Por Octavio Caruso
Está no clima para ser desafiada(o)? Então veja estes três filmes que garimpei no catálogo da Netflix. Provavelmente você vai querer indicar eles para todos após a sessão.

Marguerite (2016)

1921, início da década de ouro dos anos 20. Não longe de Paris. É dia de festa no castelo de Marguerite Dumont. Ninguém sabe muito sobre esta mulher, exceto o facto de ser rica e de ter dedicado toda a vida à sua grande paixão: a música. Marguerite canta. Canta com toda a sua alma, mas terrivelmente desafinada. Ela tem vivido esta paixão dentro da sua concha e o público hipócrita, sempre presente para uma boa gargalhada, age como se ela fosse a Diva que pensa ser. Quando um jovem jornalista provocador decide escrever um artigo entusiástico sobre a sua última performance, ela começa a acreditar ainda mais no seu talento.

Numerado (Numbered – 2012)

Esta é uma jornada explosiva e altamente visual guiada por depoimentos e retratos dos poucos sobreviventes que ainda estão vivos entre os quatrocentos mil encarcerados de Auschwitz e campos adjacentes, que tiveram seus peitos e braços tatuados com um número. O filme documenta o período negro em que essas tatuagens eram feitas bem como o significado que tomaram nos anos que seguiram a guerra. Na verdade, o protagonista do filme é o número em si, conforme ele evolui e se torna um símbolo tanto pessoal como coletivo de 1940 até hoje.

Viva a Liberdade (Viva la libertà – 2013)

A candidatura do secretário principal do partido da oposição, Enrico Oliveri (Toni Servillo), não esta indo tão bem quanto planejada. Uma noite, após um debate, ele desaparece. Seu assessor e sua esposa dão início a uma busca sobre o porquê do desaparecimento e se mais alguém esta envolvido nessa história. De repente, o secretário reaparece, agindo de forma diferente. Suas atitudes surpreendem a todos e fazem a cotação do partido subir. Tudo vai bem até que alguém resolve segui-lo. Uma frase do filme resume sua importância, especialmente no contexto político atual brasileiro: “Se os políticos são medíocres é porque os eleitores são medíocres. E se são ladrões é porque os eleitores são ladrões. Ou gostariam de ser.”

Gostou das dicas? Compartilhe!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.