Quando pensamos nas forças que nos moldam, muitas vezes olhamos para trás no tempo. Olhamos para os acontecimentos de nossa juventude, para a influência de nossos colegas e para a maneira como fomos tratados por nossa família. Mas, embora nosso passado, ou pelo menos nossa concepção dele, influencie nosso senso de identidade, também é verdade que um evento de nosso futuro e nossa escolha de como lidar com isso também molda quem somos e quem nos tornaremos .

“. . .a ideia da morte, o medo dela, assombra o animal humano como nada mais; é a mola mestra da atividade humana – atividade projetada em grande parte para evitar a fatalidade da morte, para superá-la negando de alguma forma que é o destino final do homem. ” — Ernest Becker, The Denial of Death

Na maioria dos casos, é a nossa sociedade que fornece os mecanismos para nos ajudar a enfrentar a nossa morte. Mas nem todas as sociedades oferecem soluções adequadas para o nosso dilema existencial, algumas de fato promovem modos de vida que têm mais probabilidade de terminar em arrependimento do que no sentimento de uma vida bem vivida.

Durante grande parte da história, os mitos foram as ferramentas que os humanos usaram para afastar o medo da morte. Alguns mitos alcançam isso com a promessa de um futuro melhor. Se pudermos apenas viver da maneira prescrita pelo mito, então, eventualmente, um ponto decisivo será alcançado em que nosso sofrimento será uma coisa do passado e uma existência feliz preencherá os horizontes de nosso futuro.

O mito mais famoso desse tipo, ou o que é chamado de mito da chegada, é o mito cristão. O dogma cristão nos ensina que nosso sofrimento terreno, e até mesmo nossa morte, não são eventos sem sentido em um universo sem sentido, mas os passos necessários para a chegada ao céu.

O surgimento da ciência, entretanto, e o ceticismo que isso provocou, tornaram a crença na vida após a morte menos sustentável. Mas a morte de Deus destruiu apenas uma manifestação do mito da chegada. No lugar do mito cristão, um novo mito surgiu no Ocidente e também promete um futuro melhor. Essa nova versão secular do mito da chegada é construída em torno da ideia de que nosso sofrimento não está tanto ligado à nossa natureza mortal, mas sim um produto do que nos falta.

Se conseguirmos apenas encontrar um emprego com uma boa remuneração, mudar para uma casa grande, encontrar o parceiro perfeito e, ao mesmo tempo, nos banharmos no brilho de admiração dos outros, então passaremos por uma virada nesta vida. Nossos problemas irão definhar e nosso dinheiro e status social tornarão possível uma vida livre de lutas e contendas.

Ironicamente, ao substituir a crença em um céu transcendental pela crença em um terreno, o mito moderno da chegada não se tornou menos ilusório. Pois em nossos momentos mais claros, todos nós sabemos que muito do que nos aflige não pode ser curado por simples acréscimos à nossa riqueza ou status social. Para piorar as coisas, o mito moderno da chegada faz pouco em termos de nos ajudar a lidar com o fato de que um dia, nós também seremos selados em uma caixa e jogados em um buraco.

Por um lado, podemos ser um dos poucos que escalam as escadas do sucesso social a grandes alturas, mas se isso veio ao custo de anos ou décadas consumidos em um trabalho que tememos, e com a exclusão de atividades que são mais intrinsecamente gratificante, então será difícil não sentir que desperdiçamos nossa vida em buscas vãs. Por outro lado, se lutarmos para alcançar a riqueza e o status que nossa sociedade considera necessários para desfrutar a vida, será difícil não nos julgarmos fracassados ​​e sermos consumidos pela frustração e ressentimento. Sucesso ou fracasso, o mito moderno da chegada faz pouco para afirmar nossa existência em face de nossa morte cada vez mais próxima.

Felizmente, agarrar-se à ilusão de que um futuro melhor o aguarda, seja nesta vida ou na próxima, não é a única maneira de lidar com nosso dilema existencial. Uma abordagem alternativa é aprender a viver mais plenamente agora, pois, como Leonardo da Vinci disse:

“Assim como um dia bem preenchido traz um sono abençoado, uma vida bem empregada traz uma morte abençoada.” — Leonardo da Vinci

Mas o que é uma vida bem empregada? O lema de da Vinci era “rigor implacável” e isso nos dá uma pista sobre o significado de sua declaração. Uma vida bem empregada, de acordo com da Vinci, não é aquela em que passamos nossos dias lutando por riqueza ou fama, nem em que todo o nosso tempo livre é gasto pulando de um prazer irracional para o outro. Uma vida bem empregada é aquela em que escolhemos projetos intrinsecamente gratificantes e investimos constantemente o tempo necessário para sua realização. Olhar para a vida de da Vinci revela que era assim que ele vivia. Da pintura de suas obras-primas, às tentativas de inventar a primeira máquina voadora, ao seu incrível trabalho na anatomia humana, a vida de Da Vinci foi repleta de projetos.

A maioria de nós, entretanto, não tem a sorte de ter patrocinadores ricos financiando nossos esforços criativos, mas enquanto tivermos algum tempo livre, podemos imitar a vida de da Vinci até certo ponto. Uma pequena quantidade de tempo dedicado diariamente a uma busca criativa, o domínio de uma habilidade ou algum outro projeto, com o tempo acumulará em resultados impressionantes e abrirá possibilidades imprevistas.

Quanto maior o amadurecimento de nossas habilidades, mais provável será que possamos descobrir maneiras de integrar nossas paixões às nossas carreiras. Mas mesmo que não ganhemos dinheiro com nossos projetos, e mesmo que nenhuma alma reconheça nossos esforços, ainda assim nos beneficiaremos desse modo de vida ativo por vários motivos.

Em primeiro lugar, viver uma vida bem ocupada é a melhor forma de neutralizar uma das causas profundas do sofrimento humano, nomeadamente a sensação de estagnação. A estagnação prega peças com a mente, faz com que questionemos o sentido de nossa existência e fornece um antegozo do que nos espera. Para combater esses sentimentos, precisamos mudar. Precisamos do devir que demarca os vivos dos mortos e a vida bem empregada é um veículo para nos mover nessa direção. Quanto mais permanecermos nesse estilo de vida, mais aprenderemos do que somos capazes e menos seremos assombrados pelo espectro de uma vida desperdiçada.

A segunda razão pela qual uma vida bem empregada é benéfica, mesmo que não introduza nenhuma recompensa externa, é porque este modo de vida permite o acesso ao estado ideal de consciência conhecido como fluxo e, assim, dá a devida consideração à sabedoria muito aconselhada de que devemos viva mais para o momento.

Um estado de fluxo não é acessível sob comando, mas em vez disso surge espontaneamente quando estamos totalmente engajados em atividades que exigem que façamos uso de nossas habilidades ao máximo. Quando alcançado, o estado de fluxo altera nossa percepção do tempo, faz com que nosso senso de identidade pareça desaparecer e a mera participação em tudo o que estamos fazendo se torna a recompensa por si só. Ao contrário dos prazeres sensuais, que têm retornos decrescentes, quanto mais fluxo induzimos em nossa vida, melhor.

Embora uma vida bem empregada seja uma vida boa, independentemente de produzir recompensas externas, é, no entanto, a melhor abordagem para alcançar a situação ideal, na qual podemos nos sustentar financeiramente por meio de atividades que consideramos intrinsecamente gratificantes.

Muitas pessoas sonham com uma vida assim, mas poucas a alcançam pela simples razão de que nunca ficam muito boas no que fazem. Dedicar tempo consistente à busca de projetos intrinsecamente gratificantes, no entanto, nos forçará a cultivar traços de caráter como disciplina, tenacidade e coragem, ao mesmo tempo que fortalece a importantíssima capacidade de foco prolongado. Com essas ferramentas em nosso arsenal nos colocaremos no caminho para alcançar a excelência necessária para tornar esse sonho realidade.

Se o sucesso externo vier em nosso caminho, entretanto, não devemos permitir que ele nos desvie do caminho de uma vida bem empregada. Pois às vezes o sucesso externo, especialmente se vier rápido demais, pode ser mais uma maldição do que uma bênção. Os confortos e prazeres que o dinheiro e a fama oferecem podem nos desviar do curso e nos levar a um estilo de vida pior do que o anterior. O dramaturgo Tennessee Williams descobriu isso depois que ele disparou da obscuridade para a fama:

“O tipo de vida que eu tinha antes desse sucesso popular” ele escreveu “era aquela que exigia resistência, uma vida de arranhões e arranhões, mas era uma vida boa porque era o tipo de vida para o qual o organismo humano é criada. Eu não estava ciente de quanta energia vital havia investido nessa luta até que a luta foi removida. Esta era a segurança, finalmente. Sentei-me e olhei em volta e de repente fiquei muito deprimido. ” — Tennessee Williams

A luta pela vida livre que tantos de nós esperamos não é, como sugere Williams, uma vida para a qual o organismo humano é adequado e isso é apenas mais um golpe contra o mito moderno da chegada. Somos uma criatura inquieta e nossa inquietação está ligada à nossa natureza mortal e não pode ser domada pelo sucesso externo. Nossa inquietação só pode ser domada através do esforço contínuo de esforço para fins que consideramos dignos. E por isso a vida bem empregada, é a vida boa e é o tipo de vida digna de uma morte abençoada:

“ Nós nos avaliamos por muitos padrões”, escreveu William James. “A nossa força e a nossa inteligência, a nossa riqueza e até a nossa boa sorte são coisas que aquecem o nosso coração e nos fazem sentir à altura da vida. Mas mais profundo do que todas essas coisas, e capaz de se bastar sem elas, é o senso da quantidade de esforço que podemos despender. . . Aquele que nada pode fazer é apenas uma sombra; aquele que pode fazer muito é um herói. ” — William James, The Principles of Psychology

Esse artigo foi transcrito e traduzido a partir do vídeo (Em Inglês) do canal Academy of Ideas

Escape Boredom – Leonardo da Vinci and a Guide to the Good Life

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.