A Alemanha está fazendo grandes progressos no sentido de tentar praticar o que ela prega em termos de ambientalismo.

O país anunciou ontem que implementará uma proibição da venda de uma infinidade de itens descartáveis ​​e descartáveis, em uma tentativa de reduzir a quantidade de resíduos de plástico e poliestireno no meio ambiente.

Isso inclui coisas como canudos de plástico, copos e caixas de poliestireno (pense em Cup-O-Noodles), talheres descartáveis, pratos e palitos.

A ministra do Meio Ambiente da Alemanha, Svenja Schulze, disse que a medida faz parte de um esforço para se afastar da “cultura descartável”, segundo o AP. Até 20% do lixo coletado em parques e outros locais públicos é composto de plástico descartável, principalmente recipientes de poliestireno.

A proibição do governo entrará em vigor em 3 de julho de 2021.

O novo plano também legisla o fechamento até 2022 de oito operações de carvão marrom – localizadas principalmente em regiões economicamente deprimidas – à medida que o número de empregos em energia renovável, que já gera 50% da energia da Alemanha, aumenta nessas regiões.

Poluição por poliestireno

Em um desenvolvimento separado, os cientistas encontraram o poliestireno nas entranhas de minúsculos organismos que habitam o solo na Antártica.

A descoberta eleva a perspectiva de que a poluição por microplásticos já “profundamente” entrou nos ecossistemas terrestres mais remotos do planeta.

Embora a presença de microplásticos nos mares do mundo não seja desconhecida pelos pesquisadores, o estudo ilustrou os primeiros exemplos de contaminação na cadeia alimentar terrestre antártica.

“Portanto, os plásticos entraram em algumas das redes alimentares do solo mais remotas do planeta, com riscos potenciais para toda a biota e ecossistemas”, disseram os autores do estudo depois que suas descobertas foram publicadas na revista Biology Letters.

Fontes: dw.com / Good news network / Ap news

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.