Tempos difíceis para a Tailândia, que enfrenta uma luta em duas frentes: uma contra a pandemia de coronavírus e a outra devido a uma série de incêndios florestais. Atualmente, fogo e chamas estão devastando as áreas mais verdes das regiões norte, colocando milhares de animais em fuga e aumentando perigosamente os níveis de particulas.

Os incêndios começaram no final de março, mas as intervenções resolutivas ainda são muito poucas e pouco se fala. No entanto, em meio a uma emergência de saúde, uma fumaça perigosamente espessa cobre as províncias do norte de Chiang Mai, Chiang Rai e Mae Hong Son há dias e torna a vida ainda mais impossível.

Acredita-se que a maioria dos incêndios tenha ocorrido no Parque Nacional Doi Suthep-Pui, distrito de Muang, em Chiang Mai, mas que lentamente a fumaça e, com ela, os níveis de partículas dispararam por toda parte, após uma alerta vermelho real que indica poluição atmosférica grave.

Mas não é só isso, o problema dos incêndios também afeta os animais e o suprimento de alimentos para os habitantes das florestas.

Por um lado, de fato, enquanto as pessoas da cidade ainda conseguem encontrar comida nos supermercados e sobreviver, os habitantes das florestas, a única fonte de comida, estão agora em sério perigo justamente por causa das chamas. Além disso, também neste caso, como na Austrália, milhares de animais mortos, casas de aldeias destruídas e a perda de milhões de hectares de floresta contarão no final de tudo.

“Minha conta não é tão seguida, mas quero fazer algo pelo meu país e pelo povo do norte da Tailândia. Dado que apenas algumas pessoas falam sobre isso na Tailândia. Não há relatos da mídia “, relata o jovem Junny, acrescentando que os incêndios florestais começaram em 25 de março de 2020, causando também a morte de vários bombeiros.

Uma história triste que se repete, portanto, e agonia e dor que se somam a um período que já era complicado por si só.

Fonte: GreenMe / Sea mashable

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.