Até as tribos mais remotas do mundo estão lidando com coronavírus, arriscando seriamente o seu desaparecimento. A tribo amazônica de Yanomami, que vive entre o Brasil e a Venezuela, infelizmente registrou o primeiro caso de contágio. Um garoto de 15 anos foi infectado com Covid-19.

Desde 3 de abril, o jovem indígena foi hospitalizado em condições graves em terapia intensiva no Hospital Geral de Roraima, o estado mais setentrional do Brasil.

Inicialmente negativo, ele continuou a reclamar de sintomas típicos que alarmavam a comunidade. Depois de ser submetido a um segundo exame, ele testou positivo. Segundo a Secretaria Especial de Saúde Indígena do Brasil, o menino foi internado em uma unidade de terapia intensiva após apresentar falta de ar, febre e dor de garganta.

Acredita-se que a tribo Yanomami seja a maior população indígena do Brasil e ocupa mais de 200 aldeias. É uma comunidade remota, mas o coronavírus também chegou lá. O garoto retornou à reserva Yanomami, de 26.000 habitantes, às margens do rio Mucajaí, em março, quando sua escola interrompeu as aulas devido à propagação do vírus.

O novo diagnóstico levantou preocupações de que as comunidades indígenas da Amazônia não serão capazes de resistir a um surto significativo de casos de COVID-19.

Depois desse menino, outros 7 membros da tribo contraíram o coronavírus nos estados amazônicos do Pará, Amazonas e Roraima. Os médicos temem que as comunidades indígenas do país enfrentem uma crise sem precedentes.

Os anciãos da comunidade são mais vulneráveis ​​aos efeitos letais do Covid-19 e suas mortes privariam os chefes das tribos, com o risco de inquietação interna. Para lidar com a epidemia e conter contágios, os membros de algumas comunidades estão se dividindo e se isolando em pequenos grupos.

Sofia Mendonça, pesquisadora da Universidade Federal de São Paulo, explicou:

“Existe um risco incrível de que o vírus se espalhe pelas comunidades nativas e as extermine. Se todos ficam doentes, você perde todos os idosos, sua sabedoria e organização social. É caos “.

O presidente da Federação de Organizações Indígenas do Rio Negro (Foirn) Marivelton Baré disse que algumas comunidades locais estão “em pânico”.

Teremos que levar comida para as aldeias para que elas não se exponham durante esse momento crítico”.

Os membros da comunidade foram instruídos a parar de compartilhar utensílios para comer e isolar aqueles que foram infectados pelo vírus.

“Estamos particularmente preocupados com pessoas isoladas, porque o coronavírus pode levar ao seu extermínio”, disse Celia Xakriaba, líder indígena. “Estamos cientes de que a pandemia é uma crise para toda a humanidade, mas sabemos bem que nem todos os brasileiros vão morrer. Pelo contrário, para nós, povos indígenas, o vírus constitui uma ameaça real de extermínio “.

Antes da confirmação dos casos, a Associação Hutukara Yanomami havia alertado que os mineiros que continuavam a se mover na floresta tropical representavam um risco significativo para os nativos.

“Essa é uma séria ameaça à nossa saúde. Eles têm barcos, helicópteros e aviões e, portanto, invadem nossas terras sem nossa autorização, trazendo doenças e destruição para as terras da floresta “, afirmou a Associação antes mesmo que o coronavírus caísse nessas terras remotas. “As autoridades devem tomar medidas urgentes para impedir esse movimento ilegal”.

Segundo a agência federal de assuntos indígenas da Funai, 107 grupos indígenas são conhecidos na Amazônia brasileira que não têm contato com o mundo exterior. No entanto, madeireiros ilegais, caçadores e missionários evangélicos operam em seus territórios.

“Se suas terras fossem adequadamente protegidas do lado de fora, os povos isolados seriam relativamente a salvo da pandemia de Covid19”. disse Sarah Shenker, ativista da Survival para povos isolados. “Mas muitos de seus territórios agora são invadidos e saqueados pelos atores do tráfico de madeira, mineração e agronegócios – incentivados pelo presidente Bolsonaro, que praticamente declarou guerra aos povos indígenas do Brasil. Onde existem invasores, o coronavírus pode exterminar povos inteiros. É uma questão de vida ou morte. “

Fonte: GreenMe

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.