Adultos que gaguejam não gaguejam quando estão sozinhos

O “efeito de falar sozinho” – o fenômeno no qual as pessoas que gaguejam não gaguejam quando estão sozinhas – foi observado em relatos anedóticos, mas até agora não foi apoiado por evidências.

Um novo estudo publicado no Journal of Fluency Disorders , liderado pelo professor Eric S. Jackson da NYU Steinhardt, explora o efeito da fala sozinha entre pessoas que gaguejam e como a pressão social e a percepção de um ouvinte podem influenciar a fala. No artigo, “Adultos que gaguejam não gaguejam durante uma conversa privada”, os autores concluem que o efeito de falar sozinho é real e que a percepção de ser ouvido por um ouvinte desempenha um papel fundamental na gagueira de uma pessoa.

“Existem muitas evidências anedóticas de que pessoas que gaguejam não gaguejam quando falam sozinhas, mas esse fenômeno não foi confirmado em laboratório, principalmente porque é difícil criar condições nas quais as pessoas acreditem que estão realmente sozinhas”, diz Jackson.

Os pesquisadores avaliaram 24 adultos em cinco condições diferentes: fala coloquial, leitura em voz alta, fala privada (na qual os participantes eram levados a pensar que ninguém estava ouvindo), repetição da fala privada para dois ouvintes e fala espontânea. Com exceção da fala privada, todas as condições envolviam participantes conversando ou lendo para outras pessoas.

Na condição de fala privada, os participantes foram deixados sozinhos para completar uma tarefa desafiadora de programação de computador, que demonstrou eliciar a fala privada em estudos anteriores. Os participantes também foram enganados ao pensar que ninguém os estava ouvindo e foram informados de que as pessoas que falam alto para si mesmas têm maior probabilidade de desempenhar melhor a tarefa.

A condição de fala privada foi a única em que as instâncias de gagueira foram inexistentes.

O estudo, incluindo os métodos de engano, foi aprovado pelo Comitê de Revisão Institucional da NYU. Todos os participantes foram informados do componente engano após sua conclusão e consentiram em continuar o experimento.

“Desenvolvemos um novo método para convencer os participantes de que estão sozinhos – que sua fala não seria ouvida por um ouvinte – e descobrimos que adultos gagos não gaguejam nessas condições. Acho que isso fornece evidências de que a gagueira não é apenas um problema de “fala”, mas que em sua essência deve haver um forte componente social ”, diz Jackson.

Segundo Jackson, a presença ou possibilidade de um ouvinte introduz a possibilidade de o falante ser avaliado socialmente. Quando um falante está falando em particular, não há componente social e, portanto, o falante não está preocupado com a percepção ou julgamento.

Os autores delineiam direções futuras para pesquisas sobre gagueira e sugerem que examinar a fala privada em crianças pequenas ofereceria uma visão significativa sobre os estágios em que as considerações sociais começam a influenciar a gagueira.

Fonte: NYU

Pesquisa Original: “Adults who stutter do not stutter during private speech”

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.