A única certeza na vida é a mudança. Mas é a única certeza que nos recusamos a aceitar. Estamos muito confortáveis ​​com o conhecido. O familiar nos faz sentir seguros. Protegido contra adversidades.

É por isso que criamos bolhas dentro das quais acabamos vivendo. Essas bolhas de “segurança” são sustentadas por nossos hábitos, formas de pensar, crenças e valores. Eles validam nossa visão de mundo e de nós mesmos. Eles nos dão uma sensação de permanência e estabilidade.

O problema é que essas bolhas não são mais sólidas do que uma bolha de sabão. E o equilíbrio mental que alcançamos dentro dele pode se degradar, dando lugar rapidamente à entropia psicológica. Quando o mundo ao nosso redor muda e se torna incerto, temos dois caminhos: afundar na entropia ou ressurgir com um novo equilíbrio. Agora mesmo, a pandemia nos mergulhou em um estado profundo de entropia psicológica e social.

O que é entropia psicológica?

Entropia é um conceito derivado da termodinâmica, segundo o qual os sistemas tendem a derivar para um estado de caos e desordem. Na esfera psicológica, esse conceito descreve a quantidade de incerteza e desordem que existe dentro de um sistema. A física e a psicologia não estão tão distantes quanto se possa pensar.

Carl Jung, por exemplo, acreditava que as leis que regem a conservação física da energia podem ser aplicadas à nossa psique. Ele disse que quando há uma superabundância de energia em uma de nossas funções psicológicas, significa que outra função foi privada dela, o que gera um desequilíbrio.

No entanto, ele também destacou que nossa mente tende a colocar em prática mecanismos de compensação para evitar a entropia total e manter uma certa estabilidade que preserva o nosso “eu”. Os mecanismos de defesa são um exemplo dessa tentativa de compensação. Quando a realidade se torna inaceitável, ativamos uma barreira que protege nosso ego e preserva a imagem que formamos de nós mesmos.

Incerteza como uma medida de entropia psicológica

Uma medida para avaliar o nível de desordem nos sistemas, incluindo nossas mentes, é a incerteza – o grau em que podemos saber como os diferentes componentes de um sistema estão organizados em um determinado momento.

Em um baralho não misturado, por exemplo, podemos saber exatamente como as cartas estão dispostas. Se cortarmos o baralho e virmos o ás de copas, saberemos que a carta abaixo é o dois de copas. No entanto, se embaralharmos o baralho, reduzimos essa certeza a tal ponto que não podemos mais prever com segurança qual das cartas restantes está sob aquele ás de copas. Um baralho completamente misturado representaria um sistema totalmente entrópico.

Todas as coisas que compõem nossas vidas se assemelham a esse baralho de cartas. É bom ter certeza de que nosso parceiro estará nos esperando em casa. Tenha um trabalho seguro. Saber que as pessoas que amamos estão bem. Saber a hora exata da saída do ônibus ou avião… Ter tudo perfeitamente organizado e planejado gera estabilidade e segurança.

No entanto, as regras do jogo podem mudar a qualquer momento, como esta pandemia nos mostrou ou como acontece quando nos mudamos para outro país. Nesses casos, nossos padrões cognitivos, o mapa mental que formamos do mundo, não são suficientes para prever o que acontecerá.

Quando não podemos prever o que vai acontecer e muitas coisas que acontecem perdem o significado, tendemos a cair em um estado de entropia mental máxima. O caos externo perturba nosso mundo interno.

Visto que não temos apoio para nos agarrarmos, tornamo-nos acríticos e consideramos todas as percepções, desde o objeto mais concreto até a ilusão mais efêmera, como representações igualmente válidas da realidade. Quando estamos incertos, tudo é compreensível e possível. À medida que nossa visão se amplia, ela também se torna desorganizada porque carece dos fios comuns que usamos para dar sentido à estrutura de nossas vidas e prever como o mundo funciona. Isso pode ser positivo ou negativo.

Entropia transformativa

Quando somos incapazes de tolerar a incerteza porque ela corroeu os alicerces sobre os quais construímos nossa vida cotidiana, o mundo interior perfeitamente construído começa a se desintegrar. Portanto, temos duas opções.

