Por Catherine Giordano

Stephen Hawking acreditava que há um “grande projeto” para o universo, mas que não tem nada a ver com Deus. Com contínuos avanços, a ciência está se aproximando da The Theory of Everything (A Teoria de Tudo), e quando isso acontecer, acreditava Hawking,  todos nós seremos capazes de entender e nos beneficiar desse grande projeto. Vamos dar uma olhada na vida, trabalho e visão de mundo do falecido Stephen Hawking, que foi amplamente aclamado como uma das mentes mais brilhantes do mundo.

Stephen Hawking Diz: “Eu sou ateu”.

Antes de sua morte, aos 76 anos, em 14 de março de 2018, Stephen Hawking era geralmente considerado uma das pessoas mais inteligentes da Terra. Ele era um físico e cosmólogo teórico mundialmente famoso que recebeu muitas honrarias por seu trabalho no campo da cosmologia, da física quântica, dos buracos negros e da natureza do espaço-tempo.

Então, quando Hawking disse que Deus não existia e acrescentou a frase “Eu sou ateu” à sua declaração, o mundo tomou conhecimento.

Hawking fez esta declaração controversa em 2014, durante uma entrevista com Pablo Jauregui, jornalista do El Mundo, um jornal em espanhol. Leia acitação abaixo:

“Antes de entendermos a ciência, é natural acreditar que Deus criou o universo. Mas agora a ciência oferece uma explicação mais convincente. O que eu quis dizer com “nós conheceríamos a mente de Deus” é, nós saberíamos tudo que Deus saberia, se houvesse um Deus, o que não existe. Eu sou ateu.”

Quando Hawking se tornou um ateu?
Hawking provavelmente foi ateu desde cedo. Sua família era nominalmente cristã, mas, na realidade, eles eram intelectuais e ateus.

Como aluno da escola de St. Albans, ele discutia com seus colegas sobre o cristianismo. Durante seus anos de faculdade em Oxford e Cambridge, ele era um ateu conhecido.

Sua primeira esposa, Jane, com quem se casou em 1965 e se divorciou em 1990, era uma cristã devota. Está claro que eles nunca estiveram na mesma página sobre assuntos religiosos, e essa talvez tenha sido uma das razões pelas quais os dois decidiram seguir caminhos separados.

A declaração de Hawking, negando a existência de Deus, não deveria ter sido uma surpresa para ninguém. Ao longo dos anos, Hawking fez muitas declarações em oposição às crenças religiosas. Algumas são listadas abaixo:

“Somos apenas uma raça avançada de macacos em um planeta menor de uma estrela muito mediana. Mas nós podemos entender o universo. Isso nos torna algo muito especial”.
“Existe uma diferença fundamental entre religião, baseada na autoridade, e ciência, baseada na observação e na razão. A ciência vai ganhar porque funciona.”

“Cada um de nós é livre para acreditar no que quisermos, e é minha opinião que a explicação mais simples é; Deus não existe. Ninguém criou o nosso universo, e ninguém dirige o nosso destino. ”Isso me leva a uma profunda compreensão de que provavelmente não há paraíso nem vida após a morte. Temos essa vida única para apreciar o grandioso design do universo e, por isso, sou extremamente grato ”.

Hawking alguma vez disse alguma coisa que sugerisse crença em Deus?

Hawking fez algumas declarações ambíguas sobre Deus. Por exemplo, em seu livro de 1988, Uma Breve História do Tempo, ele discute o que significaria se descobríssemos por que nós e o universo existimos. Ele escreveu: “Seria o derradeiro triunfo da razão humana – pois, então, conheceríamos a mente de Deus”.

Esta declaração foi mal interpretada por alguns como significando que Hawking acreditava em Deus. Na entrevista do El Mundo, Hawking deixou claro que essa citação era apenas uma metáfora:

“O que eu quis dizer quando disse que conheceríamos ‘a mente de Deus’ é que saberíamos tudo o que Deus sabe se existisse um Deus que não existe”.

Os cientistas tendem a ser ateus?
Stephen Hawking tinha muita companhia entre seus pares em relação ao ateísmo. Segundo pesquisas, até 93% dos cientistas de primeira linha não acreditam em Deus.

A revista Nature realizou uma pesquisa em 1998 entre os membros da National Academy of Sciences, um prestigiado grupo de cientistas de renome. Eles descobriram que apenas 7% desses cientistas acreditavam em Deus. Além disso, eles mostraram que o grupo de crentes estava encolhendo quando compararam seu estudo a estudos anteriores de natureza semelhante (28% em 1914 e 15% em 1933), então talvez a proporção de crentes seja ainda menor hoje. (Nature 394,313: 23 de julho de 1998)

Um estudo semelhante foi realizado entre cientistas britânicos, especificamente os Fellows of the Royal Society of London. Entre a população britânica como um todo, 42% acreditam em um Deus pessoal, mas entre os cientistas britânicos, apenas 5% acreditam. (Evolution and Outreach, dezembro de 2013)

A ELA influenciou as crenças religiosas de Hawking?
Hawking foi diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica (ELA) aos 21 anos de idade. A ELA é uma doença neurodegenerativa progressiva que afeta as células nervosas do cérebro e da medula espinhal. Isso faz com que o cérebro seja incapaz de iniciar e controlar o movimento muscular. Isso eventualmente leva à paralisia total.

Na época do diagnóstico, Hawking recebeu apenas dois anos de vida. Ele desafiou essa previsão e viveu até a idade de 76 anos. Durante a segunda metade de sua vida, ele estava quase totalmente paralisado e usou um sintetizador de voz para falar, que ele controlava com o músculo da bochecha.

Alguns disseram que a longa vida de Hawking foi um milagre. Hawking não acreditou nisso, dizendo: “A religião acredita em milagres, mas eles não são compatíveis com a ciência”.

Assim, a doença de Hawking não fez parte de sua visão em relação a Deus: assim como ele não precisou de Deus para explicar a existência do universo, ele não precisou de Deus para explicar sua sobrevivência. Hawking atribui sua longevidade a uma vontade feroz de viver e a um desejo obstinado de não permitir que sua doença o impedisse de ter uma vida plena. Hawking disse:

“Por pior que a vida possa parecer, sempre há algo que você pode fazer e ter sucesso. Enquanto há vida, há esperança”.

Aderindo a este lema, Hawking viveu sua vida tão normalmente quanto possível. Ele teve três filhos com sua primeira esposa, Jane, se casou em 1995 com a sua cuidadora Elaine Manson (eles se divorciaram em 2006) e continuou a escrever, ensinar e dar conferências até os seus últimos dias. Hawking recebeu inúmeros prêmios e honrarias por seu trabalho, e é autor de vários livros destinados a uma audiência geral, incluindo uma autobiografia.

As realizações científicas de Hawking podem até ter sido promovidas por sua doença. Ser incapaz de viver uma vida física normal significava que ele poderia se dedicar à vida interior da mente. Além disso, a sensação de que ele não tinha muito tempo para viver provavelmente o estimulou a trabalhar mais para conseguir o máximo possível no tempo que ele tinha.

Como Hawking explica o universo?
Em seu livro de 2010, The Grand Design (O Grande design), escrito com o co-autor e físico Leonard Mlodinow, Hawking leva o leitor a uma jornada desde as primeiras crenças sobre a criação do universo até a moderna cosmologia, que inclui física quântica, teoria das cordas, multi-versos e teoria-M. Juntas, essas teorias estão nos aproximando do que os cientistas chamam de “Teoria de Tudo”, uma teoria que unifica todos.

Este livro não joga de maneira discreta com a crença em Deus. Imediatamente, na página 8, Hawking escreve: “M-Theory prevê que muitos universos foram criados a partir do nada. Sua criação não requer a intervenção de algum ser sobrenatural ou de Deus. Pelo contrário, esses múltiplos universos surgem naturalmente da lei física ”.

Algo do nada? Não faz sentido imediatamente. Nós temos essa reação porque, no nível que os humanos experimentam o universo, vemos causa e efeito. Mas causa e efeito não existe no nível quântico da mesma maneira que nós experimentamos.

No final do livro da página 180, Hawking resume tudo:

“A criação espontânea é a razão pela qual existe algo em vez de nada, porque o universo existe, por que existimos. Não é necessário invocar Deus para iluminar o papel de toque azul e definir o universo. ”

Na entrevista do El Mundo, Hawking disse:

“Quando as pessoas me perguntam se um Deus criou o universo, eu lhes digo que a pergunta em si não faz sentido. O tempo não existia antes do Big Bang, então não há tempo para Deus fazer o universo. É como pedir indicações da borda da terra; A terra é uma esfera; não tem uma borda; por isso, procurá-lo é um exercício fútil ”.

