Um fazendeiro belga correu o risco de desencadear um incidente internacional ao mover um antigo marco de pedra que indicava a fronteira de seu país com a França desde o Tratado de Kortrijk de 1820.

De acordo com o prefeito da cidade belga de Erquelines, David Lavaux, o ousado proprietário de terras subestimou as implicações de empurrar o marco histórico para trás 2,2 metros (7,2 pés).

O fazendeiro belga, aparentemente incomodado com a pedra no caminho de seu trator, moveu-a para dentro do território francês.

“Obviamente, isso aumentou o tamanho de sua propriedade”, disse o bourgmestre.
“O que ele não percebeu foi que a fronteira tinha sido precisamente geolocalização em 2019, então foi fácil provar que ela havia sido movida.”

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10225567670680472&set=a.10201750745872237&type=3

A discreta “grilagem” foi detectada há cerca de um mês por membros de uma associação de entusiastas da história do lado francês da fronteira.

A Bélgica não era independente quando a fronteira foi traçada, mas em 1815, quando Napoleão foi derrotado pelas forças aliadas em Waterloo, o reino caiu sob o trono holandês.

Conseqüentemente, os marcadores de fronteira, colocados em 1819, são marcados com um F para a França de um lado e um N para a Holanda do outro.

A fronteira foi consagrada na lei em 1820 pelo Tratado de Kortrijk e permaneceu no mesmo lugar depois que a Bélgica se tornou um reino independente em 1830 – pelo menos até o recente estratagema do proprietário de terras Erquelines.

A guerra não é iminente, no entanto. De acordo com o prefeito Lavaux, já foi agendado um encontro com o fazendeiro para resolver a questão.

“Vamos vê-lo antes do final da semana e, se ele substituir a pedra, não faremos mais nada”, disse ele.

Informações G1

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.