A primeira delas é mergulhar no caos e permitir que a entropia reine, caso em que provavelmente acabaremos desenvolvendo distúrbios como ansiedade, depressão ou mesmo psicose. Na verdade, uma teoria psicológica indica que a incapacidade de revisar nossas estruturas interpretativas após sofrer um trauma leva ao desenvolvimento de transtorno de estresse pós-traumático. Essa desordem seria o resultado de nossa incapacidade de criar um relato narrativo coerente do trauma que coloca nosso mundo de volta em ordem.

A segunda alternativa é nos esforçarmos para diminuir o nível de entropia até atingirmos um novo ponto ótimo de equilíbrio que nos permite tolerar a incerteza enquanto desenvolvemos percepções do mundo previsíveis o suficiente para nos permitir continuar com nossas vidas.

A boa notícia é que a incerteza sempre nos apresenta um desafio adaptativo crítico que, pelo menos em teoria, deve nos motivar a agir para mantê-la em um nível que possamos administrar. É justamente nesses momentos, segundo Jung, que ocorrem as mudanças mais transformadoras em nossas vidas.

Esse psicanalista acreditava que, quando vivenciamos um evento importante que questiona algumas de nossas suposições ou crenças mais estabelecidas, nosso equilíbrio é lançado em um violento balanço. Durante esse período, é normal que nos sintamos angustiados, ansiosos e / ou desorientados. É como se estivéssemos passando por um terremoto psicológico.

Depois de lutar contra essas novas idéias, percepções ou sombras , uma nova atitude, sistema de crenças, modo de pensar ou estilo de enfrentamento é finalmente formado. Alcançamos um novo equilíbrio que costuma ser mais enriquecedor do que o anterior. Curiosamente, esta nova formação será tanto mais sólida quanto mais difere da atitude original.

Aceite a entropia como parte da vida

Na vida, o caos e a incerteza estão sempre à espreita, nada é 100% previsível e seguro. Ainda assim, frequentemente resistimos em aceitar a incerteza. Essa resistência só vai piorar a entropia.

Resistir à mudança implica comprometer-nos com o sofrimento constante. Na verdade, um estudo conduzido na Universidade de Toronto revelou que nosso cérebro processa a incerteza da mesma forma que a ansiedade. Isso significa que, a longo prazo, isso vai cobrar um preço emocional de nós.

Uma estratégia para minimizar o impacto da incerteza e proteger nosso equilíbrio mental é desenvolver mapas mentais flexíveis de nosso ambiente que nos guiem através do caos para alcançar nossos objetivos mais importantes. Quando as condições mudam, a obsessão pelos detalhes desperdiça energia preciosa. Em vez disso, devemos reorganizar rapidamente nosso mapa mental para nos concentrar nos objetivos realmente importantes da vida. Assim teremos um ponto de apoio no meio da tempestade, um farol que nos guiará.

Em qualquer caso, embora todos precisemos de certo grau de certeza cognitiva e previsibilidade em nossas vidas, devemos também aceitar que fazemos parte de um ambiente natural e social que está sujeito a mudanças constantes e que possui um componente inerentemente caótico e instável. A entropia não é nossa inimiga, é mais uma característica de nossa mente, natureza e universo.

Os sistemas auto-organizáveis ​​- como nós – estão envolvidos em um diálogo contínuo com o meio ambiente e devem se adaptar às mudanças das circunstâncias para manter a entropia interna em um nível gerenciável. Ou seja, se não formos capazes de tolerar a incerteza do mundo, cada mudança nos desestabilizará psicologicamente.

Como disse William James, nossa vida interior é fluida, inquieta, inconstante, sempre em transição. Essas transições são a própria realidade, vivemos em transições porque tudo muda continuamente.

Portanto, devemos aceitar que somos equilíbrio e caos. Estabilidade e mudança. Assumir que essas mudanças fazem parte da vida e promove maior bem-estar. A chave é aceitar o que não podemos mudar e nos transformar para melhor nos adaptarmos a cada demanda externa. Paradoxalmente, quanto mais abraçamos o caos, mais perto estaremos da serenidade.

Por Jennifer Delgado Suarez – Rincón de la Psicología

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.