Embora muitos americanos e britânicos compartilhem ancestrais comuns, seus costumes divergem de muitas maneiras. Uma delas é a maneira como as pessoas absorvem a música e a política relacionada a ela. Assim, a música americana dos anos 60 era altamente política. Essa música viajou por todo o mundo, incluindo a Inglaterra. O que não mudou foi o preconceito político matizado relacionado com a música. E os Beatles são um exemplo perfeito disso.

Embora muitos artistas optem por ignorar a política, alguns até a evitam ativamente, os Beatles enfrentaram o preconceito racial antes que fosse uma coisa “acordada”. Em 1962, a lendária banda foi chamada para se apresentar no Gator Bowl, Flórida. A reserva coincidiu com uma grande mudança política pela qual os Estados Unidos estavam passando. A Lei dos Direitos Civis acabava de ser apresentada no Congresso.

Agora, isso não tira a importância de vários papéis de ativistas políticos importantes na história. Mas é importante notar que, quando teve uma chance, os Beatles optaram por não fechar os olhos para a injustiça racial.

Os músicos talentosos usaram sua plataforma para enviar uma mensagem de harmonia doméstica e comunitária. Para o show que deveria acontecer em 11 de setembro, a banda se recusou explicitamente a se apresentar para uma multidão segregada.

Quando os promotores insistiram, John Lennon divulgou um comunicado dizendo que preferiam perder dinheiro do que apoiar a segregação, mesmo por meios passivos.

Um ato de desafio ao racismo


Jacksonville havia sofrido recentemente uma terrível tempestade e os danos foram devastadores, para dizer o mínimo. Apesar de tudo isso, todos os 32 mil lugares do estádio estavam esgotados. No final das contas, os promotores do show tiveram que ceder. Eles permitiram que o show acontecesse sem qualquer segregação racial.

Uma historiadora e participante de um concerto, Dra. Kitty Oliver, disse que ela economizou dinheiro para comprar uma cadeira. Ela não sabia da declaração pública dos Beatles e não tinha certeza de como seria a atmosfera do show para uma jovem negra americana. Em vez disso, ela informa, a multidão foi acolhedora. Ela acrescentou que todos aplaudiram assim que a banda subiu ao palco. A Dra. Oliver lembra como todos, sem preconceito racial, cantavam em uníssono. Ela acrescentou ainda que a decisão da lendária banda de se posicionar contra o racismo institucional serviu de exemplo para todos os jovens fãs.

Em um documentário sobre os Beatles, Eight Days A Week, Paul McCartney afirma que era uma questão de integridade e convicção para a banda.

Recentemente, Paul falou sobre o show de setembro e expressou sua mágoa em relação a George Floyd. Ele afirmou que o show aconteceu há quase 60 anos, mas as questões em torno da corrida, contra as quais lutaram naquela época, ainda não foram resolvidas. Ele ainda exigiu justiça para todos os negros americanos que perderam suas vidas devido à desigualdade racial e injustiça.

Durante esses tempos de polarização, é importante se inspirar nos Beatles e falar contra o racismo.

Do site Truth Theory

Créditos da imagem: United Press International, fotógrafo desconhecido

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.