A esclerose múltipla (EM) é uma doença crônica do sistema nervoso central. Existe em todo o mundo e é a causa mais comum de alterações neurológicas em adolescentes e adultos de meia-idade, especialmente mulheres.

A mielina consiste em proteínas e gorduras. Protege e cobre as fibras nervosas do sistema nervoso central. Promove também a condução de impulsos elétricos entre as fibras. Pessoas com esclerose múltipla têm mielina prejudicada. Essa deterioração pode deixar cicatrizes (esclerose). Os pesquisadores também chamam suas áreas danificadas por placas desmielinizantes.

A mielina não apenas protege as fibras nervosas, mas também as ajuda a funcionar adequadamente. Danos à mielina reduzem drasticamente a capacidade do nervo de conduzir impulsos. Felizmente, o dano à mielina geralmente vai contra ela.

A esclerose múltipla é uma doença inflamatória da massa branca do sistema nervoso central. É caracterizada por múltiplas áreas de foco com desmielinização, perda de oligodendrócitos, astrogliose e dano axonal relativo.

O que causa a esclerose múltipla?

A etiologia da esclerose múltipla é desconhecida. A causa desta condição não é clara, mas sabemos que a doença envolve vários sistemas. Entre essas razões, encontramos problemas imunológicos e fatores hereditários, bem como infecções.

O papel exato das infecções virais no início e no desenvolvimento desta doença é desconhecido. No entanto, os pesquisadores estudaram vários vírus em relação à doença. Eles ligaram o vírus Epstein-Barr à desmielinização (deterioração da mielina). Há também evidências de que crianças expostas ao vírus são mais vulneráveis à doença.

Os cientistas estudaram os vírus, sobretudo os fatores ambientais. Eles acham que é um dos fatores desencadeantes ou decisivos da doença. Especialistas suspeitam que os vírus modifiquem os oligodendrócitos durante a infância. O vírus os afeta, fazendo com que as vítimas tenham respostas anormais mais tarde. Isso altera a mielinização correta.

A predisposição genética para a doença é relativamente clara. De fato, estudos com gêmeos solteiros mostram que o risco de esclerose múltipla é de 31% quando os irmãos são afetados. Com gêmeos gêmeos, o risco é próximo de 5%.

Sintomas de esclerose múltipla

O início dos sintomas pode ser tão leve que o paciente não perceba qualquer motivo para procurar atendimento médico. Os sintomas iniciais mais frequentes são:

• Fraqueza em um ou mais membros
• Visão turva
• Mudanças na sensibilidade
• diplopia
• Dificuldade em coordenar movimentos (ataxia)

A fraqueza dos membros também é comum. Muitas pessoas com esclerose múltipla experimentam fadiga durante o exercício e têm dificuldade em subir escadas. Eles também perdem sua destreza e tônus muscular. Esses sintomas tendem a aparecer gradualmente.

Fadiga: o sintoma mais comum
A fadiga é o sintoma mais comum da esclerose múltipla e afeta 2/3 de todos os pacientes. Metade destes descreve como o pior sintoma, porque afeta sua qualidade de vida.

Este distúrbio está ligado à depressão e a outros fatores que contribuem para a fadiga. Algumas delas são disfunções motora, do sistema límbico, dos gânglios da base e do hipotálamo.

A fadiga diminui drasticamente e significativamente a qualidade de vida das pessoas com esclerose múltipla. Portanto, é tão importante acompanhar esse aspecto. No entanto, é difícil de manipular e interpretar porque a percepção da fadiga é subjetiva.

Perda de energia afeta habilidades motoras, bem como habilidades cognitivas. Devemos também distinguir entre fraqueza, perda de energia e dificuldades de concentração. Por esse motivo, os médicos devem fazer um diagnóstico que diferencie a fadiga causada pela esclerose múltipla de outras condições.

Depressão, distúrbios motores, problemas de tireóide ou efeitos colaterais em drogas contra convulsões epilépticas e drogas imunossupressoras podem ter efeitos clínicos semelhantes.

Surtos
Surtos (recidiva, recorrência, agravamento) são muito típicos da esclerose múltipla. São sintomas de disfunção neurológica que duram mais de 24 horas.

Essas recaídas são episódios que afetam partes distintas do sistema nervoso central e estão separadas por mais de um mês. Por outro lado, quando os sintomas desaparecem, é classificado como remissão. Remissão é uma melhora ou um desaparecimento de sinais e sintomas por pelo menos 24 horas.

Sintomas periféricos
Os seguintes sintomas suportam o diagnóstico de esclerose múltipla quando apresentados clinicamente. Eles são:

Sinal de Lhermitts: o paciente sente o que é experimentado enquanto uma carga elétrica percorre a espinha. Às vezes faz o caminho para os braços e pernas. Dobrar o pescoço para frente causa essa sensação.

Sensibilidade ao calor
Fenômeno de Uhthoff: aumento da temperatura corporal. Fatores externos (banho quente, verão) ou fatores internos (febre, exercício intenso, menstruação) podem desencadear esse sintoma.

Ataques paroxísticos: distúrbios do movimento paroxístico ocorrem repentina e teimosamente. Eles não duram muito tempo, mas podem aparecer várias vezes durante um dia ou em períodos curtos. O tipo mais comum de sintomas paroxísticos é a distonia paroxismal.

O desenvolvimento da esclerose múltipla é impossível de prever. A tendência é, no entanto, contra a deterioração das habilidades físicas e desempenho mental e cognitivo inferiores.

Tratamento da esclerose múltipla

Atualmente não há cura para o MS. Também não há tratamento que possa afetar positivamente o desenvolvimento clínico da doença. A longo prazo, o objetivo é reduzir o número de surtos. Os médicos também ajudam seus pacientes a aliviar os efeitos da doença.

Para isso, eles usam drogas imunossupressoras (azatioprina, ciclofosfamida, metotrexato e interferons {alfa}). Os médicos usam altas doses de corticoides por curtos períodos (3-5 dias) para tratar surtos. Identificar corretamente os surtos é a chave para fazer um diagnóstico e encontrar o tratamento certo.

O sintoma de um surto é uma ou mais lesões causadas por um processo inflamatório. Este processo está no sistema nervoso central. Os corticoides são a droga preferida para os surtos porque têm como alvo a inflamação.

Tratamento dos sintomas da EM
Podemos resumir os tratamentos sintomáticos da seguinte forma:

Espasticidade: baclofeno, diazepam, dantroleno sódico…

Fadiga: amantadina, modafinil, metilfenidato …

Dor: carbamazepina, fenitoína, gabapentina, pregabalina …

Deficiência cognitiva: donepezil, interferon beta, memantina …

Reabilitação

A reabilitação é extremamente importante. O objetivo fundamental é prevenir a incapacidade do paciente, ou pelo menos reduzi-lo tanto quanto possível.

Os terapeutas ensinam os pacientes a aprender novas habilidades e a maximizar seus sistemas de saúde. Desta forma, eles serão capazes de manter alguma independência. Também é vital abraçar ou modificar seu ambiente social e de trabalho. Além disso, é importante ter apoio psicológico ao paciente, familiar e cuidador.

Os especialistas recomendam reabilitação multidisciplinar que é adaptada ao paciente. As pessoas que sofrem de esclerose múltipla podem melhorar sua qualidade de vida quando se trata de saúde e capacidade de realizar atividades diárias. Muitas organizações para pessoas com esclerose múltipla realmente oferecem tratamentos baseados em reabilitação holística.

Traduzido do site utforskasinnet

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.