais e civis identificaram as cinco áreas de maior risco da favela e começaram a caçar a doença, usando rastreamento de contato para encontrar pessoas em risco de serem infectadas.

No total, 47.500 pessoas foram testadas na salva de abertura. “Isso nos deu uma vantagem”, disse Anil Pachanekar, médico particular e chefe de uma associação local de médicos, ao LA Times. “Se [esses casos] tivessem escapado, teria causado estragos.”

Creditados por garantir as baixas taxas de infecção, esses profissionais de saúde de Mumbai enfrentaram calor e umidade severos, caminhando pelas ruas lotadas usando roupas de proteção para o corpo em plástico que não permitiam intervalos para o banheiro.

Juntamente com a doença, a força-tarefa encontrou a paranóia e conceitos errôneos sobre ela. “Quando percorremos Dharavi, também começamos a educar as pessoas sobre o assunto”, disse ele. “Dissemos a eles que não é crime ter um resultado positivo para o coronavírus”.

O medo é um assassino

Aliviar o medo do COVID-19 nas pessoas, principalmente no que se refere ao medo de visitar uma clínica ou consultório médico para exames, acabou sendo uma maneira muito eficaz de tratar a doença.

Em 20 de abril, dezenove dias após a exposição, os testes de porta em porta foram interrompidos e 350 clínicas particulares foram autorizadas a reabrir. Até então, os esforços de educação haviam valido a pena, e filas de pessoas que procuravam fazer o teste estavam se formando fora dos centros de testes.

Enquanto isso, as autoridades da cidade começaram a converter prédios como salões de casamento, escolas e centros comunitários em abrigos de quarentena com provisões de alimentos e assistência médica. As pessoas que deram positivo foram colocadas em quarentena em suas casas, enquanto os “guerreiros COVID” voluntários garantiam que as pessoas em quarentena pudessem obter os suprimentos médicos ou mantimentos de que precisavam.

Com menos de 20 mortes registradas na favela em junho, parece que o pior já passou para os moradores de Dharavi – mas o que está sendo chamado de “método Dharavi” é um modelo para o futuro.

Isso demonstra que nenhuma situação é terrível demais para a determinação e engenhosidade humana, e que mesmo as pessoas que vivem na miséria têm algo a ensinar ao mundo.

Com informações de Good news network

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.