Milhares de traficantes respondem a processos e muitos estão apodrecendo na cadeia, graças a Ajeet Singh, que vem travando uma guerra para libertar meninas menores de suas garras. Leia como ele quebrou o complexo sistema de exploração sexual em Varanasi.

Ajeet Singh tinha apenas 18 anos quando assistiu a um casamento em sua cidade natal, perto de Varanasi, em 1988. Foi aqui que ele viu uma “nautch girl” se apresentar no casamento.

“A maneira como as pessoas olhavam para ela e a tratavam era algo que me chocava e me entristecia profundamente. Foi então que decidi fazer alguma coisa para libertar as garotas como ela de tal profissão ”, lembra Ajeet.

Este não foi apenas um pensamento passageiro que Ajeet teve naquele dia. Quando a garota terminou sua apresentação, Ajeet foi até ela e perguntou se ele poderia cuidar de seus filhos e dar-lhes uma oportunidade de estudar e levar uma vida melhor.

Não foi fácil para um garoto de 18 anos que ainda estava no seu primeiro ano de faculdade assumir uma responsabilidade tão grande. Mas Ajeet não pensou duas vezes e adotou os três filhos da garota.

“É claro que minha decisão não foi bem recebida pela minha família ou pela sociedade. Eu enfrentei uma enorme oposição de todos. Mas isso é o que eu queria fazer ”, diz ele.

Ele então foi em frente e começou a ensinar as crianças em seu tempo livre e ajudou-as a alcançar metas de vida que as levariam para longe das ruas escuras em que sua mãe morava.

Além disso, ele começou a frequentar as áreas de luz vermelha de Varanasi para ensinar as crianças das mulheres que trabalhavam lá. Mas ele logo percebeu que o problema era muito mais complexo do que ele pensava.

“Toda a profissão e o sistema são tão complexos que a simples educação para as crianças ou a disseminação da conscientização sobre a saúde, o HIV etc. não podem resolvê-lo. A questão é a escravidão e a necessidade de abolir o sistema de tráfico sexual. É só então que as garotas podem ser salvas para levar uma vida melhor ”, diz ele.

Era hora de adotar uma abordagem mais agressiva, pensou Ajeet. E foi aí que ele começou uma organização chamada Guria, em 1993, para lutar contra a exploração sexual de meninas, especialmente menores. O que essas garotas precisavam era de liberdade e ele estava aqui para ajudá-las.

Ajeet se preparou para o enfrentamento. Ele pegou algumas câmeras escondidas – na caneta, no botão da camisa, no relógio, etc. – e começou a posar como cliente, apenas para rastrear os locais das áreas de luz vermelha e o número de garotas menores lá.

Depois de fazer o mapeamento, ele reuniu um grande número de voluntários e invadiu a área de luz vermelha de Shivdaspur, em Varanasi. Eles conseguiram resgatar 15 garotas em um dia.

Desde então, ele realizou ronda em todas as áreas de luz vermelha de Varanasi e resgatou mais de 1.000 meninas até agora.

Uma vez que as meninas são resgatadas, elas são enviadas para abrigos e casas do governo e, após aconselhamento, enviadas de volta para seus pais. Uma faixa estreita é mantida de suas atividades para garantir que elas não voltem novamente à mesma situação.

“Hoje, posso dizer que Varanasi está quase livre da prostituição infantil”, afirma Ajeet.

Depois que ele começou a resgatar as garotas, Ajeet decidiu que o próximo passo seria enfrentar os cafetões e os donos dos bordéis, que desempenharam um papel importante na prostituição. “Até a polícia não fez nada e achamos que era hora de trazer essa questão para fora”, diz ele.

Então, além de resgatar meninas, Ajeet começou a tomar medidas legais contra os traficantes sexuais. Através de sua organização, Guria, ele registrou cerca de 1.400 casos contra traficantes e chegou a mandar muitos deles à prisão.

O trabalho do Guria não termina apenas com a apresentação de casos contra os traficantes. A organização também tenta garantir que aqueles que foram condenados não recebam fiança. A equipe trabalha intensamente para a rejeição da fiança de tais condenados – mais de 400 pedidos de fiança foram rejeitados devido à intervenção do Guria.

“Muitas vezes, esses traficantes que recebem fiança saem rapidamente e começam a fazer o que faziam antes. Temos certeza de que eles ficarão presos por muito tempo. Alguns deles estão presos há cerca de quatro a cinco anos ”, diz Ajeet.

Outra área de enfoque é levar as meninas resgatadas ao tribunal para julgamentos. Eles recebem proteção de testemunhas, auxiliam com julgamentos, prestam aconselhamento e são encorajadas a falar sobre o erro que lhes foi feito. Centenas de meninas são mantidas sob escondidas sob à proteção da instituição Guria.

O Guria também ajuda a reabilitar as meninas resgatadas e ensinar-lhes várias habilidades para que possam mudar para outras profissões.

“Nossa ideia não é apenas fornecer suporte de uma só vez. Essas garotas são como nossos filhos. Você não pode simplesmente fornecer roupas ou apenas comida para seus filhos. Você tem que dar-lhes apoio geral. Isso é o que fazemos por essas meninas ”, diz Ajeet.

Graças a Ajeet, milhares de meninas levam uma vida melhor hoje. Ishita (nome alterado), uma menina menor de 17 anos foi sequestrada perto de sua casa em Varanasi em 2009. Ela foi levada para Nova Delhi pelos traficantes e foi estuprada repetidamente por vários homens dentro de uma sala trancada. Ela foi então levada para Surat e foi estuprada por vários dias. O horror de Ishita não terminou aqui. Ela foi então levada para Mumbai, onde os traficantes planejavam vendê-la a um terceiro. Foi quando a equipe de Guria interveio e resgatou a menina das garras dos traficantes. Eles não apenas trouxeram Ishita de volta para sua família, mas também prenderam o traficante principal e garantiram que sua fiança fosse rejeitada.

O que parece ser uma história de sucesso simples não foi fácil de implementar. Ajeet teve que enfrentar desafios de todos os lados – de membros da família que eram contra ele por escolher trabalhar nesse campo a donos de prostíbulos que iriam a extremos para garantir que Ajeet não tivesse sucesso em sua missão.

“Eu fui atacado muitas vezes e recebi ameaças de morte. Até minha família não me apoiou. Muitas pessoas levantaram dúvidas sobre o meu trabalho, mas eu estava determinado a salvar a vida dessas meninas ”, diz Ajeet.

Ajeet quer ter certeza de que nenhuma garota seja forçada a entrar na obscura profissão do comércio sexual.

Além disso, a rede de bordéis é tão complexa que muitas meninas sempre falam em favor dos guardiões dos bordéis.

“Elas são criadas nesse ambiente, estão com medo e nunca falam contra os algozes. Quando se trata de menores, nós não as escutamos e às vezes temos que tirar essas meninas dos bordéis ”, diz ele.

Com uma equipe de 25 membros e centenas de voluntários, Ajeet continua sua missão de eliminar completamente essa profissão das ruas de Varanasi. Ele recebe apoio da CRY e doações individuais, que o ajudam a conduzir operações de resgate e a organizar vários workshops.

No futuro, Ajeet quer continuar com sua missão para garantir que nenhuma garota seja forçada a essa profissão obscura.

Para saber mais sobre o trabalho dele, confira seu site

Fonte sugerida: Global Citizen / Better India

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.