Uma nova análise de escritos antigos sugere que os marinheiros da cidade natal italiana de Cristóvão Colombo sabiam da América 150 anos antes de sua famosa ‘descoberta’.

Transcrevendo e detalhando um documento de cerca de 1345 de um frade milanês, Galvaneus Flamma, o especialista em literatura latina medieval, o professor Paolo Chiesa, fez uma descoberta “surpreendente” de uma passagem “excepcional” referindo-se a uma área que conhecemos hoje como América do Norte.

Segundo Chiesa, o antigo ensaio – descoberto pela primeira vez em 2013 – sugere que os marinheiros de Gênova já conheciam esta terra, reconhecível como ‘Markland’ / ‘Marckalada’ – mencionada por algumas fontes islandesas e identificada por estudiosos como parte da costa atlântica da América do Norte (geralmente considerada como Labrador ou Terra Nova).

Publicada na revista científica Terrae Incognitae , a descoberta ocorre antes do Dia de Colombo de 2021, alternativamente comemorado como o Dia dos Povos Indígenas em muitos estados dos Estados Unidos. As descobertas adicionam mais lenha à questão contínua de “o que, exatamente, Colombo esperava encontrar quando partiu para o outro lado do oceano?” e vem após um período em que suas estátuas foram decapitadas, cobertas com tinta vermelha, laçadas ao redor da cabeça e puxadas para baixo, incendiadas e jogadas em um lago.

“Estamos na presença da primeira referência ao continente americano, ainda que de forma embrionária, na região do Mediterrâneo”, afirma a professora Chiesa, do Departamento de Estudos Literários, Filologia e Lingüística da Universidade de Milão.

Galvaneus era um frade dominicano que vivia em Milão e estava ligado a uma família que governava o senhorio da cidade.

Ele escreveu várias obras literárias em latim, principalmente sobre temas históricos. Seu testemunho é valioso para obter informações sobre os fatos contemporâneos milaneses, dos quais tem conhecimento de primeira mão.

Cronica universalis , aqui analisada por Chiesa, é considerada uma de suas últimas obras – talvez a última – e ficou inacabada e sem aperfeiçoamento. Tem como objetivo detalhar a história de todo o mundo, desde a ‘Criação’ até quando foi publicado.

Ao traduzir e analisar o documento, a professora Chiesa demonstra como Gênova teria sido uma “porta” de notícias, e como Galvaneus parece ouvir, informalmente, rumores de marinheiros sobre terras no extremo noroeste para eventual benefício comercial – também como informação sobre a Groenlândia, que ele detalha com precisão (para conhecimento da época).

“Esses rumores eram muito vagos para encontrar consistência em representações cartográficas ou acadêmicas”, afirma o professor, ao explicar por que Marckalada não foi classificado como um novo terreno na época.

Apesar disso, afirma Chiesa, Cronica universalis “traz evidências sem precedentes para a especulação de que notícias sobre o continente americano, derivadas de fontes nórdicas, circularam na Itália um século e meio antes de Colombo”.

E acrescenta: “O que torna a passagem (sobre Marckalada) excepcional é a sua proveniência geográfica: não a região nórdica, como no caso das outras menções, mas o norte da Itália.

“A Marckalada descrita por Galvaneus é ‘rica em árvores’, não muito diferente da Markland arborizada da Saga Grœnlendinga, e animais vivem lá.

“Esses detalhes podem ser padronizados, como distintivos de qualquer boa terra; mas não são triviais, porque a característica comum das regiões do norte é serem desoladas e áridas, como na verdade a Groenlândia é no relato de Galvaneus, ou como a Islândia é descrita por Adam de Bremen ”.

No geral, diz a professora Chiesa, devemos “confiar” na Cronica universalis, pois em todo o documento Galvaneus declara onde ouviu falar de histórias orais e apoia suas afirmações com elementos extraídos de relatos (lendários ou reais) pertencentes a tradições anteriores em diferentes terras, mesclados juntos e reatribuídos a um local específico.

“Não vejo razão para desacreditá-lo”, afirma o professor Chiesa, que acrescenta, “há muito que se percebeu que as cartas portulanas (náuticas) do século XIV desenhadas em Gênova e na Catalunha oferecem uma representação geográfica mais avançada do norte , o que poderia ser alcançado por meio de contatos diretos com essas regiões.

“Essas noções sobre o noroeste provavelmente chegaram a Gênova por meio das rotas de navegação para as Ilhas Britânicas e para as costas continentais do Mar do Norte.

“Não temos evidências de que marítimos italianos ou catalães alguma vez tenham chegado à Islândia ou à Groenlândia naquela época, mas certamente foram capazes de adquirir mercadorias mercantis dessa origem do norte da Europa para serem transportadas para a área do Mediterrâneo.

“Os marinarii mencionados por Galvaneus podem se encaixar nessa dinâmica: os genoveses podem ter trazido para sua cidade notícias espalhadas sobre essas terras, algumas reais e outras fantasiosas, que ouviram nos portos do norte de marinheiros escoceses, britânicos, dinamarqueses e noruegueses com quem eles estavam negociando. ”

Cronica universalis , escrita em latim, ainda não foi publicada; no entanto, uma edição está planejada, no contexto de um programa acadêmico e educacional promovido pela Universidade de Milão.

Scitech Daily

Referência: “Marckalada: a primeira menção da América no Mediterrâneo (c. 1340)” por Paolo Chiesa, 16 de julho de 2021, Terrae Incognitae .
DOI: 10.1080 / 00822884.2021.1943792

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.