Há uma guerra em curso em todo o continente africano, mas não ouvimos muito sobre o trabalho duro feito nas linhas de frente. No centro do conflito? Chifres de rinoceronte. Eles são muito procurados no mercado negro, valendo mais do que ouro, e as pessoas matam – ou são mortas – para caçá-los.

Na África do Sul, onde vivem cerca de 80% da população mundial de rinocerontes, 1.028 rinocerontes foram caçados em 2017, totalizando quase três rinocerontes mortos todos os dias, segundo estatísticas oficiais do Departamento de Assuntos Ambientais da África do Sul. Felizmente esses números caíram, em parte graças às patrulhas das Black Mambas, uma unidade feminina contra a caça ilegal baseada na Reserva Natural de Balule, no Parque Nacional Kruger, na África do Sul. Seu mantra: Se não pararmos a caça furtiva, quem vai parar?

“Eu quero proteger a natureza e garantir que meus filhos e futuras gerações possam ver rinocerontes e toda a vida selvagem [na vida real], e não apenas imagens em livros”, diz Collet Ngobeni, uma membro das Mambas Negras de 33 anos de idade.

Ngobeni é uma das 33 mulheres (e dois homens) que lutam contra a destruição da população de rinocerontes no Parque Kruger, que já foi considerado um foco de caça furtiva. Ao contrário da maioria das unidades anti-caça furtiva, esta é quase inteiramente composta por mulheres – e os membros não usam armas. Parece maluco. As unidades anti-caça furtiva são geralmente formadas por militares fortemente armados que descem sobre caçadores furtivos em helicópteros. Mas as Mambas Negras acreditam que a batalha não precisa ser travada com balas. Eles são os olhos e ouvidos no chão. Seu objetivo não é matar caçadores – é salvar os rinocerontes.

A unidade passa grande parte do seu dia a pé no campo. Elas procuram caçadores furtivos em patrulhas de monitoramento diárias, juntam informações, removem armadilhas para prender animais selvagens e vasculham cozinhas de carne no mato e acampamentos de caçadores. Se ficarem cara a cara com um caçador, estão armadas com walkie talkies para pedir apoio. Atravessar as planícies espessas da reserva durante oito horas por dia no calor (as temperaturas podem passar facilmente de 100 graus) não é uma tarefa fácil. E os caçadores ilegais não são a única ameaça – assim como os elefantes, búfalos e leões em suas trilhas.

“O maior desafio é treinar e trabalhar no mato com os animais perigosos”, diz Ngobeni. “Mas o que eu mais amo no meu trabalho é estar na natureza e ver os animais” – animais que ela espera que estejam por perto para as gerações mais jovens encontrarem.

Lutar contra a caça furtiva e os caçadores ilegais é inestimável, mas educar comunidades vizinhas sobre o efeito da caça ilegal é tão importante quanto. Foto de James Suter

As Mambas Negras são modelos para essa geração, graças em grande parte ao programa Mambas Bush Babies. Ao trabalhar com crianças entre 12 e 15 anos de idade, as Mambas Negras ensinam os diferentes comportamentos da vida selvagem, como protegê-los e um profundo conhecimento sobre ecologia e conservação.

Durante as férias escolares, as crianças são levadas para a reserva para ver os animais. Observar os elefantes roncando no meio do mato ou os hipopótamos chafurdando em uma poça de água lhes dá uma conexão mais profunda com os animais que eles passaram a conhecer no papel. A Bush Babies tem tido tanto sucesso desde que foi lançada em 2015, e já foi introduzida em dez escolas ao redor do Grande Parque Nacional Kruger.

Não intencionalmente, as fêmeas das Mambas Negras, muitas das quais são mães e chefes de família, tornaram-se heroínas dentro de suas comunidades. Em uma indústria notoriamente dominada por homens – em uma parte do país onde se espera que as mulheres fiquem em casa – elas estão provando que isso não tem que ser a norma. “Ser mulher nesse papel é como ser uma rainha da selva”, diz Leithah Mkhabela, 25 anos. Mostrar esse precedente é tão importante para a unidade quanto proteger a vida selvagem e educar as comunidades sobre a conservação.

“Ser uma Mamba Negra lhe dá poder”, diz Mkhabela. “Através do nosso trabalho duro, confiança e todas as nossas conquistas, temos feito pessoas de todo o mundo nos aceitar.”

Muito parecido com o trabalho em si, a jornada para chegar onde estão hoje tem sido um desafio. Quando as mulheres começaram em 2013, muitos dos homens de suas comunidades riram delas, dizem elas. Mas sua taxa de sucesso acalmou os descrentes (a caça furtiva e a caça no Grande Kruger caiu mais de 70%), e a unidade está prosperando. “Eu quero ver as Black Mambas crescerem para que possa haver muito mais mulheres trabalhando neste trabalho – em todo o país e no mundo”, diz Ngobeni.

Via: CNTRAVELER

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.