Provavelmente já aconteceu com você em mais de uma ocasião. Você está com frio, então estica o cobertor para cobrir sua cabeça, mas percebe que seus pés estão expostos. Logo você sente frio de novo, então arruma o cobertor, mas, ao cobrir os pés, expõe a cabeça. É meio frustrante.

O dilema do cobertor curto é uma teoria intuitiva segundo a qual é impossível cobrir nossas cabeças e pés ao mesmo tempo porque o cobertor não é longo o suficiente. Portanto, somos forçados a escolher entre duas opções, mas nenhuma delas nos satisfaz totalmente.

O problema começa quando aplicamos esse tipo de raciocínio aos conflitos mais complexos da vida e assumimos – ou nos fazemos acreditar – que só temos duas opções e que devemos decidir entre as duas, mesmo que sejam francamente ruins ou insatisfatórias.

Uma condenação permanente de insatisfação e frustração

Em pequenos dilemas gerais, as duas opções que temos são impostas; ou seja, geralmente surgem de limitações externas. O mundo nos coloca obstáculos e nos apresenta duas soluções insatisfatórias. Nenhuma das alternativas é resultado de reflexão profunda, mas sim de limitação. Portanto, seja qual for a solução em que apostarmos, ela se tornará uma fonte de frustração.

Uma vez que nenhuma das opções realmente atende às necessidades básicas, é compreensível que a frustração continue a crescer. Limitarmo-nos a escolher a opção menos má não deixa um gosto bom na boca. Em vez disso, nos fará olhar continuamente para trás para reavaliar nossos passos.

Por esse motivo, muitos problemas de cobertura curta tendem a gerar dúvidas e / ou arrependimentos. Ficamos imaginando o que teria acontecido se tivéssemos escolhido a outra opção. Teríamos ficado tão infelizes? Quando essas dúvidas se estendem a aspectos importantes de nossas vidas, é difícil nos sentirmos satisfeitos e em paz com nossas decisões.

Pensamento preso no laço da dualidade

Uma das principais armadilhas que os dilemas de cobertura curta nos apresentam é que eles encerram nosso pensamento em uma estrutura na qual existem apenas duas soluções. Tornam-se uma limitação que nos impede de contemplar qualquer solução que ultrapasse os estreitos limites estabelecidos.

Na verdade, expor dilemas de curta duração é uma estratégia de manipulação social bastante comum. É comum que eles nos dêem apenas duas soluções para escolher. Direita ou esquerda? Saúde ou economia? Desenvolvimento ou contaminação?

O problema é que gastamos tantos recursos cognitivos avaliando os prós e os contras das duas soluções predeterminadas que esquecemos de procurar mais para encontrar um caminho alternativo. Talvez a alternativa que encontramos não seja a ideal, mas pelo menos pode ser mais prática e / ou satisfatória do que as duas opções iniciais.

Outras vezes, somos nós que criamos e caímos neste falso dilema. Às vezes, estamos tão imbuídos do problema ou cegos pelas emoções que somos incapazes de ver além das opções óbvias. Esse tipo de situação pode nos levar a considerar falsas dicotomias. Podemos pensar, por exemplo, que só podemos decidir entre manter um relacionamento insatisfatório ou terminar e ficar sozinhos para sempre.

Quando as emoções assumem o controle, não pensamos com clareza e tendemos a buscar soluções extremas e opostas. Na prática, o falso dilema do cobertor curto encerra nosso pensamento em uma caixa muito pequena. Eles alimentam uma forma dicotômica de pensar em termos de bom ou mau, preto ou branco, positivo ou negativo. Cegos para outras possibilidades, não somos capazes de explorar soluções alternativas, por isso optamos por seguir o roteiro que outros escreveram para nós ou que impusemos a nós mesmos.

Quebrar os moldes

” Às vezes, estamos muito dispostos a acreditar que o presente é o único estado de coisas possível ” , escreveu Marcel Proust. Para escapar do efeito do cobertor curto, devemos parar de pensar que existem apenas duas soluções.

Em vez disso, é muito mais construtivo dizer a nós mesmos que, até agora, vimos apenas as duas soluções mais óbvias ou as duas alternativas que alguém nos propôs, mas isso não significa que não haja outros caminhos a explorar.

Para resolver o problema do cobertor curto, temos que mudar nossa abordagem. Podemos não conseguir esticar o cobertor, mas podemos assumir a posição fetal para nos cobrirmos melhor. Também podemos usar um segundo cobertor. Ou calce meias mais grossas.

O fundamental é estarmos cientes de que nosso problema pode ser o comprimento do cobertor, mas a necessidade de saciar é o frio. Ao mudar o foco, emergimos da dicotomia aparentemente intransponível para encontrar uma solução mais satisfatória para a verdadeira necessidade no fundo

Às vezes, só precisamos olhar além do alegado problema ou conflito. Quando nos concentramos na necessidade, sem respostas predeterminadas – ou indo além delas – podemos descobrir uma gama mais ampla de soluções que provavelmente serão mais satisfatórias e adequadas às nossas circunstâncias.

Adaptado de Rincón de la Psicología

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.