“Não são as coisas que nos acontecem que nos fazem sofrer, mas o que dizemos a nós mesmos sobre essas coisas.”

Com esta frase simples, mas precisa Epictetus da Frígia, um filósofo estóico do primeiro século dC, semeava as raízes da psicologia contemporânea. Epiceto nasceu no ano 55 em Hierápolis de Frígia e chegou a Roma como escravo de Epafrodito que lhe daria educação até seu exílio em Nicópolis no ano 93 onde fundaria uma prestigiosa escola à qual se dedicaria plenamente.

Apesar de ser escravo e receber espancamentos durante a maior parte de sua vida, Epíteto era uma pessoa feliz. Sua filosofia baseava-se em ter muito claro o que era controlável e o que não era, a fim de modificar o que era suscetível a modificações e aceitar o que não era. Desta forma ele evitou-se tormento e infelicidade.

Controle da mente
Epíteto aceitou que suas circunstâncias não eram controláveis e não podiam ser diretamente alteradas de qualquer forma, mas, no entanto, sua mente o fez. Nesse sentido, ele tinha todo o poder. Portanto, ele decidiu que as coisas só o afetariam se ele permitisse que elas o influenciassem. Ou seja, o fato de ter emoções positivas ou negativas não dependeria de eventos externos, mas de seu próprio interior, de seus pensamentos sobre esses fatos.

A maioria das pessoas quando têm um estado emocional negativo e disfuncional, como depressão, ansiedade, raiva, culpa … tendem a acreditar que isso é causado por circunstâncias ou situações que aconteceram em sua vida, mas a verdade é que não é assim na maioria das vezes

O que realmente causa nossos estados emocionais são nossa maneira de interpretar o mundo, nossa atitude, nossas próprias crenças e pensamentos. Uma prova é que a mesma situação gera emoções diferentes em cada pessoa. Logicamente, se a situação fosse responsável pelas emoções, todas as pessoas deveriam reagir da mesma maneira e é mostrado que não é esse o caso. Então, deve haver um filtro que determine minha situação emocional.

Vamos dar um exemplo sobre essa ideia. Imagine que você está de pé no ônibus preso à barra de apoio e de repente você é atingido por trás. Você fica com raiva porque alguns rudes não foram cuidadosos com você, então você está pronto para se virar para lhe dizer quatro coisas, mas de repente você percebe que ele é uma pessoa cega.

Nesse momento, os sentimentos de raiva são modificados por sentimentos de compaixão e misericórdia para com o pobre cego que não teve qualquer intenção de empurrá-lo.

Somos responsáveis pelo que sentimos
O estímulo que supostamente provocou sua raiva ainda é o golpe, mas agora que você sabe que ele é cego, você não diz que ele é mal educado, nem um grosseiro sem respeito ou consideração, mas você diz que ele é um pobre homem que não pretendia fazer isso. Com o qual, podemos concluir que o que irritou você não foi o golpe, mas você mesmo com seu diálogo interno, com o que você estava dizendo sobre o bruto que lhe deu o empurrão.

Como podemos ver, o pensamento sempre precede a emoção e a boa notícia é que podemos controlá-lo! Nós somos responsáveis ​​por isso!

E eu digo boas novas porque se não fosse assim, teríamos que nos resignar a sermos escravos do exterior, ser fantoches sem defesas que se movam de acordo com as situações ou as idéias dos outros.

Se, por exemplo, fico deprimido porque os outros me criticam, o principal responsável por essa depressão sou eu, estou acreditando em todas essas críticas e opiniões e fazendo delas as minhas. Se eu mudasse meus pensamentos sobre essas críticas e desse a elas a importância correta, meu estado emocional seria muito diferente.

Talvez fosse desagradável, mas eu não ficaria deprimido com as idéias que outras pessoas têm, porque essas são suas idéias, não minhas e eu apenas as tornarei minhas se eu decidir. Se não fosse assim, se meus pensamentos não pudessem intervir, eu sempre teria que me sentir deprimido, a menos que eu peça aos outros para mudarem suas opiniões sobre mim, algo que é quase impossível, assim como o trabalho duro.

Na realidade, o ser humano tem a maravilhosa capacidade de ser feliz quase em qualquer circunstância e situação. Se você tem os meios para sobreviver, você já tem tudo para ser muito bom, mas é necessário que essas idéias sejam internalizadas em profundidade, que você as adquira como filosofia de vida.

Se Epíceto foi feliz por ser um escravo graças a este modo de encarar a vida, também podemos ser escravos em circunstâncias que nada têm a ver com a escravidão. Talvez você esteja reclamando muito? É possível que você esteja exigindo demais do mundo, dos outros e de si mesmo? Você está cheio de ansiedade tentando controlar o incontrolável?

Pare de abrir a porta para o sofrimento, pare de reclamar sobre o que acontece lá fora. Resolva se puder e se não, deixe estar. Mude sua maneira de ver as coisas e as coisas vão mudar.

 

 

Artigo originalmente publicado em La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS