Em 1992, a fibromialgia foi reconhecida como uma doença pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A fibromialgia afeta atualmente 4% da população e quase 90% dela é do sexo feminino.

É conhecida como a “doença invisível”, porque afeta todos os tecidos moles do sistema músculo-esquelético e não pode ser facilmente determinada por exames médicos. A fibromialgia não pode ser vista com o olho. Não causa manchas na pele ou feridas visíveis das quais a doença pode ser identificada. É uma dor solitária e desesperada.

No momento, a causa dessa doença ainda é desconhecida. O que sabemos, no entanto, é que mais e mais pessoas são afetadas todos os anos. Portanto, intervenção global que inclua a importância do aspecto biopsicossocial é necessária.
Hoje queremos dar-lhe algumas orientações básicas para que você possa enfrentar esta doença com poder, melhorando a sua qualidade de vida, tanto quanto possível.

Fibromialgia: a dor incompreendida

Se uma pessoa não pode sair da cama porque sente que “agulhas em chamas” estão grudadas em suas articulações, isso não é falso ou uma desculpa para não ir trabalhar. O sofrimento das pessoas que sofrem de fibromialgia é reforçado pela incompreensão social e por sentirem-se invisíveis em um mundo que só acredita no que vê.

O principal problema da FM (fibromialgia) está na controvérsia sobre sua origem: é psicológica ou biológica? Estas são as conclusões mais importantes que os especialistas afirmam:

Possível origem da fibromialgia

É necessário primeiro esclarecer que não há evidência médica para a ligação entre fibromialgia e transtornos psiquiátricos.

Alguns autores relatam que cerca de 47% dos pacientes com fibromialgia sofrem de ansiedade, mas devemos ter em mente que essa dimensão psicológica também pode ser interpretada em resposta à dor que acompanha a própria doença.

De acordo com um estudo publicado na revista Arthritis & Rheumatology, os pacientes com fibromialgia experimentam um aumento da sensibilidade à estimulação sensorial diária.

Com base na ressonância magnética, os pesquisadores descobriram que, quando expostos a estímulos visuais, táteis, olfativos ou auditivos, as áreas do cérebro relacionadas à integração sensorial são estimuladas mais do que o normal.

Pessoas com fibromialgia têm um número aumentado de vasos sangüíneos nas fibras nervosas sensoriais, de modo que qualquer estímulo ou mudança de temperatura resulta em dor severa.

Algo para se lembrar é que todo fator emocional causará um aumento na dor nessas fibras nervosas. Uma situação estressante resultará em superestimulação e dor. Como resultado desse sentimento de dor e fadiga crônica, uma pessoa pode se sentir impotente e cair em depressão.

Portanto, acabamos em um círculo vicioso no qual uma doença de origem orgânica é reforçada pelo fator psicológico. Portanto, vale a pena manter sob controle a dimensão emocional da fibromialgia para enfraquecer ou pelo menos “controlar” sua origem etiológica.

Estratégias psicológicas para lidar com fibromialgia

A dor crônica faz parte da nossa realidade social e a fibromialgia (FM) é um exemplo extremo disso. Agora que sabemos que fatores como estresse ou tristeza vão intensificar o sofrimento, é importante introduzir algumas estratégias básicas que possam nos ajudar a lidar com a doença.

Cinco chaves para uma melhor qualidade de vida

Primeiro, queremos deixar claro que as mesmas estratégias não funcionarão para todos. Cabe a você encontrar as estratégias que funcionam para você e suas necessidades. Para fazer isso, você deve experimentar as diferentes estratégias e fazer uma escolha com base em suas experiências.

  • Entenda sua doença. Isso significa que você mantém contato com especialistas, médicos e psicólogos. Os tratamentos necessários para “compreender” a sua doença teriam que abranger várias disciplinas. Desta forma, você estará mais seguro e melhor preparado.
  • Seja positivo na vida. Sabemos que não é fácil, mas em vez de responder à dor, é melhor aceitar e tratar, não ficar deprimido. Não hesite em falar com colegas sofredores, não se isole e não fique zangado com as pessoas ao seu redor.
  • Procure por atividades que lhe permitam lidar com o estresse e a ansiedade: há técnicas de relaxamento muito adequadas que podem ajudar. Yoga também pode ser muito útil.
  • Nunca perca o controle da sua vida, não deixe a dor controlar você. Para fazer isso, é necessário inserir momentos de relaxamento todos os dias, por mais curtos que sejam. Dê um passeio e evite contato social.
  • Preste atenção às suas emoções, seus pensamentos e sua língua. O que pensamos e sentimos tem uma influência direta na doença. Se você disser coisas como “não consigo me levantar”, “não há solução” ou “não tenho forças”, isso só vai agravar seu sofrimento.

 

Artigo originalmente publicado em verkenjegeest.com

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.