Por Munnira Katongole*

Eu sou a Igualdade de Geração porque …

Milhões de mulheres e meninas estão sendo abusadas e mortas todos os dias, simplesmente por existirem nesta sociedade patriarcal branca. Como não falar pela igualdade de gênero?

Eu sou uma feminista negra radical e sem remorso. Ver meninas sofrerem e até morrerem, de forma totalmente desnecessária, alimenta meu ativismo.

Justiça social para todos

A justiça social beneficia a todos. A injustiça em qualquer lugar é uma ameaça à justiça em todo lugar. Cada pessoa deve ter sua dignidade humana protegida. Estamos fartos de sermos abusados ​​e manipulados; nós somos seres humanos!

O desafio que continuamos enfrentando é a apatia. Empatia é riqueza, empatia é poder, empatia é unidade.

O mundo que conhecemos foi construído nas costas das mulheres negras e continua a ser vivificado pelas jovens negras. Não estamos pedindo para ser ouvidos, não nos devemos favores, TEREMOS nossos lugares legítimos e devidos à mesa.

As mulheres jovens de cor são as especialistas em sua realidade. Não precisamos de sua ajuda, precisamos de sua solidariedade responsável.

Justiça social é justiça econômica. As meninas precisam ter educação de qualidade e acesso a informações, absorventes higiênicos, alimentos nutritivos e serviços de saúde – não podem ser commodities.

Meninas unidas pela mudança e por um futuro mais igualitário

A mudança climática ilustrou as disparidades enfrentadas por mulheres jovens de cor. A mudança climática está nos dizendo para mudar esse sistema de exploração, que está envenenando as últimas safras que as mulheres de cor têm que comer e esgotando nossa água. Estamos em um ponto de ruptura!

Deve haver uma transição justa e profunda, politicamente informada pelas vozes e necessidades de todas as pessoas, especialmente das comunidades pobres e vulneráveis. Devemos priorizar o financiamento de energia limpa e alimentos sustentáveis. E deve haver propriedade coletiva.

Os jovens africanos constituem a maioria do mundo. Não podemos, especialmente agora em face das mudanças climáticas, ser excluídos dos contextos de formulação de políticas. Os jovens estão agora. Os jovens são o futuro.

A todas as meninas negras que lêem isto: suas avós construíram o mundo, você tem todo o direito de ocupar um espaço. Ocupe, preencha e cimente – assumidamente. Seja líderes disruptivos.

Respeite nossa existência ou espere nossa resistência!

* Munnira Katongole é uma ativista sul-africana de 17 anos que luta por mudanças sociais e justiça climática. Ela faz parte do Comitê de Política da Juventude do Instituto Sul-Africano de Assuntos Internacionais sobre o clima.

Un Women

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.