Recentemente conheci um homem que tinha um negócio enorme e bem-sucedido, seu estilo de vida era incrível, ele estava felizmente casado e tinha uma rede forte de amigos. No entanto, ele me disse com uma cara muito séria que ele deveria contratar um coach para ajudá-lo a “alcançar o próximo nível”.

Surpreendida, perguntei-lhe qual era o próximo nível.

Respondeu-me que ele não estava certo, por isso ele precisava de um coach para apontar suas fraquezas e mostrar o que estava perdendo na vida.

Era evidente que este homem estava disposto a gastar muito dinheiro para resolver um problema que ele nem sabia exatamente o que era.

– Ah! E se não houver mais nada para corrigir? – perguntei-lhe.

– Que queres dizer? – me perguntou.

– O que acontece se não houver “próximo nível”? E se for apenas uma ideia que você cria em sua mente? O que acontece se você já estiver nesse nível, mas  ainda não o reconhece e insiste em perseguir constantemente outra coisa, um objetivo evasivo? E se você se recusar a desfrutar do que você já tem? ”

O homem ficou irritado com essas perguntas. Era evidente que ele não os havia criado. Finalmente, ele disse:

– Eu sinto que sempre há algo para melhorar,não importa o que aconteça ou que já tenha obtido.

E resolveu o problema.

Esta história, contada pelo jornalista  Mark Manson , pode ser um problema que nos afeta a todos. E se estivéssemos sofrendo de “doença do máximo”?

 

A doença do mais

Pat Riley, um famoso treinador de basquete na NBA, disse que a queda dos Lakers após seu período de estrelato e glória na década de 1980 deveu-se ao fato de os jogadores se concentrarem demais em si mesmos e quererem mais e mais.

Conta que, no início, os jogadores só queriam ganhar o campeonato, mas uma vez que se tornaram campeões, isso não era suficiente. Sua atenção estava focada em outras coisas: obter mais dinheiro, mais anúncios de TV, mais apoio e elogios, mais tempo no jogo, mais atenção da mídia, etc.

Como resultado, o que antes era um grupo coeso começou a se dispersar. Quando a “doença do mais” veio, como o treinador chamou, a química perfeita da equipe tornou-se um desastre tóxico.

Não é a primeira equipe de esportes a enfrentar essa situação e também não será a última. No entanto, o mais interessante é que todos nós podemos sofrer a “doença do mais” e ficar preso no labirinto da insatisfação que construímos.

Nem sempre mais é melhor

Ao longo da história da Psicologia, os psicólogos se concentraram em analisar o que causava problemas mentais. Seu interesse pela felicidade é muito recente. Um dos primeiros estudos neste campo foi uma pesquisa simples em que os participantes tiveram que responder duas perguntas:

1) Em uma escala de 1 a 10, quão feliz você sente neste momento?

2) O que aconteceu para causar esses sentimentos?

Ed Diener, um psicólogo da Universidade de Utah, coletou milhares de avaliações de centenas de pessoas em todos os setores da vida. E ele descobriu um fenômeno surpreendente, embora, de certo modo, também seja muito chato.

Quase todos relataram um 7 durante a maior parte do tempo.

Na loja fazendo as compras, sete. No jogo de futebol do meu filho, sete. Falando com o chefe sobre uma venda, sete

Mesmo quando grandes problemas ocorriam, os níveis de felicidade diminuíram entre 2 a 5, mas por curtos períodos de tempo e depois aumentavam rapidamente.

O mesmo aconteceu com eventos muito positivos, como ganhar a loteria, sair de férias ou mesmo se casar, as avaliações foram desencadeadas, mas apenas por um curto período de tempo e depois retornaram para se estabilizar no número 7.

Estes resultados mostram que ninguém está completamente feliz na maioria das vezes, mas também não está completamente insatisfeito. Parece que pensamos que as coisas estão indo bem, mas elas podem ir muito melhor.

Esse 7 constante, na qual retornamos uma e outra vez, nos põe numa armadilha fatal, porque nos diz: ” Se você pudesse ter um pouco mais, você poderia alcançar 10 e ficar lá “.

Assim, vivemos muito da nossa vida perseguindo o tão sonhado 10.  Acreditamos que seremos mais felizes quando tivermos o emprego ideal, quando comprarmos a nova casa, quando sairmos de férias, quando encontrarmos nosso cara metade… O problema é que sempre há mais. Nós sempre queremos mais.

Na Psicologia, essa busca constante do prazer é chamada de “rotina hedônica”, o que significa que estamos constantemente lutando por ter uma “vida melhor”, mas, no final, a única coisa que recebemos é gastar muita energia para retornar ao mesmo ponto: o 7.

Isso significa que devemos nos sentar e não fazer nada?

Não, isso significa que podemos nos sentir felizes agora sem ter alcançado o tal 10, porque não temos que sujeitá-lo às coisas ou objetivos que podemos ter ou alcançar. Sempre há margem para melhorias, mas não há necessidade de adiar nossa felicidade atual para o que podemos ou não conseguir no futuro.

Afinal, a vida não se resume em querer sempre mais, em melhora isso ou aquilo. Enquanto corremos para alcançar o 10, vamos esquecendo de aproveitar o que já temos, pois estaremos focados em obter mais e mais e não em desfrutar do já conquistado.

Em certo ponto, a vida se torna mais um jogo de compensação. Quando alcançamos um certo nível, ir além pode significar gastar muito tempo e energia em coisas que realmente não farão a diferença e não nos aproximarão daquela 10, mas nos manterão em um 7.

Portanto, não assuma a vida como se fosse uma lista de coisas para fazer ou como uma montanha para escalar. A vida é mais um jogo de compensação em que devemos escolher o que estamos dispostos a dar para obter outra onda de adrenalina, outra viagem, outro sucesso.

 

Traduzido de Rincón de la psicología

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS