Qualquer pessoa que tenha trabalhado na indústria de serviços de alimentação entende que as datas de validade costumam ir e vir muito antes que o produto comece a estragar por dentro. Por outro lado, qualquer pessoa que tenha trabalhado na indústria de serviços de alimentação também sabe que a comida pode estragar de uma maneira que não podemos perceber nem antecipar.

Mas e se a embalagem que contém um produto de comida fresca puder detectar e avisar quando ocorrer deterioração?

Atualmente, uma intrépida organização sem fins lucrativos sediada em São Francisco está desenvolvendo embalagens que incorporam material sensível que mudará de cor ou dará um sinal de alguma forma ao manipulador ou comprador quando detectar a presença de bactérias ou outros produtos químicos prejudiciais ou indesejados.

“Estamos incorporando mecanismos de detecção em nossos materiais que permitem detectar coisas como deterioração ou mesmo monitoramento da cadeia de frio”, disse Viirj Kan, CEO da startup, à Fast Company . De fato, eles pretendem aproveitar a “inteligência embutida da natureza”.

Kan e Noa Machover, co-fundadora do Primitives, começaram a desenvolver a idéia como estudantes do MIT e agora estão trabalhando para comercializar sua tecnologia – e optaram por começar com uma área de embalagens de alimentos que nem sempre é manchete, mas precisa desesperadamente de ajuda.

Juntamente com sua tecnologia de detecção de deterioração, os criadores estão desenvolvendo uma versão compostável desse tipo de plástico: um plástico que possa ser compostado em seu próprio jardim simplesmente enterrando-o.

Como o filme padrão atual contém várias camadas de diferentes tipos de plástico, é difícil reciclar capas finas de plástico. A Primitive desenvolveu-se inicialmente com algas que consomem CO2, mas está explorando o potencial de outros materiais compostáveis, como cannabis e outros resíduos agrícolas.

Acredite ou não, esses tipos de biomateriais impedem que o oxigênio chegue aos alimentos dentro da embalagem de uma forma mais eficaz do que o plástico – enquanto trabalham simultaneamente para melhor bloquear a radiação UV do sol, outra causa comum de deterioração.

Ainda não se sabe quando o produto estará pronto para o mercado ou se eles têm parcerias de distribuição.

Fonte: goodnewsnetwork

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.