Ao percorrer essa jornada que é a vida, passamos por mudanças fundamentais. Algumas pessoas usam termos como “crise de quarto de vida” ou “meia idade” para definir onde é que achamos que estamos em nossas vidas ao longo do caminho. Para mim, não há destinos na vida. Há cerimônias com certeza, mas muitas vezes podemos voltar aos mesmos lugares que estávamos antes.

Isso é o que eu amo sobre as quatro etapas da vida do psicólogo suíço Carl Jung. Como ele os descreveu, esses estágios têm a ver com quem somos como pessoas e nossas motivações.

Eles não têm nada a ver com idade ou realização, e ao longo de nossas vidas, muitas vezes avançamos e retrocedemos nessas etapas. Como Jung disse uma vez: “Completamente despreparados, nós tomamos o passo na tarde da vida. Pior ainda, damos esse passo com a falsa pressuposição de que nossas verdades e nossos ideais nos servirão até agora. Mas não podemos viver a tarde da vida de acordo com o programa da manhã da vida, pois o que foi bom na parte da manhã será pequeno à noite e o que, pela manhã, era verdade, a noite se tornará uma mentira “.

O Atleta
O atleta é a fase em nossas vidas quando nos estamos a mais absorvidos. Há pessoas em nossas vidas que nunca chegaram a essa fase, ou muitas vezes voltaram para ela. Dos 4 estágios, esse tende a ser o menos amadurecido. Caracteriza-se por estar obcecado com nossos corpos físicos e aparência. Para um exemplo da fase de atleta, assista adolescentes passando por um espelho. A fase de atleta pode ser narcisista, crítica ou mesmo ambas.

O Guerreiro
Avançando em nossas vidas, alcançamos a fase guerreira. É aqui que começamos a assumir responsabilidades e a obter o desejo de conquistar o mundo. Bem, talvez não seja o mundo para alguns de nós, mas é quando nos tornamos mais orientados para objetivos. De repente, podemos ver os objetivos que queremos realizar e a vaidade da fase de atleta começa a desaparecer. A fase guerreira é realmente caracterizada pelas lutas em nossas vidas que o início da idade adulta pode nos lançar. A fase de guerreiro é também o estágio mais comum que as pessoas retornam ao longo de suas vidas quando precisam se “reinventar”.

A Declaração
Quando a fase guerreira em nossas vidas está chegando ao fim, nos encontramos perguntando: “o que eu fiz para os outros?” Seu foco se desloca de suas realizações pessoais para a realização de objetivos baseados no encaminhamento das vidas de outras pessoas. Este estágio é muitas vezes correlacionado com os pais, porque seu foco se torna proporcionar uma vida melhor para seus filhos e o que você precisa fazer. A fase de declaração para muitas pessoas é muito mais do que uma correlação com os pais e mais sobre deixar um legado ou uma pegada na vida. A fase de declaração é um momento para refletir sobre o que você realizou e como você pode continuar avançando – não apenas para você, mas para as outras pessoas em sua vida. No que diz respeito à maturidade, a fase de declaração é um enorme passo em frente, mesmo da fase guerreira.

O Espírito
O estágio final da vida é o estágio espiritual. Nesta fase, percebemos que somos mais do que acumulamos – seja dinheiro, amigos, bens, boas ações ou marcos na vida. Nós somos seres espirituais. Percebemos que somos seres divinos numa jornada de vida que não tem começo real nem fim. A fase espiritual é caracterizada por uma sensação de “sair da sua própria mente” e concentrar-se no que nos espera além de nossos seres físicos. O filósofo Lao Tzu propôs uma pergunta há mais de 2500 anos que descreve perfeitamente a fase espiritual: “” Você pode se afastar de sua própria mente e, assim, entender todas as coisas? Dando e alimentando, tendo sem possuir, agindo sem expectativas, liderando e não tentando controlar: esta é a suprema virtude “.

 

 

 

Traduzido de I Heart Inteligence

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS