Definitivamente, os filhos não chegam aos pais com um manual de instruções; a educação dependerá, na maioria dos casos, de modelos vividos, de algumas informações lidas ou ouvidas e em um dos melhores cenários de intuição.

Surge então o dilema de experimentar a educação das crianças, fazer um esforço para respeitar seus estágios, ter o maior cuidado possível ou simplesmente aproveitar a onda daqueles que afirmam ser boas pessoas, depois de terem sido educados a punições, espancamentos ou qualquer tipo de autoritarismo.

É muito mais fácil não nadar contra a corrente, seguir padrões que se repetem de geração em geração, do que dedicar-se a fazer as coisas de uma maneira diferente; é mais fácil, primeiro porque é o que normalmente, sem muita teoria e, infelizmente, com muita coisa que vivemos na prática e porque fazê-lo de outra maneira requer muito mais dedicação.

A paternidade respeitosa é baseada principalmente em carinho, empatia e principalmente respeito. As ações das crianças contêm muito mais do que aquilo que é visto, as crianças estão em um processo de aprendizagem em que não têm muitos recursos para expressar suas emoções e se não as ajudarmos a canalizá-las de maneira adequada, mas as reprimimos. e maltratamos, estaremos gerando um mal profundo nelas.

Ser pai ou mãe é uma decisão e com ela deve vir o compromisso de fazer o seu melhor e isso deve incluir a quebra de paradigmas, se necessário. Abrir nossos olhos para o que estamos fazendo e avaliar objetivamente nosso papel na vida daqueles pequenos que dependem completamente daqueles que os trouxeram ao mundo.

Há uma tolerância muito baixa às ações normais das crianças, às birras, ao choro e às irritações e muito pouco interesse em procurar a razão desse comportamento; elas só querem sair da situação desconfortável o mais rápido possível e com o menor efeito colateral, embora isso represente a aplicação da “autoridade” obtida por imposição e não por respeito e confiança.

Há uma lacuna entre respeito e medo, as crianças devem respeitar os pais, mas não os temer, o medo apenas semeia falta de confiança, ressentimento e rebelião nas crianças. Quando vemos uma criança que é silenciada de relance, estamos vendo uma criança que provavelmente não tem liberdade para expressar suas emoções, que foi repreendida de forma inadequada e tem medo de punição.

A pressão social pode levar muitos pais a sucumbir ao pouco acompanhamento de seus filhos em seus estágios: Por que você permite que essa criança chore tanto? por que deixa ela fazer tanta birra? Se você não colocar limites, ela vai fazer com você o que ela quer, pois o que quer é te manipular. Eu teria lhe dado uma palmada. Em resumo, milhões de comentários e opiniões dos gurus dos pais que não suportam ver uma criança se manifestando através de seus recursos nas idades apropriadas.

Não se trata de reprimir a criança, mas de entender por que ela está reagindo de uma maneira específica e acompanha-la no processo, mesmo que isso signifique abraçá-la no meio de uma birra. Quanto mais empaticamente explicado o que acontece com ela, mais fácil será para essa criança aprender a administrar suas emoções.

Vamos dar às crianças o tempo que elas merecem, atuemos como seus pais, cuidadores, aqueles que os apoia, respeita seus estágios, gerencia seus recursos e ajuda a mudar o mundo através do amor e da tolerância, não do medo e repressão.

Por: Sara Espejo – Rincón del Tibet

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.