Um tribunal da cidade de Lahore, no leste do Paquistão, condenou um cristão à morte por ter cometido “blasfêmia”, diz seu advogado, no último caso de rígidas leis religiosas do Paquistão aplicadas contra minorias.

Asif Pervaiz, 37, está sob custódia desde 2013, quando foi acusado de ter enviado mensagens de texto “blasfemas” a um ex-supervisor no trabalho, disse o advogado Saif-ul-Malook à Al Jazeera.

O tribunal rejeitou seu testemunho, no qual ele negou as acusações e o sentenciou à morte na terça-feira.

Mas Asif diz que quando ele se recusou a mudar suas crenças, ele foi acusado de ter enviado textos blasfemos sobre o Islã para seu chefe.

O advogado de Asif, Saif-ul-Malook, disse à Al Jazeera : “O reclamante era supervisor de uma fábrica de meias onde Asif trabalhava sob sua direção .

‘Ele negou as acusações e disse que este homem estava tentando fazer com que ele se convertesse ao Islã.’

Asif falou em sua própria defesa durante o julgamento, dizendo que foi confrontado por seu chefe depois que deixou o emprego na fábrica.

Mas Khokher nega querer converter seu colega cristão, de acordo com seu advogado, Ghulam Mustafa Chaudhry.

Ele disse: ‘Ele fez essa defesa depois do fato, porque não tinha outra defesa clara. É por isso que ele o acusou de tentar convertê-lo. ‘

Chaudhry acrescentou que outros cristãos trabalham na fábrica e nenhum acusou Khokher de tentar convertê-los ao Islã.

O Paquistão tem leis rígidas de blasfêmia que acarretam pena de morte para pessoas que insultam o Profeta Muhammad, o Islã, o Alcorão ou certas pessoas sagradas.

Há pelo menos 80 pessoas na prisão no Paquistão acusadas de blasfêmia, com metade delas enfrentando prisão perpétua ou pena de morte, concluiu a Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional.

Uma esmagadora percentagem de 98 por cento da população segue o Islão e os críticos dizem que a lei visa membros de outros grupos religiosos, incluindo hindus e cristãos.

Grupos nacionais e internacionais de direitos humanos dizem que as acusações de blasfêmia têm sido freqüentemente usadas para intimidar minorias e acertar contas pessoais.

Um governador de Punjab foi morto por seu próprio guarda em 2011 depois de defender uma mulher cristã, Asia Bibi, que foi acusada de blasfêmia.

Ela foi absolvida depois de passar oito anos no corredor da morte em um caso que chamou a atenção da mídia internacional.

Diante de ameaças de morte de extremistas islâmicos após sua libertação, ela voou para o Canadá para se juntar às filhas no ano passado.

Informações de Al Jazeera

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.