De alguma forma, não podemos nos conhecer completamente, sempre temos a dúvida das possíveis reações que teríamos em certas situações, muitas vezes agimos de forma desconcertante e diante de outros cenários nossas paixões mais profundas fluem, nossos instintos e nossos desejos dominam e vêm à superfície de uma maneira surpreendente.

O fato é que dificilmente podemos ter a certeza de nossa reação a algo que não experimentamos, por exemplo, uma situação de perigo iminente para nossa vida. Acontece que, há 45 anos, na Escola de Psicologia de Stanford, foi realizado um experimento que questionou a maldade e os papéis de cada pessoa em uma sociedade.Nós nos comportamos de acordo com o papel que nos foi atribuído?

Neste experimento, a influência de um ambiente extremo na vida de um preso foi questionada e como seu comportamento muda quanto mais tempo ele é trancado. O psicólogo Philip Zimbardo foi responsável pela condução do experimento controverso em psicologia social e seus estudos comportamentais tinham a ambição de entender os conflitos nas prisões, em que tanto prisioneiros quanto carcereiros assumem papéis.

O primeiro dia foi normal e ambos os prisioneiros e carcereiros foram amigáveis, mas no segundo, os prisioneiros fizeram um motim e os guardas sacrificaram seu tempo livre para controlar a situação, chegando a assumir atitudes desumanas em relação aos prisioneiros e exaltando seu papel como carcereiros. O experimento teve que terminar seis dias após o início da visita de um estudante que disse que a ética e a moralidade de tudo que acontecia lá pareciam ir além dos limites do que era permitido.

Isso provou que o mal não é classificado em um tipo específico de pessoas, a grande maioria parece sucumbir à crueldade, à razão entorpecida e à moralidade fraudulenta, de modo que o postulado de Zimbardo nasceu “é possível induzir, seduzir e iniciar boas as pessoas acabam agindo mal. ”

O efeito lucifer nos fala sobre isso, tomando as teorias de Zimbardo, asseguram que, com uma influência apropriada, alguém pode abandonar sua ética e contribuir com violência e opressão, diretamente ou através de inação.

É necessário ter a lucidez e a vontade de dominar nossos instintos, nós coexistimos com todos e cada um deles e o mal irá espreitar cada espaço e cada canto do planeta, no entanto, além das crenças e filosofias de cada pessoa no mundo, é claro que sempre teremos livre arbítrio e não podemos culpar nada externo ou maravilhoso por nossas ações. Somos responsáveis pelo que escolhemos em nosso caminho, bem como pelo que deixamos, e antes de qualquer situação na vida que desperta em nós esse aparente desejo de maldade, é necessário sempre superar a escuridão com uma simples luz.

Nós somos luz, essência e majestade, a intolerância e a escuridão podem fingir estar presentes, no entanto, há algo que ninguém pode tirar … e esta é a nossa raiz começo e fim, que é a maravilhosa lei do amor.

 

Texto originalmente publicado em Rincón del Tibet

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS