Alejandro Rodríguez

Há discussões que podem ser realmente enlouquecedoras. Às vezes, em vez de usar argumentos racionais ou aderir aos fatos, nossos “oponentes verbais” fazem uso de argumentos insinceros ou que apelam para as emoções em vez da razão . Uma das mais comuns é a falácia do homem-palha.

As falácias argumentativas são formadas por argumentos que, apesar de parecerem válidos, não são. São linhas erradas de raciocínio ; no entanto, não é incomum encontrá-los apoiando posições diferentes. As conclusões que derivam delas serão erradas ou, em vez disso, não serão necessariamente verdadeiras.

Especificamente, a falácia do homem de palha ocorre quando uma pessoa pega um argumento de seu oponente e a distorce para parecer menos crível. Atualmente, é uma das formas mais utilizadas de manipulação. Neste artigo, veremos exatamente em que consiste, assim como alguns exemplos.

O que são falácias argumentativas?
O estudo das falácias faz parte de disciplinas como filosofia e psicologia. Durante séculos, se tenta identificar maneiras diferentes formas de argumentar erradamente que aparentemente parecem bem sucedidas.

Por muitos séculos pensou-se que os seres humanos têm uma grande capacidade de pensar racionalmente. No entanto, nas últimas décadas, a pesquisa apontou para o fato de que a racionalidade é mais uma exceção. Ao contrário do que se acreditava até agora, tendemos a nos deixar levar por preconceitos inconscientes.

Assim, quando nos é apresentado um raciocínio, muitas vezes é difícil para nós saber se ele usa a lógica de uma forma válida ou não. Nos casos em que um argumento parece racional, mas na verdade não é, estamos diante de uma falácia. Existem muitos tipos diferentes, mas um dos mais comuns é o do homem de palha.

Qual é a falácia do homem de palha?
A falácia do homem de palha consiste em modificar um argumento válido de nosso rival por outro que se assemelha a ele, mas que está errado. Desta forma, é mais fácil refutá-lo e fazer com que a outra pessoa perca credibilidade. Em geral, é geralmente usado para defender ideologias políticas, religiosas e sociais.

Portanto, é comum encontrar a falácia do homem de palha falando sobre questões como aborto ou imigração. Também podemos nos deparar com isso em debates políticos, na mídia ou em comunicações oficiais. A intenção e o objetivo que está por trás é o de não ter que enfrentar os argumentos de outra pessoa. Isso porque, através da falácia do homem de palha, os argumentos do oponente são substituídos por outros absurdos.

A estrutura da falácia é a seguinte:

– Uma pessoa levanta o argumento “A”.
– Seu oponente distorce e substitui com o argumento “B”. Isso é semelhante, mas errado.

– A segunda pessoa refuta o argumento “B”.

– Por ter equacionado os dois argumentos, dá a impressão de que “A” também foi refutado.

Exemplos
Abaixo, veremos alguns exemplos para ilustrar o que essa falácia consiste.

1- Leis sobre o álcool
Imagine um debate sobre a mudança da idade mínima legal para beber cerveja . A discussão, seguindo a falácia do homem de palha, poderia tomar esta forma:

– Pessoa A. Devemos considerar a redução da idade mínima para beber cerveja aos 16 anos de idade. Nessa idade, o corpo humano já está preparado para suportar os efeitos das bebidas alcoólicas .
– Pessoa B. Isso é loucura. Se começarmos a dar álcool a crianças indiscriminadamente, a sociedade sofrerá todos os tipos de problemas.
Como você pode ver, a pessoa B não respondeu ao argumento levantado por A. Pelo contrário, levou ao extremo o que levantou (igualou pessoas de 16 anos com crianças). Desta forma, ele evita ter que discutir com ele no plano racional .

2- Evolução Humana
Pessoa A. Os humanos compartilham vários ancestrais comuns com os primatas de hoje. Temos grandes quantidades de evidências sobre esse assunto.
Pessoa B. Se as pessoas vêm do macaco, como é que os chimpanzés ainda existem?
Neste caso, a pessoa B não entende bem como a evolução funciona. Por esta razão, ao invés de refutar que existe através da lógica, ele usa um argumento falacioso e não responde ao que A disse . Nesse caso, a falácia também poderia ser considerada uma redução ao absurdo .

A falácia do homem de palha é uma das mais comuns. É por isso que é essencial identificá-la e que podemos debater usando lógica e racionalidade.

 

Artigo originalmente publicado em La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.