Desconexão emocional – ouvir sem empatia – é como olhar sem ver. É dizer sim com a cabeça, mas ter a mente ausente, desconectada e emocionalmente distante da pessoa à sua frente. Poucas habilidades são essenciais para construir relacionamentos fortes e significativos, como comunicação e escuta ativa, aquela para a qual as conexões são feitas com olhos, sentimentos e vontade.

Há apenas alguns meses, o especialista em ciências cognitivas e psicólogo da Universidade de Yale , Paul Bloom, abalou o mundo da psicologia ao expressar alguns comentários questionáveis ​​sobre desconexão emocional e empatia. Segundo ele, essa dimensão tem muito pouco positivo. Para entender melhor o que ele quis dizer, no entanto, precisamos aprofundar sua mensagem.

De acordo com o professor Bloom, às vezes um ato de falsidade enigmática se esconde por trás da empatia. Uma pessoa pode ter empatia com o que seu parceiro está dizendo a ela , mas na verdade sente a maior indiferença. Em outras palavras, todos somos capazes de nos colocar no lugar dos outros, mas então agir com total indiferença.

Portanto, é absolutamente justo dizer que a empatia é inútil se não for acompanhada por uma atitude pró-ativa e uma consciência autêntica da pessoa que está à nossa frente. Mas, como o professor Bloom aponta, há mais: algumas pessoas agem com empatia não para ajudar os outros, mas apenas para se sentirem bem consigo mesmas.

Tudo isso pode nos ajudar a refinar um pouco a ideia que temos desse recurso. Não basta estar presente, mostrar-se aberto e compreensivo com a realidade do outro. É essencial manifestar ativamente esse vínculo, esse sentimento.

“O presente mais precioso que podemos dar a alguém é a nossa presença. Quando damos aos outros toda a nossa atenção, eles se abrem como flores.”

-Thich Nhat Hanh-

Desconexão emocional, uma prática tristemente comum

Ouvir sem empatia é uma prática mais comum do que poderíamos esperar. Às vezes estamos tão acostumados a “automatizar” nossas interações diárias que nem mesmo percebemos a ausência de ligação emocional que, sem perceber, direcionamos para quem está à nossa frente.

Um exemplo característico desse fenômeno são os pais que respondem quase automaticamente aos filhos. Quando os pegam na escola e contam o que fizeram, as respostas quase sempre são as mesmas: “Sim, seu desenho é muito bonito” ou “Sério? Que interessante “.

Essa dinâmica não significa que você não ame seus filhos. Simplesmente revelam que às vezes não temos tempo para estar presentes e apenas ouvimos sem ter empatia, porque a vida corre e os nossos dias ocupam a nossa mente.

Respostas não empáticas que impedem a conexão emocional
Todos nós já experimentamos a sensação de falar com uma pessoa que parece ausente, que acena que sim, mas que na verdade está a quilômetros de nós. Pois bem, outro cenário comum é aquele em que recebemos respostas, comentários ou reflexões que, em vez de nos serem úteis, funcionam como paredes . Como conexões emocionais feitas de arame farpado.

São os seguintes:

Resposta de consultoria: o que você deve fazer é …
Resposta pessoal enfática: você está exagerando, isso não é nada!
Resposta corretiva: o que você diz não é verdade.
Resposta interrogativa: por que você diz / pensa / faz isso?
Desculpe: sei que isso o preocupa, mas não posso ajudá-lo agora porque…

Com essas respostas, percebemos que às vezes é melhor não receber opinião. Além da desconexão emocional, outro problema passa a ser quem emite respostas que quebram a conexão empática.

Cultive a empatia autêntica com uma atitude ativa

Todos nós podemos ser (e certamente somos) pessoas empáticas. Estudos como o realizado pelo Dr. Anthony David no King’s College Institute of Psychiatry , em Londres, mostram que é possível medir a empatia e extrapolar o coeficiente empático de cada pessoa.

Se o fizéssemos, perceberíamos que todos temos esse dom. O problema é que muitos de nós carecem do recurso-chave para implementá-lo: habilidades sociais. Em outras palavras, somos empáticos, mas não usamos essa habilidade de forma eficiente. Isso às vezes nos leva a ouvir sem empatia, a compreender o outro, mas a responder de forma inadequada ou inautêntica. Para isso, é fundamental ter em mente as dicas a seguir.

Como usar a empatia de forma eficaz

Para demonstrar empatia é preciso estar presente, sem pressa e sem desculpas.

A atitude empática é ativada em primeiro lugar com o olhar. Devemos aprender a olhar o outro sem julgar , com proximidade e carinho.

Temos que aprender a responder. Críticas, julgamentos ou “Eu em seu lugar teria feito isso” não são úteis nesses casos.

A empatia deve, antes de mais nada, ser proativa. Quem mostra compreensão, mas não faz nada para provar, acaba sendo um engano e uma decepção. Porque fazer o outro acreditar que você está com ele, mas depois ir embora pode doer e deixar cicatrizes.

Sempre há algo para aprender e melhorar na prática diária da empatia. Começamos a trabalhar em nós mesmos para poder dar o nosso melhor aos outros e, assim, cuidar de nossos relacionamentos . Lembre-se: eles são verdadeiros tesouros.

Adaptado do site La mente è Meravigliosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.