Do site lamenteemeravigliosa

O falso altruísmo representa uma das formas mais prejudiciais e disseminadas
de hipocrisia. Diz-se daqueles que se comportam como protetores da pátria:
pessoas que nos fazem favores, não para fazer o bem, mas para alimentar o seu
próprio bem-estar. Somos indubitavelmente confrontados com a clássica
armadilha narcisista, que é capaz de manipular aqueles que ajudam a subjugá-la
a uma verdadeira escravidão emocional.

Por mais estranho que possa parecer, há muitos psicólogos que nos falam sobre
um fato muito importante e sobre o qual refletir. O altruísmo puro e
desinteressado nem sempre é natural. Não estamos todos limitados pela
empatia autêntica, embora seja claro que o comportamento cooperativo por si só
nos permitiu sobreviver como espécie.

“Um grande erro é acreditar mais do que é e estimar menos do que vale”.
-Goethe-

O falso altruísta vive entre nós de maneira aberta. Há aqueles que demonstram
extrema gentileza, interesse e cuidado em relação a nós com o objetivo final de
receber algo em troca. Políticos, alguns membros de nossa família e até
gerentes com seus funcionários o fazem, porque sabem que mostrar sua
gentileza e interesse para com os vizinhos aumenta sua eficiência. Mas se o
empregado ficar doente ou tiver uma emergência familiar, o altruísmo de seu
chefe simplesmente desaparecerá.

Como vemos, há muitos interesses ocultos por trás desses atos de aparente
empatia solidária que devem nos alertar. Também não podemos, entre outras
coisas, colocar em prática muitos desses comportamentos inconscientes que
são, de uma forma ou de outra, a personalidade narcisista, aquela que às vezes
nem percebemos.

O falso altruísmo e sociedade narcisista

Imagine uma mãe ou um pai de família que se desdobra para dedicar-se aos
filhos. Estes já são adultos, emancipados e tentam, de maneira velada, traçar
fronteiras entre eles e essas figuras por vezes intrusivas, que, sentindo
necessidade de ajudar, não deixam espaço nem liberdade. A mãe ou pai sabe
que seu filho é perfeitamente capaz de cuidar de si mesmo, no entanto, eles
precisam estar na linha de frente e dar-lhes atenção contínua para se sentirem
melhor, para se sentirem úteis.

É uma atitude muito comum e não é raro de ver isso acontecer no nosso circulo
de amizade, isso quando não somos nós mesmos a passar para alguém que
nos é querido ou que o tenha vivido diretamente em nossa própria pele. No
entanto, a realidade pode ser muito mais complexa se olharmos um pouco além
da realidade familiar. Boa parte de nossa sociedade coloca em prática esse
falso altruísmo alimentado pelo mesmo narcisismo.

Isso é uma coisa que acontece com muita frequência, tão comum, que não é raro
ver acontecer com alguém que conhecemos ou até com nós mesmos. No
entanto, se olharmos para além da realidade familiar, vamos perceber que boa
parte das pessoas cola em prática esse falso altruísmo, alimentado pelo
narcisismo.

Por outro lado, na sociologia eles sublinham que nosso mundo é cada vez mais narcisista e que a geração de “eu e só eu” não faz nada além de se expandir. Pode parecer decepcionante, mas as redes sociais, os canais do YouTube e uma infinidade de contas pessoais do Instagram aumentam essa última necessidade de reivindicar um claro apelo de “ei, eu estou aqui”, olhem para mim, sigam-me, deem-me um “curtir” com reforços positivos.

Por outro lado, há também muitas pessoas famosas que, através de suas redes sociais, exibem seus atos de altruísmo, seu compromisso com diferentes causas sociais ou sua colaboração com várias associações, ONGs … Na maioria das vezes é apenas para a venda de uma imagem. Eles colocam em prática um falso altruísmo para nos convencer de sua bondade para que nossos filtros não manchem ou alterem as atribuições ideais que aplicamos em referência a eles.

Um caso concreto de falso altruísmo: o caso de Bill Gates

Um caso concreto sobre o qual nos perguntar se era uma questão de falso altruísmo ou empatia solidária é o de Bill Gates. Foi num período em que a imprensa enfatizou cada vez mais a falta de filantropia de algumas das personalidades mais reconhecidas e ricas do planeta. A Microsoft ganhava uma grande quantidade de dinheiro e não dedicava sequer uma pequena parte às causas sociais. Depois de se casar, Gates e sua esposa criaram a “Fundação Bill & Melinda Gates”, uma das associações que atualmente fornece a maior quantia de dinheiro em várias áreas sociais, de saúde e acadêmicas.

O próprio Gates pode ter refletido sobre a necessidade de contribuir para essas causas, para fazer algo de bom para a sociedade e para o mundo em geral. Se este for o caso, podemos dizer que é empatia solidária. No entanto, pode ser que seus consultores acreditassem que esse compromisso ético era mais do que necessário para melhorar a imagem da empresa.

Por outro lado, também é possível que chegue um momento em que o próprio Gates sentirá a necessidade de fazer essa contribuição econômica com o único objetivo de se sentir bem consigo mesmo. Ou talvez seja o reconhecimento social que pode obtê-lo para lhe dar satisfação. Neste último caso, falamos de falso altruísmo.

As 5 chaves do falso altruísmo
Como vimos, a melhor coisa para a nossa sociedade é essa dimensão que todos devemos colocar em prática todos os dias: empatia solidária. Amin Maalouf, renomado escritor franco-libanês e especialista em problemas sociais, discriminação e conflitos étnicos, ressalta que educar em empatia desde a infância nos ajudaria a construir uma humanidade mais solidária. No entanto, a dinâmica atual nos empurra cada vez mais para um narcisismo entrópico e prejudicial.

O falso altruísmo está presente, reflete uma prática da personalidade narcisista e, portanto, devemos reconhecê-lo. As principais características dos falsos altruístas são:

• Com seus atos de interesse e falsa bondade, eles sempre defendem uma posição de poder. “Eu sou superior a você e minha generosidade, quer você goste ou não, te subordina a mim”.

• Às vezes, colocam em prática uma forma de ajuda quase compulsiva, com o objetivo de tratar e polir seu “ideal de si”.

• Eles tentam deixar claro que, se não fosse por eles, não poderíamos sobreviver ou resolver nossos problemas.

• Não podemos esquecer que são grandes manipuladores. Eles chantageiam e manipulam a “ajuda”, para prendê-lo em armadilhas emocionais reais.

Para concluir, mesmo se todos nós sejamos importantes, únicos e excepcionais, nunca devemos esquecer nosso compromisso com os outros, nosso senso de colaboração e o grande valor que pode derivar de uma genuína empatia solidária, sem obscuros interesses ocultos.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.