Qual foi a resposta da comunidade religiosa?
Como era de se esperar, houve um enorme clamor dos líderes religiosos que ofereceu refutações vigorosas à declaração de Hawking de que Deus não criara necessariamente o universo.

Seus argumentos eram fracos, mesquinhos e muitas vezes mostravam pouca ou nenhuma compreensão da ciência. As refutações resumiam-se a: “Deus existe porque eu digo isso”.

O Arcebispo de Canterbury, Dr. Rowan Williams, disse: “A crença em Deus é a crença de que existe um agente vivo e inteligente em cuja atividade tudo depende da sua existência. A física por si só não resolve a questão de por que há algo em vez de nada.” ”(DailyMail.com 23/09/2010)

O rabino chefe do Reino Unido, Lord Jonathan Sacks, disse: “A ciência é sobre explicação. Religião é sobre interpretação. A Bíblia simplesmente não está interessada em como o universo surgiu.“(DailyMail.com 23/09/2010)

Alguns disseram que Hawking não desmentiu a existência de Deus, mas isso não é surpresa. Ninguém pode provar ou refutar a existência de um ser imaterial e invisível. O que Hawking fez foi mostrar como o universo poderia vir a existir sem um Motor Primário para colocar as coisas em movimento.

Outros disseram que você não pode obter algo do nada e tudo tem que ter uma causa, com Deus sendo essa causa. Eu não acho que esses críticos realmente leram o livro de Hawking, porque ele explica esses pontos.

Havia algumas publicações cristãs que tinham como alvo os próprios cientistas, afirmando que Deus é meramente as leis do universo, como os físicos as entendem. O Christian Post escreveu: “A redefinição de ‘nada’ de Hawking em nada remove Deus (e realmente nos introduz a algo como Deus), mas apenas nos reage com o debate padrão entre duas ‘coisas’ eternas – o uni / multiverso e Deus .

Alguns salientaram que a teoria das cordas e a teoria M não são aceitas por todos os cientistas. Isso é verdade, mas isso não significa que Hawking esteja errado. Muitos cientistas aceitam essas teorias de vanguarda. A metodologia da ciência baseia-se em postulação e experimentação.

Finalmente, alguns tentaram desacreditar Hawking atacando sua personalidade em vez de seu trabalho. Por exemplo, Hawking disse que a vida pode existir em outros planetas e que esses “alienígenas” podem ser hostis aos terráqueos. Seus antagonistas replicaram que não há prova disso, então tudo o que Hawking disse deve estar errado. Eles tentam confundir meras reflexões (sobre as quais muitos outros cientistas também especularam) e seu trabalho científico.

Hawking devia ter ficado preso à ciência e deixado Deus aos teólogos?
Alguns críticos afirmaram que Hawking deveria ter se apegado à ciência e deixado Deus para os teólogos.

Mas Hawking se apegou à ciência.

Suas visões sobre Deus são informadas por seu estudo da ciência. Hawking não estava discutindo teologia, que abrangeria questões como se Deus é um ou três, se Deus se importa com o consumo de carne de porco ou quantos anjos podem dançar na cabeça de um alfinete. Hawking não tinha nada a dizer sobre questões teológicas, pois questões teológicas assumem a existência de Deus ou de deuses.

A opinião de Hawking sobre Deus é uma opinião científica. Já que as leis da física podem explicar a criação do universo, não há necessidade de ter um Ser Supremo para criá-lo. Hawking explica que não precisamos de um Deus fora do espaço-tempo e de quem Ele foi criado a partir do nada para criar o universo. Deus é supérfluo.

Por que o funeral de Hawking aconteceu em uma igreja?
Havia 500 convidados no funeral de Stephen Hawking, realizado em 31 de março de 2018 na Igreja St. Mary the Great em Cambridge, Inglaterra. Embora Hawking fosse ateu, a família escolheu o serviço funeral da Igreja da Inglaterra habitualmente dado a bolsistas de longa data na Universidade de Cambridge. (Hawking fez seu trabalho de pós-graduação na Universidade e foi pesquisador da Universidade por 52 anos.) Cerca de 1000 pessoas se alinharam nas ruas para ver seu cortejo fúnebre.

A família Hawking providenciou e pagou uma refeição de três pratos no fim de semana da Páscoa para os desabrigados da Igreja Metodista Wesley em Cambridge, servida no dia do seu funeral. As mesas estavam adornadas com flores e um cartão dizia: “O almoço de hoje é um presente de Stephen … Da família Hawking.”

 

Artigo escrito por Catherine Giordano e publicado no site Owlcation

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.