Usar uma mentalidade mais flexível nos ajuda a responder às dificuldades diárias de maneira mais eficaz. Em última análise, a vida é mudança. Cada desafio nos ajuda a ter uma mente elástica, dinâmica e criativa.

Albert Einstein disse que o verdadeiro potencial de nossa inteligência está na capacidade de mudar. Poder assumir novas perspectivas e ideias, libertando-nos de conceitos de que não necessitamos é uma das nossas maiores virtudes. Portanto, não é estranho que na psicologia, assim como na arte, um novo conceito tenha emergido recentemente com força: o da elasticidade mental.

Há alguns anos, o Museu de Arte Moderna de Nova York, MoMA, hospedou uma exposição sobre elasticidade mental. Nossa sociedade e nossa espécie estão passando por um momento de profundas mudanças. A ciência e a tecnologia têm um peso cada vez maior na nossa forma de elaborar a realidade, de trabalhar, de nos relacionar e até de compreender o mundo.

Em Design and the elastic mind , livro da arquiteta e diretora de pesquisas do MoMA Paola Antonelli , fala justamente da necessidade de desenvolver um pensamento mais elástico. Só assim podemos sobreviver e dar o nosso melhor em um ambiente em constante mudança. Um ambiente em que agora somos quase forçados a improvisar, a reagir rapidamente para resolver vários desafios.

Desenvolver uma mente elástica não é fácil. O cérebro costuma ser muito resistente a mudanças e tende a viver ancorado em suas zonas de conforto. Ainda assim, ensinar nossa mente conservadora a ser mais inovadora e flexível pode nos ajudar a promover mudanças positivas.

“O progresso é impossível sem mudança, e aqueles que não podem mudar de idéia não podem mudar nada.”
-George Bernard Shaw-

Elasticidade mental: o que significa?

Quando falamos de uma qualidade mental que todos devemos treinar, desenvolver e aplicar no nosso dia a dia, estamos, sem dúvida, falando de flexibilidade cognitiva.

Por outro lado, tendemos a ter uma mentalidade estática que se culpa toda vez que as coisas não saem do jeito que gostaríamos. Uma mentalidade que não nos faz admitir críticas, que não nos faz administrar decepções ou erros e que tenta evitar desafios por medo do fracasso.

Devemos reformular o conceito de talento a partir daí. Embora uma pessoa possa ter uma predisposição natural para certas habilidades (arte, música, engenharia), é um talento que dificilmente permitirá que ela seja bem-sucedida se ela também não tiver uma mente elástica. É ser capaz de se abrir a novos paradigmas e saber aplicar uma série de estratégias que fazem a diferença.

Acostume-se com a ambiguidade

As coisas nunca são pretas ou brancas. Nossa realidade é construída em torno de uma gama de tons de cinza pouco atraentes com os quais temos que nos acostumar. Só assim a elasticidade mental pode se acostumar com a incerteza típica de muitas das coisas que nos envolvem: o trabalho que temos hoje e que amanhã poderemos perder, aquela pessoa que nos sustenta, mas que amanhã pode não fazer mais, etc.

Elasticidade mental, além do pensamento convencional

O convencional é aquele espaço seguro ao qual é fácil se acostumar. Dá-nos uma sensação de permanência, tranquilidade e realização. Porém, se há algo que temos que aprender, é que a vida não é estática, mas fluida, variada, mutante e, muitas vezes, muito rápida em se mover. Para sobreviver a essas mudanças, devemos aprender a inovar, a ir além do convencional

Para desenvolver um pensamento inovador, precisamos começar a confiar em nossa criatividade e intuição. Isso só é possível observando, olhando para além, percebendo necessidades, novas perspectivas e aplicando uma conduta proativa.

Tolerância à derrota: errar significa aprender

A tolerância aos erros e a forma como lidamos com eles dizem muito sobre nós. Enquanto a mentalidade fixa permanece estagnada e tende a evitar situações nas quais não se sente preparada, a mente resiliente aplica uma abordagem completamente diferente. Ele entende, por exemplo, que uma derrota não é um motivo válido para mancar em certas situações. Que uma derrota é uma oportunidade de aprendizado e que dar um passo para trás muitas vezes é uma maneira de correr melhor.

Um cérebro que nunca para de perguntar e se alimenta de curiosidade

Se for preciso falar de uma pessoa que soube aplicar grande elasticidade mental ao longo da vida, esse é, sem dúvida, Leonardo da Vinci . O homem simbólico da Renascença explorou o mundo do conhecimento como ninguém antes dele, por meio da observação e da experimentação.

Leonardo foi o pioneiro de sua época em muitos assuntos graças àquele dom que todos nós temos e que costuma brilhar principalmente na infância: a curiosidade . A mente elástica não só não teme a mudança, mas a busca porque é motivada por uma sede constante de conhecimento.

Concluindo, como aponta o psiquiatra Robert Cloninger, se formos receptivos às novidades e mudanças em nossa vida diária e se as aceitarmos de maneira destemida e criativa, nossa personalidade se tornará mais forte. A mente resiliente que tenta ir além de sua zona de conforto nunca mais será a mesma.

Adaptado de La mente è meravigliosa

Créditos da imagem: Pixabay

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.